A Esfera  Divina e   Mística                                                           
Witness Lee

 

 

  

 

Sumário

Título                                                                                         Página

 Prefácio................................................................................5

1      Conhecer esta era..........................................................7

2  Entrar na esfera mística do  ministério celestial de Cristo..................................................................................19          

3   A esfera divina e mística do Espírito consumado e do Cristo pneumático................................................................... 33

4   "O Espírito mesmo junto com nosso espírito"A chave que abre as oito seções da salvação orgânica que Deus efetua (1).......................................................................................49

5   "O Espírito mesmo junto com nosso espírito" A chave que abre as oito seções da salvação orgânica que Deus efetua (2).......................................................................................65

6    A base única das Iglesias locais de Deus e a unidade única do Corpo universal de Cristo......................................81

  

 

                                                             PREFÁCIO

Este livro compõem as mensagens apresentadas pelo irmão Witness Lee em Anaheim, Califórnia, em uma compenetração, ou seja, uma reunião do mesclar ou mistura, internacional dos colaboradores e os anciões do 9 aos 11 de abril de 1996.

 

 

  

 

CAPITULO UM

CONHECER ESTA ERA

Leitura bíblica: Jo. 7:39; 1 CO. 15:45; 2 CO. 3:17-18; Ex. 30:23-25; Rm. 8:2, 9-11; Ap. 1:4; 3:1; 4:5; 5:6

ESBOÇO

 

I. Nenhuma das teologias atuais, incluindo o credo da Nicea, recalca adequadamente os seguintes cinco pontos cruciais relacionados com o Espírito de Deus no mover da economia eterna de Deus:

A. Não havia o Espírito que dá vida antes da glorificação (a ressurreição) de Cristo--Jo. 7:39.
B. O último Adão (Cristo na carne) foi feito Espírito lhe vivifiquem (cumprindo assim o que o Senhor disse no Jo. 7:39)-1 CO. 15:45. portanto, 2 Coríntios 3:17 diz que "o Senhor é o Espírito", e o versículo seguinte utiliza o título divino composto "o Senhor Espírito".

C. O Espírito composto é tipificado pelo ungüento da unção (um composto de um hin de azeite de oliva e quatro tipos de especiarias e sua eficácia) no Êxodo 30:23-25.

D. O Espírito de vida, o Espírito de Deus, o Espírito de Cristo, Cristo mesmo e o Espírito que mora nos crentes, mencionados em Romanos 8:2, 9-11, referem-se ao Espírito composto que dá vida.

E. Os sete Espíritos (o Espírito sete vezes intensificado,  luz do sol sete vezes maior, Is. 30:26) de Deus-Ap. 1:4; 3:1; 4:5; 5:6.

II. A Igrejas Católica, as denominações protestantes, as assembléias dos Irmãos, as Iglesias pentecostais e todos os grupos livres, limitados por sua teologia imperfeita e não bíblica, não vêem a revelação central de Deus nem podem levar a cabo a economia

eterna de Deus, porque não têm os cinco pontos cruciais relacionados com o Espírito de Deus, os passam por cima e se opõem a eles.

III. Deus precisa ter um povo de Deus-homens que sejam vencedores, para poder levar a cabo Sua economia eterna com respeito a que a igrejas tem que produzir o Corpo de Cristo e tem sua consumação na Nova Jerusalém.

  

Oração: Senhor, adoramo-lhe por nos reunir aqui. Elogiamo-lhe. Só Você pode produzir esta reunião. Senhor, nesta reunião necessitamos que te intensifique sete vezes. Senhor, vêem e abre Seu ser a nós, e faz que nós também abramos nosso ser a Ti. Pedimo-lhe um transação, que haja tráfico, entre Você e nós. Senhor, nos libere da velhice. nos libere do velho conhecimento e das tradições, as quais mantivemos durante anos. Senhor, nos perdoe, nos limpe e nos cubra com Seu sangue prevalecente contra o inimigo em todo aspecto. Ministrar Sua palavra é uma batalha; por isso, Senhor, escondemo-nos em Ti. Escondemo-nos sob o sangue do Cordeiro. Senhor, nos fortaleça e te derrame sobre nós de modo sete vezes intensificado. Senhor, nos toque e nos fale, nos fazendo um espírito contigo. Obrigado. Amém.

O título desta mensagem é "Conhecer esta era". Aqui utilizamos a palavra era para nos referir não ao mundo em geral a não ser ao cristianismo atual de modo específico, especialmente quanto à revelação das Escrituras, as verdades divinas e a teologia autêntica e apropriada.

O primeiro assunto abrangido nas Escrituras é Deus mesmo. A revelação quanto a Deus está relacionada com Sua pessoa, e Sua pessoa é muito misteriosa. O é um, e ao mesmo tempo é três; portanto, é triúno. Os conceitos diferentes a respeito da Trindade Divina foram um fator principal, um elemento escondido, de todos os problemas do cristianismo atual. O cristianismo se dividiu pelos diferentes conceitos quanto à Trindade Divina.

foi muito problemático e difícil entender o segundo (Cristo) e o terceiro (o Espírito) da Trindade Divina. Quem é Cristo? A maioria dos cristãos responderia a esta pergunta dizendo que Cristo é o Filho de Deus. Mas muitos crentes não sabem que Cristo não é somente o Filho unigênito de Deus (Jo. 3:16) mas também o Filho primogênito de Deus (Rm. 8:29; Col. 1:18; Tenho. 1:6; Ap. 1:5). Como poderia o Filho unigênito chegar a ser o Filho primogênito? O, como o Filho unigênito, deve ser o único Filho e não pode ser o primeiro, e como o Filho primogênito é o

primeiro Filho e não pode ser o único. Como devemos explicar isto?

Os teólogos afirmam que as pessoas da Trindade não devem confundir-se. Mas devemos fazer certas perguntas. É Cristo só o Filho e não o Espírito? O Espírito é só o Espírito? Está o Espírito relacionado com Cristo e tem parte no? Também nos perguntamos a respeito dos sete Espíritos (Ap. 1:4; 3:1; 4:5; 5:6). Segundo Apocalipse 5:6 os sete Espíritos são os sete olhos do Cordeiro. São os sete Espíritos e o Cordeiro uma só pessoa ou dois? Sem dúvida são dois, mas os sete Espíritos são os sete olhos do Cordeiro. São um ou dois? Se dissermos que o Cordeiro e os sete Espíritos como os sete olhos do Cordeiro são um, outros, afirmando que o Espírito é o Espírito e o Filho é o Filho, acusarão-nos de confundir as pessoas da Trindade Divina. Mas em Apocalipse 5:6 o terceiro da Trindade Divina é os olhos do segundo. Então, como pode o Espírito estar separado do Filho? Estão os olhos de você separados de você mesmo? Quando seus olhos olham a alguém, você mesmo o olhe. Ninguém diria: "Só meus olhos olham a você; eu mesmo não o Miro". Seus olhos são você. O fato de que seus olhos olham a alguém significa que você mesmo o faz. Estes são exemplos simples das carências teológicas que há no cristianismo atual.

Posto que falar do Filho e o Espírito da Trindade Divina é difícil e complicado, sentimo-nos obrigados a lhe dar a Cristo o seguinte título: o Cristo todo-inclusivo. Cristo é todo-inclusivo porque O é tudo. O é Deus, é o Pai (Is. 9:6), é o Filho e é o Espírito. Conforme à revelação do Novo Testamento, o Pai está corporificado no Filho (Col. 2:9), e o Filho é feito real pelo Espírito (Jo. 14:17, 20). Portanto, o Filho é a corporificação do Pai, e o Espírito é o Filho feito real. Sem dúvida estas expressões vêm de um idioma divino e celestial.

João 1:1 diz: "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus". Posto que o Verbo era Deus, que necessidade tinha que dizer que O estava com Deus? Ninguém pode explicar isto satisfatoriamente, porque não temos um idioma que expresse este tipos de "cultura".

 

I. NENHUMA DAS TEOLOGIAS ATUAIS,INCLUINDO O CREDO DO NICEA, RECALCA ADEQUADAMENTE OS SEGUINTES CINCO PONTOS CRUCIAIS RELACIONADOS COM O ESPIRITU DE DEUS NO MOVER DA ECONOMIA ETERNA DE DEUS

A. Não havia o Espírito que dá vida antes da glorificação (a ressurreição) de Cristo

Não havia o Espírito que dá vida antes da glorificação (a ressurreição) de Cristo (Jo. 7:39b). João 7:37-39 diz: "No último e grande dia da festa, Jesus ficou em pé e elevou a voz, dizendo: Se algum tiver sede, venha para Mim e bebê. que crer em Mim, como diz a Escritura, de seu interior correrão rios de água viva. Isto disse do Espírito que tinham que receber os que acreditassem no; pois ainda não havia o Espírito, porque Jesus não tinha sido ainda glorificado". O pano de fundo histórico do que o Senhor disse estava relacionado com a festa dos Tabernáculos, a última festa anual dos judeus e a maior. A festa dos Tabernáculos era uma festa muito agradável. celebrava-se quando os filhos do Israel se reuniam para desfrutar do que tinham colhido. regozijavam-se juntos durante sete dias. O último dia era o grande dia da festa. Nesse dia, para a surpresa dos que assistiram à festa, o Senhor Jesus ficou em pé e clamou, dizendo: "Se algum tiver sede, venha para Mim e bebê". Isto tem um significado muito rico, porque indica que os que guardavam a festa dos Tabernáculos ainda tinham sede, pois não tinham nada que satisfizera sua sede.

No passado e no presente muitos grandes homens, depois de ter êxito em sua carreira ou empresa ou depois de chegar a ser famosos, pensaram que sua vida ainda era vã. Eles, tal como o rei Salomón, podiam dizer: "Vaidade de vaidades; tudo é vaidade ... Olhei todas as obras que se fazem debaixo do sol; e tenho aqui, todo isso é vaidade e aflição de espírito" (Ec. 1:2, 14). Ter este sentir é ter sede e não estar satisfeito. O Senhor Jesus, ao dar-se conta de que as pessoas não tinham sido satisfeitas e de que sua sede não tinha sido saciada, ficou em pé e clamou no grande dia da festa: "Se algum tiver sede, venha para Mim e bebê". Que expressão tão grandiosa é esta! Só o Senhor Jesus

está facultado para expressar isto. Só O, um homem de um pouco mais de trinta anos, podia dizer: "que crer em Mim ... de seu interior correrão rios de água viva".

No versículo 39 o apóstolo João, quem escreveu o Evangelho de João, deu a explicação ao dizer: "Isto disse do Espírito que tinham que receber os que acreditassem no". Aqui João não fala do Espírito de Deus, nem do Espírito do Jehová, nem do Espírito Santo, a não ser simplesmente do Espírito, nos dizendo que "não havia o Espírito, porque Jesus não tinha sido ainda glorificado". Isto indica que havia uma expectativa, a expectativa de que embora "não havia" o Espírito, viria o momento em que estaria ali. Isto aconteceria no momento em que Jesus fosse glorificado, quer dizer, em Sua ressurreição (Lc. 24:46). O Senhor Jesus era o próprio Deus cheio de glória. Mas se fez carne, e Sua glória divina estava escondida na casca de Sua carne, a casca de Sua humanidade. Quando O morreu a casca foi quebrantada, e quando ressuscitou a glória que estava escondida no foi liberada. Com isto vemos que Sua ressurreição foi Sua glorificação. portanto, em João 7:39 se esperava que quando o Senhor Jesus fosse glorificado por meio da ressurreição, o Espírito que não estava chegaria a ser o Espírito que agora está.

B. O último Adão (Cristo na carne) foi feito Espírito lhe vivifiquem

O segundo ponto crucial quanto ao Espírito de Deus que as teologias atuais não recalcam adequadamente consiste em que, como o revela 1 Coríntios 15:45, em ressurreição o último Adão (Cristo na carne) foi feito Espírito lhe vivifiquem (cumprindo assim o que o Senhor disse no Jo. 7:39). portanto, 2 Coríntios 3:17 diz que "o Senhor é o Espírito", e o versículo seguinte utiliza o título divino composto "o Senhor Espírito". O que 1 Coríntios 15:45 diz quanto ao atos de que o último Adão foi feito Espírito te vivifiquem é o cumprimento firme da profecia de João 7:39 segundo a qual não havia o Espírito, porque Jesus ainda não tinha sido glorificado, não tinha ressuscitado. Na ressurreição Cristo chegou a ser o Espírito lhe vivifiquem.

Muitos pastores, missionários, teólogos e professores se nos

opõem porque ensinamos que segundo 1 Coríntios 15:45 Cristo como último Adão na carne chegou a ser o Espírito lhe vivifiquem na ressurreição. Inclusive dois colaboradores nos opuseram neste assunto. Um destes colaboradores, quem com o tempo chegou a ser um adversário, disse que não podia acreditar que Cristo o Filho fosse feito o Espírito lhe vivifiquem. Em uma ocasião esta pessoa me disse que acreditava que o Pai, o Filho e o Espírito eram três Deuses. Quando lhe ouvi dizer isto, disse-lhe que estava ensinando a heresia do triteísmo. Informei-lhe que a Bíblia nos diz que Deus é unicamente um. O outro colaborador estava inquieto por três hinos que eu tinha escrito sobre Cristo como o Espírito (Hinos, #207, 242 e 318). Confessou que a Bíblia diz que Cristo chegou a ser o Espírito lhe vivifiquem, mas depois me advertiu que se pregávamos isto, o cristianismo nos rejeitariam. Pinjente: "Irmão, cheguei a este país com a encargo de pregar e ensinar isto. Posto que você está de acordo com o fato de que é bíblico dizer que Cristo chegou a ser o Espírito lhe vivifiquem, por favor me permita ensinar esta verdade".

O Novo Testamento fala das duas ocasiões nas quais Cristo chegou a ser algo. João 1:14 diz que Deus, como Verbo, fez-se carne, e 1 Corintios 15:45 diz que Cristo, como último Adão na carne, fez-se Espírito lhe vivifiquem. Devemos acreditar e ensinar que Deus se fez carne e que o último Adão se fez Espírito lhe vivifiquem.

C. O Espírito composto é tipificado pelo ungüento da unção

Em terceiro lugar, nenhuma das teologias atuais recalcam adequadamente o ponto crucial quanto aos atos de que o Espírito composto é tipificado pelo ungüento da unção (um composto de um hin de azeite de oliva e quatro tipos de especiarias e sua eficácia) mencionado no Exodo 30:23-25. O Espírito lhe vivifiquem não é singelo, mas sim é um composto. O último Adão era um hombre, e o Espírito lhe vivifiquem e_ s divi           portanto, este Espírito deve ter duas natura- leza a natureza humana e a divina. Estas duas naturezas foram mescladas e feitas um composto, como o indica o tipo do Exodo 30:23-25, o qual narra as instruções que Deus deu para que se formasse o ungüento da unção. Este ungüento não era um só elemento a não ser um composto. Um só elemento não pode ser um ungüento. O ungüento da unção do Exodo 30 era um composto que constava de um elemento principal -um hin de azeite de oliva- ao que lhe acrescentavam quatro tipos de especiarias: mirra, canela, cálamo e casia. Em tipologia, o azeite representa ao Espírito de Deus. A mirra que flui representa a morte de Cristo, e a canela representa a doçura de Sua morte e a eficácia da mesma. O cálamo, um cano que cresce nos pântanos ou lugares lamacentos e brota para cima, para o céu, representa a ressurreição. A casia representa o poder repelente da ressurreição de Cristo e a eficácia da mesma. A casia é uma espécie de casca que era usada contra as serpentes e os insetos. Assim, a casia representa o poder, especialmente o poder repelente, da ressurreição de Cristo. Sua ressurreição tem o poder de repelir a Satanás, a serpente. Estas quatro especiarias foram adicionadas ao hin de azeite de oliva para formar um ungüento de cinco elementos.

No ungüento composto temos o número um (um hin de azeite de oliva), o qual representa a um solo Deus, e o número quatro (as quatro especiarias), o qual representa ao homem como criatura de Deus. Também temos o número três, visto no fato de que na quantidade das especiarias havia três unidades, cada uma de quinhentos siclos: quinhentos siclos de mirra, duzentos e cinqüenta siclos de canela, duzentos e cinqüenta siclos de cálamo e quinhentos siclos de casia. portanto, quanto às especiarias, havia três unidades de quinhentos siclos, ou seja, quinhentos siclos multiplicado por três. O número três representa ao Deus Triuno. Devemos notar que a segunda unidade de quinhentos siclos estava partida em dois (o qual tipifica a Cristo, o segundo da Trindade Divina, quem foi ferido na cruz), cada uma de duzentos e cinqüenta siclos. Na Bíblia dois é o número de testemunho. Além disso, neste ungüento composto temos o número cinco, formado ao acrescentar um hin de azeite de oliva e as quatro especiarias. O número cinco também se vê nos quinhentos siclos. Na Bíblia o número cinco representa a responsabilidade. Por exemplo, os Dez Mandamentos foram escritos em duas pranchas, cinco em cada tabela. Em Mateus 25 as dez virgens foram divididas em dois grupos, cinco sóbrias e cinco insensatas. Com o que vimos anteriormente, os números um, dois, três, quatro e cinco é usado no tipo do ungüento composto visto em Êxodo 30.

O tipo do Antigo Testamento, o qual é uma espécie de profecia, deve ter cumprimento no Novo Testamento. O tipo do ungüento da unção foi totalmente completo no Espírito que da vida, o qual foi produzido na ressurreição de Cristo. O último Adão chegou a ser o Espírito que da vida, que contém a divindade de Cristo, Sua humanidade, a doçura de Sua morte, a eficácia da mesma e o poder de Sua ressurreição e a eficácia desta. O Espírito que dá vida, portanto, é o Espírito composto tipificado pelo ungüento da unção descrito no Antigo Testamento.

D. O Espírito de vida, o Espírito de Deus, o Espírito de Cristo, Cristo mesmo e o Espírito que mora nos crentes se referem ao Espírito composto que dá vida

Cristo é Cristo, e também é o Espírito, porque foi feito pneuma e chegou a ser o Cristo pneumático. Quanto ao Cristo pneumático, precisamos ver que o Espírito de vida, o Espírito de Deus, o Espírito de Cristo, Cristo mesmo e o Espírito que mora nos crentes, mencionados em Romanos 8:2, 9-11, referem-se ao Espírito composto que dá vida. No versículo 2 temos o Espírito de vida, e nos versículos do 9 aos 11, o Espírito de Deus, o Espírito de Cristo, Cristo mesmo e o Espírito que mora nos crentes. São estes cinco ou um sozinho? O Espírito lhe vivifiquem se chama o Espírito de vida, o Espírito de vida é o Espírito de Deus, o Espírito de Deus é o Espírito de Cristo, o Espírito de Cristo é Cristo mesmo. Além disso, este Espírito que é de vida, de Deus, de Cristo e Cristo mesmo mora em nós como o Espírito que está ali para nos ministrar vida todo o tempo. Este é o Cristo pneumático.

Em 2 Corintios 3:17 diz: "O Senhor é o Espírito" e o versículo 18 diz que somos transformados "como pelo Senhor Espírito". O título Senhor Espírito, assim como o título Pai Deus, é um título divino composto. O é o Senhor, e também é o Espírito. Hoje nosso Cristo é o Cristo pneumático, o Cristo feito pneuma, o Cristo que é tanto o Senhor como o Espírito.

No Espírito mesmo não havia humanidade. Do mesmo modo, o Espírito não incluía os elementos da morte de Cristo, a eficácia de Sua morte, a ressurreição de Cristo e

o poder de Sua ressurreição. Mas o elemento da humanidade de Cristo e os elementos de Sua morte, a eficácia desta, Sua ressurreição e o poder dela foram acrescentados e mesclados com o Espírito de Deus para produzir o Espírito composto. Hoje o Cristo pneumático é o Espírito lhe vivifiquem e consumado.

E. Os sete Espíritos de Deus

O quinto ponto crucial que os teólogos atuais não recalcam devidamente quanto ao Espírito de Deus no mover da economia eterna de Deus é os sete Espíritos

(o Espírito sete vezes intensificado,  luz do sol sete vezes maior, Is. 30:26) de Deus (Ap. 1:4; 3:1; 4:5; 5:6). Cristo, como o último Adão na carne, podia ser nosso Redentor, mas não podia entrar em nós para ministrar-se nos como vida. Mas depois de chegar a ser o Espírito, podia entrar em nós como o Espírito de vida a fim de nos salvar organicamente, levando a cabo Sua salvação orgânica em nós como o Espírito que dá vida. Especificamente, O é o Espírito lhe vivifiquem que produz a igrejas. Mas não muito depois de que foi produzida a igrejas, esta se degradou. Apocalipse, o último livro da Bíblia, fala da degradação da igrejas. Por esta degradação, o Espírito lhe vivifiquem, quem é tanto Cristo como o Espírito, chegou a ser intensificado sete vezes.

Isaías 30:26, uma profecia relacionada com o milênio, diz: "E a luz da lua será como a luz do sol, e a luz do sol sete vezes maior". No Isaías temos a luz do sol sete vezes maior, mas em Apocalipse temos o Espírito séptuple. O Espírito te vivifiquem é o suficientemente forte para produzir a igrejas, pela degradação da igrejas, este Espírito forte foi intensificado sete vezes. portanto, Cristo não só chegou a ser o Espírito lhe vivifiquem mas também também o Espírito sete vezes intensificado. O fato de que os sete Espíritos sejam os sete olhos do Cordeiro (Ap. 5:6) indica que os sete Espíritos e Cristo são uma só pessoa.

II. LIMITADOS PELA TEOLOGIA IMPERFEITA E NÃO BIBLICA, NÃO VÊEM A REVELAÇÃO CENTRAL DE DEUS NEM PODEM LEVAR A CABO A ECONOMIA ETERNA DE DEUS

A Igrejas Católica, as denominações protestantes, as assembléias dos Irmãos, as Iglesias pentecostales e os grupos livres, limitados por sua teologia imperfeita e não bíblica, não vêem a revelação central de Deus nem podem levar a cabo a economia eterna de Deus, porque não têm os cinco pontos cruciais relacionados com o Espírito de Deus, os passam por cima e se opõem Á eles.

Todos devemos ver claramente a revelação central de Deus. A revelação central de Deus é Deus feito carne, a carne feita Espírito lhe vivifiquem e o Espírito te vivifiquem intensificado sete vezes para edificar a igrejas, produzir o Corpo de Cristo e levar a sua consumação a Nova Jerusalém. Precisamos ver que o Deus Triuno se fez carne, a carne se fez o Espírito  lhe vivifiquem, e o Espírito te vivifiquem chegou a ser o Espírito sete vezes intensificado. Este Espírito edifica a igrejas, a qual chega a ser o Corpo de Cristo que leva a sua consumação a Nova Jerusalém como meta final da economia de Deus. Esta revelação central foi totalmente passado por cima nas teologias atuais. Os grupos que já mencionamos não completam a economia eterna de Deus porque não têm os cinco pontos cruciais relacionados com o Espírito de Deus que mencionamos nesta mensagem, os passam por cima e se opõem a eles. A restauração atual do Senhor é simplesmente a restauração destes pontos cruciais relacionados com o Espírito de Deus no mover da economia eterna de Deus.

Estou muito preocupado por todos os colaboradores e anciões. É possível que muitos deles não entendam completamente o que é a restauração do Senhor. Se alguém nos pede explicar o que é a restauração do Senhor hoje, devemos poder responder com uma frase simples, ou seja: A restauração do Senhor é Deus feito carne, a carne feita Espírito lhe vivifiquem e o Espírito te vivifiquem intensificado sete vezes, que edifica a igrejas, a qual chega a ser o Corpo de Cristo e tem sua consumação na Nova Jerusalém. Quanto à restauração atual do Senhor, espero que nenhum de vocês se deixe limitar nem por sua teologia antiga nem por seu velho entendimento da restauração.

III. DEUS TEM QUE TER UM GRUPO DE PESSOAS QUE SERÃO OS DEUS-HOMENS, OS VENCEDORES

Deus precisa ter um povo de Deus-homens que sejam vencedores, para poder levar a cabo Sua economia eterna com respeito à igrejas, a qual deve ser o Corpo de Cristo e tem sua consumação na Nova Jerusalém.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CAPITULO DOIS 
ENTRAR NA ESFERA MISTICA DO MINISTÉRIO
CELESTIAL DE CRISTO

ESBOÇO

I. Ao passar pela esfera física do ministério terrestre de Cristo:

A. Cristo, na esfera física de Seu ministério terrestre, é Cristo na carne:

1. Desde Sua encarnação, quando se fez carne, até Sua morte todo-inclusiva, ou seja, trinta e três anos e meio.

2. Cristo, em Sua carne (Col. 1:22), levou a cabo Seu ministério terrestre efetuando a obra redentora judicial de Deus, o qual deu por resultado objetivo que Deus:

A. Perdoasse os pecados dos crentes-ef. 1:7.

B. Desencardisse aos crentes de seus pecadosHe. 1:3.

C. Justificasse aos crentes-ro. 3:24.

d. Reconciliasse consigo aos crentes, quem antes era Seus inimigos-ro. 5:10a.

E. Santificasse para Si aos crentes quanto a sua posição fazendo-os Seu povo santoHe. 13:12; 10:29.

3. Como procedimento da completa obra salvadora de Deus para que os crentes possam participar da salvação orgânica, a qual é o propósito da completa obra salvadora de Deus.

B. Se considera que redenção judicial precisa ser mais

um que experimentou a de Deus é salvo, mas ainda salvo pela obra salvadora

A ESFERA DIVINA E MISTICA

orgânica de Deus no cumprimento da economia de Deus.

II. Entrar na esfera mística do ministério celestial de Cristo:

A. Cristo, na esfera mística de Seu ministério celestial, é Cristo como Espírito lhe vivifiquem:

1. Desde Sua ressurreição na qual foi feito Espírito lhe vivifiquem pela eternidade.

2. Cristo, como Espírito lhe vivifiquem (Rm. 8:9-10; 2 CO. 3:17-18), leva a cabo Seu ministério celestial efetuando a obra salvadora orgânica de Deus subjetivamente em oito passos:

A. A regeneração: gerar aos crentes redimidos com Sua vida divina para que nasçam de Deus e assim sejam Seus filhos e pertençam a Sua espécie-Jo. 1:12-13; 3:6b. B. A alimentação: dar de comer aos recém-nascidos pela regeneração ao pastorear O a Seu rebanho nutrindo-o e cuidando-o com ternura (Ef. 5:29) para que Suas ovelhas cresçam na vida divina até alcançar a maturidade--Jo. 10:10-11, 14-16; 21:15-17; Tenho. 13:20; 1 P 5:4; 2:25.

C. A santificação disposicional: santificar com a natureza Santa de Deus a maneira de ser de quão crentes crescem na vida divina-ro. 15:16; 6:19, 22; 1 Ts. 5:23.

d. A renovação: mudar, pelo Espírito de verdade e as revelações das Escrituras, a mente dos crentes quanto a sua religião, sua lógica e sua filosofia com respeito ao universo, ao homem, a Deus, etc., e substituir a mente deles com a de Cristo por meio da obra consumidora da cruz-Tit. 3:5; Rm. 12:2b; Ef. 4:23; Rm. 8:6; Fil. 2:5; 2 CO. 4:16.

E. A transformação: ser transformados não só na natureza interior mas também, ainda mais, na forma exterior, a expressão. Não é uma

 

ENTRAR NA ESFERA MISTICA

correção, nem meramente uma mudança exterior; é um metabolismo interior que se dá ao acrescentar-se mais do elemento da vida divina aos crentes para que seja uma expressão exterior-Rm. 12:2b; 2 CO. 3:18.

F. A edificação: o crescimento dos crentes na vida divina e o fato de que se unam com outros crentes na vida divina (Ef. 4:15-16). A renovação produz a transformação, e esta dá por resultado a edificação. Isto se comprova contundentemente pelo muro da Nova Jerusalém e seus alicerces. O muro da Nova Jerusalém é de jaspe, e expressa a aparência de Deus (Ap. 4.3). Ao ser transformadas as pedras de jaspe, são unidas e edificadas como muro.

A conformação: ser conformado à imagem plenamente amadurecida do Filho primogênito de Deus, quem é o primeiro Deus-homem, o protótipo que tem que ser produzido em série. O é Deus mesclado com o homem e o homem misturado com Deus e leva a vida de um Deus-homem, que expressa todos os atributos de Deus como virtudes humanas para que a glória divina seja expressa na humanidade, cuja consumação máxima e cuja maturidade na vida divina, é a Nova Jerusalém-Rm. 8:29; 1:4; Ef 4:14; Ap. 21.

H. A glorificação: ser saturado da glória divina do interior na maturidade da vida divina e ser glorificado do exterior pela glória divina e com a mesma como a finalización da obra redentora judicial de Deus que O aplica ao corpo dos crentes e como a porção cimera da filiação divina na obra salvadora orgânica de Deus-Rm. 8:30; Tenho. 2:10; Fil. 3:21; Ef. 4:30; Rm. 8:23.

G. 21

A ESFERA DIVINA E MISTICA

 B. Devemos recordar sempre que Cristo cumpre a obra salvadora orgânica de Deus não como Cristo na carne mas sim como o Espírito.

C. Também devemos recordar que nenhum aspecto da obra salvadora orgânica de Deus se leva a cabo pelo ministério terrestre de Cristo de modo judicial e objetivo mas sim por Seu ministério celestial orgânica e subjetivamente.

 

ENTRAR NA ESFERA MISTICA                 23

Oração: Senhor, adoramo-lhe porque nos estabeleceu como um povo especial, como Tua posse. Damo-lhe obrigado, Senhor, porque nos escolheu e nos deu a comissão de levar a cabo Sua economia eterna. Que grande carreira! Em nós mesmos não somos aptos, mas Você nos comissionou. O que diremos? Vamos a Ti. Senhor, nos abra Seu coração uma vez mais e revela o que escondeu nas profundidades de Seu beneplácito. Senhor, queremos estar abertos a Ti. Não queremos ser talheres por nada. Senhor, pedimo-lhe que nos tire todos os véus, toda a lógica, as teologias, as filosofias e os ensinos tradicionais. Senhor, nos tire capa detrás capa de véus. Senhor, desejamos ser liberados, estar livres, de todas estas ataduras. Não queremos ser detidos nem escassos ao levar a cabo Sua economia. Obrigado, Senhor, por nos tratar como os seguidores que lhe amam. Acreditam que está aqui conosco, e que quer conversar conosco cara a cara quanto a Sua carreira, segundo Sua economia eterna. Senhor, nos fale. Queremos ouvir Sua voz e ver Sua visão. Amém, Senhor.

O título desta mensagem é "Entrar na esfera mística do ministério celestial de Cristo". Aqui a palavra esfera tem muito significado. Em vez da palavra esfera podemos usar a palavra reino e assim falar do reino místico do ministério celestial de Cristo. Se queremos entrar na esfera do ministério celestial de Cristo, uma esfera totalmente mística, precisamos conhecer cristo místico.

Cristo em Sua pessoa é místico. Quanto à encarnação de Cristo, existem dois relatos no Novo Testamento: um relato físico e um relato místico. Nos evangelhos sinóticos, Mateus, Marcos e Lucas, o relato da encarnação do Senhor é totalmente físico. Nos diz que O nasceu de uma virgem, que foi posto em um pesebre, que os pastores vieram a lhe adorar, que foi levado do Israel ao Egito e que cresceu no Nazaret. Tudo isto é um relato físico. O relato que está no Evangelho de João é completamente distinto. Por exemplo, o capítulo um não é um relato do físico mas sim do místico. Os versículos 1 e 14 dizem: "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus ... E o Verbo se fez carne, e fixou tabernáculo entre nós ... cheio de graça e de realidade". Falar assim da encarnação 24

é místico e misterioso. "De Sua plenitude recebemos todos, e graça sobre graça" (V. 16). Isto também é místico. O relato que João deu da encarnação de Cristo é absolutamente místico.

De fato, todo o Evangelho de João é místico. "Todas as coisas por meio do [o Verbo] chegaram a existir ... No estava a vida, e a vida era a luz dos homens" (1:3,

4). Isto é místico. O é "o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo", e o Espírito descendeu "do céu como pomba, e permaneceu sobre O" (vs. 29, 32). Isto também é místico. Os que crêem no chegam a ser pedras (V. 42). Falando de Si mesmo como escada celestial, Cristo disse: "Verão o céu aberto, e aos anjos de Deus subir e descender sobre o Filho do Homem" (V. 51). Sem dúvida, todos estes assuntos são místicos. O fato de que Cristo seja o templo como casa de Deus (2:16-21) é místico, e a regeneração também é mística. "O que é nascido do Espírito, espírito é" (3:6b). A regeneração produz como resultado uma noiva, a qual é o aumento do Noivo (vs. 29-30). Uma vez mais, isto é algo místico. "E como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado" (V. 14). Que Cristo como serpente de bronze estivesse pendurado sobre a cruz certamente é algo místico. Em 4:10 e 14 Cristo nos diz que se bebermos da água viva que só O nos pode dar, essa água chegará a ser em nós "um manancial de água que salte para vida eterna". Logo diz: "Deus é Espírito; e os que lhe adoram, em espírito e com veracidade é necessário que adorem" (V. 24). Tudo isto é místico.

Todos os Santos que estão na restauração do Senhor, especialmente os colaboradores e os anciões, devem ver claramente a esfera física e a esfera mística. Os colaboradores e os anciões, quem está à frente na restauração do Senhor, devem saber que a restauração do Senhor repousa sobre seus ombros. O que a restauração será depende do que eles sejam. Tenho um pesado encargo quanto a isto. Posto que esta é meu encargo, não lhes posso dar ensinos ordinários. Tenho que apresentar algo específico. Precisam conhecer esta era e reconhecer que é uma era de ignorância, uns tempos em os quais os cristãos são cegados e atados pela teologia tradicional. Portanto, tenho a encargo de lhes dizer que precisam entrar em uma esfera muito mais elevada que a esfera na qual estão agora. Esta esfera elevada é a esfera mística do ministério celestial de Cristo.

I. AO PASSAR PELA ESFERA FISICA DO MINISTÉRIO TERRESTRE DE CRISTO

Primeiro, temos que passar pela esfera física do ministério terrestre de Cristo. Sem dúvida, o que é físico também é terrestre. Não devemos permanecer nesta esfera, mas sim devemos passar por ela rapidamente, tal como os que vão de trem expresso.

A. Cristo, na esfera física de Seu ministério terrestre, é Cristo na carne

Alguma vez ouviu você que quando Cristo esteve na terra, era Cristo na carne? Na Bíblia a palavra carne é muito negativa. Segundo Gênese 6:3, quando o homem caiu e se converteu na carne, Deus decidiu destruir ao homem de sobre a face da terra. Não obstante, João 1:14 não diz que o Verbo se fez homem nem que o Verbo se fez uma pessoa, mas sim o Verbo se fez carne. Posto que a carne foi condenada por Deus, muitos cristãos não se atrevem a ensinar que Cristo era carne. Alguns talvez digam que Deus se fez homem, mas a Bíblia diz que Deus se fez carne. Em Romanos 8:3 Paulo nos diz que o Filho de Deus vinho "em semelhança de carne de pecado". Cristo tinha a semelhança da carne de pecado, mas não a natureza dela, do mesmo modo que a serpente de bronze tinha a forma de serpente, mas não a natureza venenosa de serpente (Jo. 3:14; NM. 21:4-9). O Novo Testamento revela claramente que Cristo era carne, mas sem o pecado; nunca pecou (Tenho. 2:14; 4:15). Inclusive nos diz que Deus fez que Cristo fosse pecado por nós: "Ao que não conheceu pecado, por nós o fez pecado" (2 CO. 5:21). Esta é a revelação autêntica, clara e pura da Palavra de Deus.

25

26                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

ENTRAR NA ESFERA MISTICA                   27

1. Desde Sua encarnação, quando se fez carne, até Sua morte todo-inclusiva

orgânico. Além disso, o procedimento está na esfera física, e o propósito está na esfera mística.

Cristo esteve na carne durante trinta e três anos e meio, desde Sua encarnação, quando se fez carne, até Sua morte todo-inclusiva.

2. Cristo, em Sua carne, levou a cabo Seu ministério terrestre efetuando a obra redentora judicial de Deus

B. Se considera que um que experimentou a redenção judicial de Deus é salvo

considera-se que um que experimentou a redenção judicial de Deus é salvo, mas ainda precisa ser mais salvo pela obra salvadora orgânica de Deus no cumprimento da economia de Deus.

Cristo, em Sua carne (Col. 1:22), levou a cabo Seu ministério terrestre efetuando a obra redentora judicial de Deus. Esta redenção deu por resultado objetivo que Deus perdoasse os

pecados dos crentes (O 1:7), desencardisse-os de seus pecados (Tenho. 1:3), justificasse aos crentes (Rm. 3:24), reconciliasse consigo aos crentes, quem antes era Seus inimigos (Rm. 5:10a), e santificasse para Si aos crentes quanto a sua posição fazendo-os Seu povo santo (Tenho. 13:12; 10:29). Todos estes aspectos são muito bons, mas são físicos, terrestres, judiciais e objetivos.                   ,

3. Como procedimento da completa obra salvadora de Deus

O que Cristo levou a cabo em Seu ministério terrestre era um procedimento da completa obra salvadora de Deus para que os crentes pudessem participar da salvação orgânica,

a qual é o propósito da completa obra salvadora de Deus. Este procedimento se pode comparar com uma escada rolante que nos leva de um nível a outro. Uma escada rolante é útil, mas um não deve permanecer nela por muito tempo. Não obstante, a maioria dos cristãos ficam na "escada rolante" do procedimento da obra salvadora completa de Deus. Alguns nem sequer estão na escada rolante a não ser na "planta baixa"; ainda não começaram a experimentar o procedimento.

É de soma importância que diferenciemos entre o procedimento da obra salvadora completa de Deus e o propósito da mesma. O procedimento é judicial, e o propósito é

II. ENTRAR NA ESFERA MISTICA DO MINISTÉRIO CELESTIAL DE CRISTO

Devemos passar pela esfera física do ministério terrestre de Cristo e entrar em algo mais elevado, que é a esfera mística do ministério celestial de Cristo.

A. Cristo, na esfera mística de Seu ministério celestial, é Cristo como Espírito lhe vivifiquem

O mais importante que permite a Cristo levar a cabo Seu ministério celestial é o fato de que seja o Espírito lhe vivifiquem. Quando O estava na carne, não podia entrar em nós como vida. A mim, como cristão jovem, incomodou-me quando ouvi que, segundo a Bíblia, Cristo está em nós. Perguntava-me como era possível que Cristo estivesse em mim. Nnaquele tempo, naquele tempo, não sabia que na ressurreição e por meio dela, o Cristo que esteve na carne chegou a ser o Espírito lhe vivifiquem. Depois vi que o Novo Testamento revela o fato de que Aquele que morreu na cruz como nosso Salvador ressuscitou, e na ressurreição chegou a ser o Espírito lhe vivifiquem. Agora é apto para levar a cabo Seu ministério celestial na esfera mística.

1. Desde Sua ressurreição e pela eternidade

Cristo, na esfera mística de Seu ministério celestial, é o Espírito lhe vivifiquem desde Sua ressurreição na qual foi feito Espírito lhe vivifiquem pela eternidade.

28                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

2. Efetua a obra salvadora orgânica de Deus em oito passos

Cristo, como Espírito lhe vivifiquem (Rm. 8:9-10; 2 CO. 3:1718), leva a cabo Seu ministério celestial efetuando a obra salvadora orgânica de Deus subjetivamente em oito passos. Aqui vemos um contraste marcado: o terrestre com o celestial, o físico com o místico, o judicial com o orgânico e o objetivo com o subjetivo. Os oito aspectos da obra salvadora orgânica de Deus são subjetivos.

A. A regeneração

A regeneração consiste em gerar aos crentes redimidos com a vida divina para que nasçam de Deus e assim sejam Seus filhos e pertençam a Sua espécie (Jo. 1:12-13; 3:6b). Nós, como filhos de Deus, pertencemos a Seu gênero, a Sua espécie. portanto, somos deuses, pois temos a vida e a natureza de Deus mas não Sua deidade.

B. A alimentação

A alimentação consiste em dar de comer aos recém-nascidos pela regeneração ao pastorear Cristo Á Seu rebanho nutrindo-o e cuidando-o com ternura (Ef. 5:29) para que Suas ovelhas cresçam na vida divina até alcançar a maturidade (Jo. 10:10-11, 14-16; 21:15-17; Tenho. 13:20; 1 P. 5:4; 2:25). Sem dúvida, a alimentação é orgânica.

C. A santificação disposicional

A santificação disposicional consiste em santificar com a natureza Santa de Deus a maneira de ser de quão crentes crescem na vida divina (Rm. 15:16; 6:19, 22; 1 Ts. 5:23). Nosso modo de ser natural é torcido, pervertido e distorcido, mas pode ser santificado e corrigido, não com o ensino a não ser com a natureza Santa de Deus.

d. A renovação

A renovação consiste em mudar, pelo Espírito de verdade y,las  revelações das Escrituras, nossa mente quanto a nossa religião, nossa lógica e nossa filosofia

 

ENTRAR NA ESFERA MISTICA

29

com respeito ao universo, ao homem, a Deus, etc., e substituir nossa mente com a de Cristo por meio da obra consumidora da cruz (Tit. 3:5; Rm. 12:2b; Ef. 4:23; Rm. 8:6; Fil. 2:5; 2 CO. 4:16).

Quão missionários foram a China falavam muito quanto ao amor, nos dizendo que tínhamos que amar a outros. depois de ser salvo, fui iluminado e vi que todas as virtudes cristãs, incluindo o amor, eram diferentes das virtudes naturais humanas. Cada virtude cristã deve satisfazer um requisito quádruplo: tem que passar pela cruz, deve expressar-se pelo Espírito, deve ter como fim ministrar a Cristo e produzir a igrejas. O amor ensinado no Novo Testamento é um amor que passa pela cruz, elimina o eu, se expressa pelo Espírito e ministra a Cristo para produzir a igrejas. depois de ver isto claramente, dava-me conta de que os missionários estavam equivocados quanto a seu ensino, porque ensinavam erroneamente do amor enquanto afirmavam que seu ensino concordava com a Bíblia. O amor revelado na Bíblia não é um amor natural humano (amor aos homens sem egoísmo) como o ensina Confucio.

O princípio da submissão é igual. A submissão que uma irmã mostra a seu marido deve ser uma submissão que passa pela cruz, que se expressa pelo Espírito, que ministra ou ministra a Cristo, e que tem como fim produzir e edificar a igrejas. Esta tipos de submissão é totalmente diferente da ensinada pelo Confucio. A tipos de submissão que ele ensina-se expressa pela vida natural, e não tem nada que ver com a cruz nem com o Espírito, e não ministra a Cristo nem tem o fim de produzir a igrejas.

Precisamos receber uma profunda impressão do fato de que todas as virtudes ensinadas pela Bíblia passam pela cruz, expressam-se pelo Espírito e ministran a Cristo para produzir as Iglesias com o objetivo da edificação do Corpo. Nossa mente precisa ser renovada quanto a isto.

E. A transformação

A transformação é o resultado da renovação (Rm. 12:2). Significa ser transformado não só na natureza

30                   A ESFERA DIVINA E ~CA

interior a não ser, ainda mais, na forma exterior, a expressão. Não é uma correção, nem meramente uma mudança exterior; é um metabolismo interior que se dá ao acrescentar-se mais do elemento da vida divina aos crentes para que seja uma expressão exterior (Rm. 12:2b; 2 CO. 3:18). Recorde que a transformação não é só uma mudança exterior a não ser uma mudança metabólica ao acrescentar-se mais da vida divina, a qual nos transforma na imagem de Cristo.

F. A edificação

A edificação é o crescimento dos crentes na vida divina e o fato de que se unam com outros crentes na vida divina (O 4:15-16). A renovação produz a transfor

mación, e esta dá por resultado a edificação. Isto se comprova contundentemente pelo muro da Nova Jerusalém e seus alicerces. O muro da Nova Jerusalém é de jaspe, e expressa a aparência de Deus (Ap. 4:3). Ao ser transformadas as pedras de jaspe, são unidas e edificadas como muro.

Não devemos pensar que ser edificados é ter uma relação íntima com outros crentes de forma natural. Isto não é ser edificados. A maneira apropriada de ser edificados é crescer juntos na vida divina. Ao crescer, este crescimento une a todos nos fazendo um.

G. A conformação

A conformação consiste em ser conformado à imagem plenamente amadurecida do Filho primogênito de Deus, quem é o primeiro Deus-homem, o protótipo que tem que ser produzido

em série. O é Deus mesclado com o homem e o homem misturado com Deus e leva a vida de um Deus-homem, que expressa todos os atributos de Deus como virtudes humanas para que a glória divina seja expressa na humanidade, cuja consumação máxima, cuja maturidade na vida divina, é a Nova Jerusalém (Rm. 8:29; 1:4; Ef. 4:14; Ap. 21).

H. A glorificação

 A glorificação consiste em ser saturado da glória divina do interior na maturidade da vida divina e em ser

 

ENTRAR NA ESFERA MIST ICA                   31

glorificado do exterior pela glória divina e com a mesma como a finalización da obra redentora judicial que Deus aplica ao corpo dos crentes e como a porção cimera da filiação divina na obra salvadora orgânica de Deus (Rm. 8:30; Tenho. 2:10; Fil. 3:21; Ef. 4:30; Rm. 8:23).

Efesios 4:30 diz que fomos selados com o Espírito Santo "para o dia da redenção". Aqui redenção se refere à redenção de nosso corpo. O Espírito Santo como o selo que está em nos sela constantemente com o elemento de Deus até que nosso corpo seja redimido, quer dizer, transfigurado e glorificado. Isto significa que a glorificação se relaciona com a saturação. Podemos comparar ao Espírito Santo com a tinta que penetra e satura as páginas de um livro. O Espírito Santo aplicou a todos a "tinta", e ano detrás ano e dia detrás dia quando nos aplica a "tinta", ou seja, quando nos ministra a vida divina, gradualmente nos satura até nos glorificar. Todos recebemos a "tinta" do Espírito Santo, quem é a glória de Deus. Assim que a glória de Deus nos aplicou a "tinta", e isto faz que Sua glória nos penetre até saturar todo nosso ser. Se virmos isto, daremo-nos conta de que a glorificação não é meramente objetiva a não ser muito subjetiva.

Seremos completamente saturados quando nosso corpo seja redimido. Fomos regenerados em nosso espírito e agora estamos sendo transformados em nossa alma, mas nosso corpo ainda é a velha criação. Por esta razão nosso velho corpo precisa ser redimido. A última etapa da redenção, a redenção de nosso corpo, será a porção máxima de nossa filiação.

Se não controlarmos nosso corpo adequadamente segundo os atributos divinos expressos por meio das virtudes humanas chegará a ser desagradável. Eu, como pessoa maior, sou muito fraco fisicamente, e esta debilidade do corpo me incomoda. Ainda posso me mover e trabalhar, mas diariamente sofro por minha debilidade física. Interiormente digo: "Senhor Jesus, um dia serei glorificado. Então serei liberado deste velho corpo, o qual não tem parte na filiação divina".

A filiação está relacionada com o Espírito, e o Espírito, por sua vez, nos cheia da filiação até que nosso corpo

32                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

seja saturado com a filiação. Logo experimentaremos a plena filiação, a redenção de nosso corpo. Ainda temos uma parte -nosso corpo físico- que não foi feito filho, assim esperamos o dia no qual inclusive nosso corpo seja parte da filiação divina.

B. Devemos recordar sempre que Cristo como Espírito cumpre a obra salvadora orgânica de Deus

Devemos recordar sempre que Cristo cumpre a obra salvadora orgânica de Deus não como Cristo na carne mas sim como o Espírito.

C. Também devemos recordar que todos os aspectos da obra salvadora orgânica de Deus se levam a cabo pelo ministério celestial de Cristo

Também devemos recordar que nenhum aspecto da obra salvadora orgânica de Deus se leva a cabo pelo ministério terrestre de Cristo de modo judicial e objetivo mas sim por Seu ministério celestial de maneira orgânica e subjetiva. Há uma grande diferencia entre o ministério terrestre de Cristo e Seu ministério celestial. Hoje não somos salvos judicialmente e objetivamente pelo ministério terrestre de Cristo na carne. Somos salvos orgânica e subjetivamente pelo ministério celestial de Cristo, quem é o Espírito lhe vivifiquem. Para experimentar esta salvação orgânica, precisamos entrar na esfera mística do ministério celestial de Cristo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capitulo Três

A ESFERA DIVINA E MISTICA DO ESPIRITU CONSUMADO E DO CRISTO PNEUMATICO

Leitura bíblica: Jo. 14:10-11; Fil. 1:19; Rm. 8:9; 2 CO. 3:17-18; Jo. 14:16-20; 1 CO. 15:45; Jo. 20:22; 16:12-15; 15:4-5, 8; 17:21, 23

ESBOÇO

I. A esfera divina e mística:

A. O Filho está no Pai, e o Pai está no Filho--Jo. 14:10-11.

ISTO B. indica que o Pai está corporificado no Filho e o Filho é a corporificação do Pai, formando assim uma esfera divina e mística.

II. A esfera divina e mística do Espírito consumado e do Cristo pneumático-Fil. 1:19; Rm. 8:9; 2 CO. 3:1718:

A. Outro Consolador, o Espírito de realidade, é a realidade do Filho experimentada como a presença do Filho nos crentes-jn. 14:16-18.

B. O dia da ressurreição do Filho no qual foi feito Espírito lhe vivifiquem (1 CO. 15:45), O vinho aos discípulos na noite daquele dia a soprar neles e lhes disse que recebessem o Espírito Santo (Jo. 20:22). Com isto sabemos que o Filho está no Pai, os crentes estão no Filho, e o Filho está nos crentes--In. 14:19-20.

III. Antes e depois do dia da ressurreição de Cristo: A. Antes do dia da ressurreição de Cristo:

1. Cristo ainda tinha muitas coisas que revelar a Seus discípulos.

2. Mas Seus discípulos não as podiam agüentar nesse então (Jo. 16:12), porque não haviam

A ESFERA DIVINA E MISTICA

recebido ao Espírito da ressurreição de Cristo nem tinham entrado na esfera divina e mística. B. Depois do dia da ressurreição de Cristo:

1. Quando o Espírito de realidade viesse, guiaria aos discípulos, quem estava então no Espírito da ressurreição de Cristo, a toda a realidade da economia de Deus com miras ao Corpo de Cristo, quem é o Cristo pneumático e o Espírito consumado.

2. Falaria o que ouvisse de Cristo e pregaria aos discípulos nas vinte e dois epístolas do Novo Testamento, desde Romanos até Apocalipse-Jo. 16:13.

IV A transição divina para a economia eterna da Trindade Divina:

A. Tudo o que o Pai tem é posse do Filho, e está corporificado no Filho.

B. Tudo o que o Filho possui é recebido pelo Espírito, e nos é feito real pelo Espírito que chegou a ser o Espírito lhe vivifiquem na ressurreição de Cristo para que fosse feito real o Cristo pneumático.

C. O Espírito recebe tudo o que Cristo tem e o declara aos discípulos (quem estava nnaquele tempo naquele tempo na realidade da ressurreição de Cristo e na esfera divina e mística do Cristo pneumático) para produzir as assembléias, as quais dão por resultado o Corpo de Cristo cuja consumação é a Nova Jerusalém, e esta expressa ao Cristo todo-inclusivo com o objetivo de Sua glorificação na eternidade-Jo. 16:14-15.

v Todos os crentes devem estar na esfera divina e mística do Espírito consumado para ser mesclados com o Deus Triuno a fim de guardar a unidade:

A. Todos os crentes devem permanecer no Filho para que este permaneça neles a fim de que levem muito fruto para a glorificação (a expressão) do Pai -Jo. 15:4, 5, S.

B. Todos os crentes devem ser um; como o Pai

 

A ESFERA DIVINA E MISTICA DO ESPIRITU                   35

está no Filho e o Filho no Pai, para que eles também estejam no Pai e no Filho: o Filho está nos crentes, e o Pai está no Filho, para que eles sejam aperfeiçoados em unidade-Jo. 17:21, 23.

VI. O ministério celestial de Cristo é levado a cabo na esfera mística, e a obra salvadora orgânica de Deus é obtida de modo prático nesta esfera.

VII. Os crentes devem valorar muito a entrada nesta esfera, sabendo que se Cristo não tivesse chegado a ser o Espírito lhe vivifiquem, se não fosse o Cristo pneumático, se não fosse o Senhor Espírito, e se não fosse o Cristo em ressurreição e não só na carne, eles não poderiam participar da seção orgânica da completa obra salvadora de Deus em Cristo, nem experimentá-la nem desfrutá-la.

36                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

Oração: Senhor, acreditam que nestes dias Você nos falas, revelando as profundidades de Seu interior. Somos muito abençoado. Obrigado. Senhor, agora vamos a Ti para apren

der como Você, o Deus Triuno, é uma esfera e para ver que quer que entremos nesta esfera, quer dizer, que entremos em Ti. Senhor, abre nossos olhos. Tira nossa incapacidade e nos faça aptos de conhecer as coisas místicas como Você as conhece. OH Senhor, nos cubra, nos limpe e nos unja. Senhor, nos faça perceber Sua presença e saber que Você está aqui e que nos falas. Que todos ouçamos Sua voz. Senhor, é tão misericordioso. Não somos dignos de nada. Não somos nada, não temos nada e não podemos fazer nada. Mas temos a Ti como nosso tudo. Amém.

Nesta mensagem chegamos a um cume: a esfera divina e mística. Algo que é místico não é só espiritual mas também misterioso.

I. A ESFERA DIVINA E MISTICA

 

O Deus Triuno, ou seja, o Pai, o Filho e o Espírito, existe em Si mesmo e para sempre, e os três da Trindade Divina moram o um no outro. Segundo João 14:10 e 11 o Filho está

no Pai, e o Pai está no Filho. Isto indica que o Pai está corporificado no Filho e o Filho é a corporificação do Pai, formando assim uma esfera divina e mística, a esfera do Deus Triuno. Por conseguinte, o Deus Triuno mesmo é uma esfera divina e mística.

A esfera divina e mística na qual podemos entrar hoje não é simplesmente a esfera divina e mística do Deus Triuno a não ser a esfera divina e mística do Espírito consumado e do

Cristo pneumático. As expressões Espírito consumado e Cristo pneumático são particulares.

Quem é o Espírito consumado? O Espírito consumado é o Espírito composto, tipificado pelo ungüento da unção: um composto de um hin de azeite de oliva e quatro

tipos de especiarias e sua eficácia (Ex. 30:23-25). antes de que o Espírito fosse consumado, O era o Espírito de Deus, o Espírito do Jehová e o Espírito Santo. Participou da obra criadora de Deus só como Espírito de Deus (Gn. 1:2). Muito depois, quando os israelitas, o povo escolhido de Deus,

 

A ESFERA DIVINA E MISTICA DO ESPIRITU                   37

estavam em apuros, Deus, como Espírito do Jehová, descendeu para lhes ajudar (Qui. 3:10; 6:34; 11:29; 13:25). O Espírito do Jehová era Deus que se aproximava de Seu povo para lhe ajudar de modo objetivo, mas não de modo subjetivo.

O Antigo Testamento é um relato principalmente de duas coisas: a obra criadora de Deus e a história do Israel, Seu povo escolhido. Posto que a história do Israel era lamentável, eles constantemente necessitavam a ajuda de Deus. Se O no tivesse ido ajudar a Seu povo escolhido quando tinha problemas, este não teria sobrevivido. Na obra criadora de Deus o Espírito era o Espírito de Deus, e quando Deus ajudava ao Israel, o Espírito era o Espírito do Jehová.

Por meio da encarnação Deus se fez homem. Isto foi algo totalmente novo, e por isso se emprega um título específico para referir-se ao Espírito de Deus, que é: o Espírito Santo (MT. 1:18, 20; O. 1:35). No grego freqüentemente lhe chama "o Espírito o Santo" (O. 2:26; 3:22; 10:21; Jo. 14:26). O título o Espírito Santo foi usado em relação com a encarnação, porque a encarnação foi algo absolutamente santo. Deus feito homem era algo muito santo, e Lucas 1:35 inclusive usa a expressão "o santo". Do mesmo modo que a concepção do Deus-homem foi obra do Espírito Santo, assim também o nascido dessa concepção era algo santo. O Espírito que levou isto a cabo nem era só o Espírito de Deus nem só o Espírito do Jehová, a não ser o Espírito Santo. portanto, na Bíblia se chama o Espírito o Espírito de Deus, o Espírito do Jehová e o Espírito Santo.

Em João 7 vemos que o Senhor Jesus, o Deus-homem, assistiu à festa dos Tabernáculos. O último dia da festa, o dia grande, ficou em pé e clamou: "Se algum tiver sede, venha para Mim e bebê. que crer em Mim ... de seu interior correrão rios de água viva" (vs. 37-38). No seguinte versículo João, o autor deste evangelho, dá uma explicação: "Isto disse do Espírito que tinham que receber os que acreditassem no; pois ainda não havia o Espírito, porque Jesus não tinha sido ainda glorificado" (V. 39). Precisamos prestar atenção especial à frase ainda não havia o Espírito. O Espírito de Deus estava ali desde o começo, na criação; o Espírito do Jehová tinha vindo uma e outra vez para ajudar ao povo

38                 A ESFERA DIVINA E MISTICA

do Israel em seus problemas; e o Espírito Santo tinha estado ativo na encarnação. Como podia João dizer que "ainda não havia" o Espírito? Efetivamente o Espírito estava ali como o Espírito de Deus em Gênese, como o Espírito do Jehová em Juizes e como o Espírito Santo no Mateus e Lucas, mas em João 7:39 "ainda não havia" o Espírito -o Espírito como Espírito composto e consumado- porque nnaquele tempo naquele tempo Jesus ainda não tinha sido glorificado. O homem Jesus foi glorificado na ressurreição (Lc. 24:26). portanto, "ainda não havia" o Espírito até a ressurreição de Cristo. Na ressurreição Cristo, o último Adão na carne, foi feito Espírito lhe vivifiquem, o Espírito que dá vida (1 CO. 15:45).

Agora podemos ver um pouco relacionado com a história da consumação do Espírito. Embora o Espírito já era o Espírito de Deus, o Espírito do Jehová e o Espírito Santo, em João 7 "ainda não havia" o Espírito que dá vida porque o Senhor Jesus ainda não tinha morrido pelo pecado do homem e não tinha entrado na ressurreição. Nos tempos de João 7 Jesus ainda estava na carne, e não podia entrar no homem para ser sua vida. Mas na ressurreição Cristo se fez Espírito lhe vivifiquem, e agora pode entrar nos crentes para lhes ministrar vida.

Na ressurreição o Espírito de Deus se mesclou com a humanidade de Cristo, com Sua morte e a eficácia dela, e com Sua ressurreição e o poder desta. O resultado desta mescla é o Espírito composto e consumado.

A Bíblia revela o fato de que o Espírito chegou a ser o Espírito consumado. Posto que muitos cristãos não viram a revelação da Bíblia quanto ao Espírito

consumado, necessitam que lhes ensine de novo. Alguns talvez digam: "Deus é o mesmo da eternidade; nunca trocou". Mas a Bíblia revela claramente que Deus, quem é Espírito, iço-se carne (Jo. 1:14). Não foi isto um CAM io.               em s, e último A án n o que estava e- 7a carne se

iço spiritu-lhe vivifiquem. No__                   foi estoun CAM io?                   amontoamento ios CAM ió porque por meio dula encarnação se fez carne, e logo trocou porque na ressurreição foi feito Espírito lhe vivifiquem, e este Espírito é o Espírito consumado. Espero que os que estão sob o efeito da teologia velha e

 

A ESFERA DIVINA E MISTICA DO ESPIRITU                 39

tradicional estejam preparados para aprender o que a Bíblia, nossa autoridade suprema, revela quanto ao Espírito consumado. A Bíblia também revela que Cristo chegou a ser o Cristo pneumático. Na eternidade Cristo era Deus como Espírito, mas depois se fez carne. Romanos 1:3 e 4 diz que O "era da linhagem do David segundo a carne" mas que "foi designado Filho de Deus podendo, segundo o Espírito de santidade, pela ressurreição de entre os mortos". O título o Espírito de santidade se refere à divindade de Cristo, a Sua essência divina. Em 1 Pedro 3:18, falando da crucificação de Cristo, diz que O foi "morto na carne, mas vivificado no Espírito". A crucificação deu morte a Cristo só em Sua carne, e não em Seu Espírito como Sua divindade. Seu Espírito, Sua divindade, não morreu na cruz quando morreu Sua carne, mas sim foi vivificado, avivado com novo poder de vida. portanto, enquanto estava morrendo em Sua humanidade e depois de que foi sepultado, Seu Espírito como Sua divindade permaneció ativo.

Em João 12:24 o Senhor Jesus se referiu a Si mesmo como o grão de trigo: "Se o grão de trigo não cai na terra e morre, fica sozinho; mas se morrer, leva muito fruto". Quando O caiu na terra como um grão de trigo, a morte começou imediatamente. Mas ao estar morrendo Seu "casca", a vida divina que estava no crescia. Aqui vemos que enquanto o Senhor Jesus estava morrendo, também estava crescendo. Sem esta ação, não teria podido ressuscitar.

A carne do Jesus foi crucificada e sepultada. Como podia ressuscitar? Em João 20 Pedro e João chegaram ao sepulcro no qual o Senhor tinha sido posto. Pedro "entrou no sepulcro, e viu os tecidos postos ali, e o sudário, que tinha estado sobre a cabeça do Jesus, não posto com os tecidos, a não ser dobrado em um lugar à parte" (vs. 6-7). O corpo indubitavelmente não tinha sido roubado. Então, como podia ressuscitar a carne morta e sepultada? A resposta a esta pergunta é que segundo Sua carne O tinha sido sepultado ali, mas segundo Sua divindade ainda estava muito ativo. Entre o momento de Sua sepultura e o de Sua ressurreição, Seu Espírito como Sua divindade trabalhava para levantar Seu humanidêem, para elevá-la e para introduzi-la na divindade a fim de que ou

40

A ESFERA DIVINA E MISTICA

A ESFERA DIVINA E MISTICA DO ESPIRITU                   41

humanidade pudesse nascer de Deus. Segundo Feitos 13:33 Deus engendrou ao Jesus na ressurreição para que fosse Seu Filho. portanto, O foi gerados para ser o Filho primogênito de Deus ao ser elevada Sua humanidade e introduzida na divindade e na filiação divina. Simultaneamente, chegou a ser o Espírito lhe vivifiquem e, portanto, o Cristo pneumático.

Já vimos que o Espírito foi consumado e que Cristo chegou a ser o Espírito lhe vivifiquem, o Cristo pneumático. Por conseguinte, agora podemos falar da esfera divina e mística do Espírito consumado e do Cristo pneumático. Que esfera tão maravilhosa é esta!

Já mencionamos que os três da Trindade Divina existem em Si mesmos e para sempre e que moram o um no outro, e deste modo o Pai, o Filho e o Espírito constituem uma esfera divina e mística. No Deus Triuno mis_ mo como esfera mística não há "complicações", mas na esfera ivina e meus ica                   e                   spiritu consumado e do Cristo pneumático há muitas "complicaciones", to ás Lhas q                   são bênções para nós.

Deus queria que estivéssemos no. Se O fosse meramente o Deus Triuno sem a humanidade de Cristo, Sua morte e Sua ressurreição, e nós pudéssemos entrar no, encontraríamos ao Pai, ao Filho e ao Espírito, mas não encontraríamos nada da humanidade, a morte nem a ressurreição. Entretanto, quando entramos na esfera divina e mística do Espírito consumado e do Cristo pneumático, temos não só a divindade de Cristo mas também também Sua humanidade, a morte de Cristo com sua eficácia, e a ressurreição de Cristo e seu poder repelente. Tudo está nesta esfera maravilhosa.

Embora nasci na China e cheguei a ser um cidadão dos Estados Unidos, posso declarar que não me sinto nem chinês nem americano. Minha esfera não é nem China nem Estados Unidos; minha esfera é o Deus Triuno complicado que complica. Estou aqui com o Pai, com o Filho, quem foi crucificado e ressuscitou, e com o Espírito consumado. Posto que estou no Deus Triuno, tenho tudo o que necessito. Se necessitar a crucificação, descubro que, nesta esfera, já fui crucificado. Se necessitar a ressurreição, nesta esfera já ressuscitei. Louvemos seja o Senhor pela esfera divina e mística!

 

 

Agora consideremos o que se revela em João 14 quanto à esfera divina e mística do Espírito consumado e do Cristo pneumático. O versículo 1 diz: "Não se turve seu coração". Em qual esfera nos turvamos? Turvamo-nos na terra, no mundo (16:33), na esfera física.

Neste versículo o Senhor Jesus acrescentou: "Criem em Deus, acreditem também no Míí". Aqui a preposição grega traduzida em é muito importante. Não só devemos acreditar em Deus e em Cristo, mas sim devemos entrar em Deus e em Cristo pela fé. Nosso coração se turva porque estamos no mundo, e se pode resolver este problema se entrarmos em Cristo acreditando no. Aqui vemos duas esferas: a esfera física, ou

seja, o mundo onde estão todos os problemas, e a esfera mística, a esfera do Deus Triuno, ou seja, o Pai, o Filho e o Espírito, onde se encontra a paz.

Em 16:33 o Senhor Jesus disse: "Estas coisas lhes falei para que em Mim tenham paz. No mundo terão aflição; mas tenham valor, Eu venci ao mundo". Uma vez mais vemos tanto a esfera física ("o mundo") como a esfera mística ("Meu').

Os capítulos quatorze, quinze e dezesseis de João compõem uma seção. Ao princípio desta seção o Senhor Jesus indicou, em 14:1, que tinha a intenção de dizer algo para nos ajudar a_ entrar em 0Acreditando. Não devemos pensar que entrar em Cristo acreditando é um assunto singelo. Se O no tivesse morrido na cruz para nos tirar os pecados, crucificar nossa carne e pôr fim a nosso velho homem, e se não tivesse ressuscitado para chegar a ser o Espírito lhe vivifiquem, não poderia entrar em nós nem nos introduzir no.

Se tivéssemos estado pressente quando o Senhor Jesus falou de entrar em Deus e em Acreditando, talvez haveríamos este: "Senhor, quero entrar em Ti. me diga como entrar em Ti acreditando". Como o revelam os seguintes versículos, para entrar nós no, O teve que morrer e ressuscitar e chegar a ser o Espírito lhe vivifiquem, a fim de que lhe recebêssemos ao acreditar no e ao invocar: "OH Senhor Jesus".

Entre 14:1 e 16:33 temos o ensino do Senhor quanto a como entrar em Acreditando. João 14:2a diz: "Em j        a casa de Meu Pai muitas moradas há". Em 14:1 o Senhor

42                 A ESFERA DIVINA E MISSTICA

Jesus falou de entrar em Deus e em Acreditando, mas de repente fala da casa de Seu Pai. A casa do Pai indubitavelmente não é uma mansão celestial, a não ser algo místico. Segundo a interpretação de 2:16, 21, "a casa de Meu Pai" refere-se ao templo, ao aumento de Cristo em Sua ressurreição para ser a igrejas, Seu Corpo, a morada de Deus (1 Ti. 3:15; Ef. 2:21-22). Ao princípio o corpo de Cristo era só Seu corpo individual. Mas por meio de Sua morte e Sua ressurreição o Corpo de Cristo aumentou para ser Seu Corpo coletivo, o qual é a igrejas, a casa de Deus (1 Ti. 3:15), o templo de Deus (O 2:21). Deu-se conta de que quando você entrou em Deus e em e Filho acreditando, entrou no i lesia?

João 14:2 nos diz que na casa do Pai "muitas moradas há". Estas moradas são os crentes, os membros do Corpo de Cristo. Cada crente é uma morada, como o afirma o versículo 23.

Na última parte do versículo 2 o Senhor Jesus disse: "Vou, pois, a preparar lugar para vós". A palavra "vou" significa "morro". Ao dizer "vou", falou de Sua morte de modo místico.

Queria lhes recordar que o Evangelho de João é um livro místico e que o relato de João é um relato místico. Falar da encarnação ao dizer: "O Verbo se fez carne" (1:14) é falar de modo místico. Do mesmo modo, falar da água viva que chega a ser em nós um manancial de água que salta para vida eterna (4:10, 14) também é falar de modo místico. Posto que João é um livro místico, quando o lemos precisamos entender o de modo místico.

Em João 14:3 o Senhor Jesus disse: "E se vou e lhes preparo lugar, virei outra vez, e tomarei para Mim mesmo, para que onde Eu estou, vós também estejam". Aqui A fala de ir-se e de vir. O verbo grego traduzido "virei" indica um tempo presente contínuo, o qual implica que-quando o Senhor Jesus disse estas palavras, já vinha. Enquanto O falava, estava-se preparando para entrar na ressurreição. "Vou" é morrer, e "virei" é ressuscitar. antes de morrer Sabia que retornaria. Aqui se faz referência a Sua ida e Sua vinda, Sua morte e Sua ressurreição, de modo místico.

 

A ESFERA DIVINA E MISTICA DO ESPIRITU                   43

 

Neste versículo o Senhor Jesus disse: "Tomarei para Mim mesmo". Se nós tivéssemos estado ali talvez haveríamos este: "Senhor, não me quer levar a casa do Pai? por que diz que tomará a Ti mesmo?" A resposta a esta pergunta é que a casa do Pai é Cristo mesmo.

O versículo 3 termina com as palavras "onde Eu estou, vós também estejam". O está no Pai. portanto, estar nós onde está O significa que nós também estaremos no Pai. Isto está relacionado com nossa entrada no Pai acreditando no, a esfera divina e mística.

O Senhor Jesus logo disse: "E aonde Eu vou, já sabem o caminho" (V. 4). Depois Tomam disse: "Senhor, não temos sabor de onde vai; como, pois, podemos saber o caminho?" (V. 5). Segundo o versículo 6 Jesus lhe disse: "Eu sou o caminho, e a realidade, e a vida; ninguém vem ao Pai, mas sim por Mim". Aqui o Senhor não disse: "Ninguém vem à casa do Pai"; disse: "Ninguém vem ao Pai". Vir ao Pai é vir à casa do Pai, porque o Pai é a casa. A frase "mas sim por Mim" revela que podemos vir ao Pai como a casa só por Cristo como o caminho.

No seguinte versículo o Senhor Jesus disse: "Se me conhecessem, também a Meu Pai conheceriam; e a partir de agora lhe conhecem, e lhe viram". Quando Felipe ouviu isto, disse: "Senhor, nos mostre o Pai, e nos basta" (V. 8). Os versículos 9 e 10 acrescentam: "Jesus lhe disse: Tanto tempo faz que estou com vós, e não me conheceste, Felipe? que me viu , viu ao Pai; como, pois, diz você: nos mostre o Pai? Não crie que Eu estou no Pai, e o Pai está em Mim? As palavras que Eu lhes falo, não as falo por Minha própria conta, mas sim o Pai que permanece em Mim, O faz Suas obras". Aqui vemos que o falar do Filho era em realidade o falar do Pai, era a obra do Pai ao morar no. Isto é totalmente místico.

Recalcamos o fato de que o Deus Triuno é uma esfera divina e mística. Como o revela a primeira parte de João 14, o Filho está no Pai, e o Pai está no Filho. Nos versículos do 16 aos 18 vemos algo não só relacionado com o Pai e o Filho mas também com o Espírito: "E Eu rogarei ao Pai, e lhes dará outro Consolador, para que esteja com vós

44                   A ESFERA DIVINA E MESMA

para sempre: o Espírito de realidade, ao qual o mundo não pode receber, porque não lhe vê, nem lhe conhece; mas vós lhe conhecem, porque permanece com vós, e estará em vós. Não lhes deixarei órfãos; venho a vós". O primeiro Consolador era Cristo na carne, e o outro é o Espírito de realidade. O sujeito do versículo 17, que é o Espírito de realidade, chega a ser o sujeito do versículo 18, quem é o Senhor mesmo. Isto significa que o Cristo que esteve na carne passou pela morte e a ressurreição e chegou a ser. o Espírito lhe vivifiquem, o Cristo pneumático. Isto não é meramente espiritual; é místico. Não podemos dizer que o Espírito de realidade é espiritual e que o Cristo que esteve na carne não era espiritual, porque quando Cristo o Filho esteve na carne, sem dúvida era espiritual. O que precisamos ver aqui não é algo só espiritual, a não ser algo místico.

O versículo 19 adiciona: "Ainda um pouco, e o mundo não me verá mais; mas vós me vêem; porque Eu vivo, vós também viverão". Isto se refere à ressurreição de Cristo. Posto que O vive em ressurreição, nós também vivemos, porque fomos regenerados em Sua ressurreição, como o revela 1 Pedro 1:3.

Em João 14:20 o Senhor Jesus falou de "aquele dia". "Aquele dia" era o dia de Sua ressurreição (20:19), o dia no qual chegou a ser o Cristo feito pneuma, o Cristo pneumático. portanto, "naquele dia" em realidade quer dizer "no dia da ressurreição".

Agora leiamos o versículo 20: "Naquele dia vós conhecerão que Eu estou em Meu Pai, e vós em Mim, e Eu em vós". Isto se refere à esfera divina e mística onde não só estão o Pai, o Filho e o Espírito, mas também os crentes. Louvemos seja o Senhor porque nós, como crentes de Cristo, estamos na esfera divina e mística do Espírito consumado e do Cristo pneumático.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CAPITULO QUATRO

ESFERA DIVINA E MISTICA DO ESPIRITU CONSUMADO E DO CRISTO PNEUMATICO

Todos devemos entrar na esfera divina e mística, não do Deus Triuno mas sim do Espírito consumado e do Cristo pneumático (Fil. 1:19; Rm. 8:9; 2 CO. 3:17-18).

 

A ESFERA DIVINA E ~CA DO ESPIRITU               45

A. Outro Consolador, o Espírito de realidade, é a realidade do Filho

João 14:16-18 fala de outro Consolador, o Espírito de realidade, que é a realidade do Filho experimentada como a presença do Filho nos crentes. O Espírito é a realidade do Filho, e a presença do Filho em nós é o Espírito.

B. O Filho está no Pai, os crentes estão no Filho, e o Filho está nos crentes

O dia da ressurreição do Filho, no qual foi feito Espírito lhe vivifiquem (1 CO. 15:45), O vinho aos discípulos na noite daquele dia a soprar neles e lhes disse que recebessem o Espírito Santo (Jo. 20:22). Se O no fosse o Espírito, como podia lhes pedir aos discípulos sobre quem estava soprando que recebessem o Espírito? Com isto sabemos que o Filho está no Pai, os crentes estão no Filho, e o Filho está nos crentes (Jo. 14:19-20).

III. ANTES E DESPUES DO DIA DA RESURRECCION DE CRISTO

A. Antes do dia da ressurreição de Cristo

Antes do dia da ressurreição de Cristo, ainda tinha muitas coisas que revelar a Seus discípulos. Mas Seus discípulos não as podiam agüentar nesse então (Jo. 16:12), porque não tinham recebido ao Espírito da ressurreição de Cristo nem tinham entrado na esfera divina e mística.

B. Depois do dia da ressurreição de Cristo

O Senhor Jesus disse que quando o Espírito de realidade viesse, guiaria aos discípulos, quem estava então no Espírito da ressurreição de Cristo, a toda a realidade da economia de Deus com miras ao Corpo de Cristo, quem é o Cristo pneumático e o Espírito consumado. O Espírito de realidade falaria o que ouvisse de Cristo e o declararia aos discípulos nas vinte e dois epístolas do Novo Testamento, desde Romanos até Apocalipse (V. 13).

46                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

 TRANSICION DIVINA PARA A ECONOMIA ETERNA DA TRINDADE DIVINA

A. Tudo o que o Pai tem é posse do Filho

Tudo o que o Pai tem é posse do Filho, e está corporificado no Filho.

B. Tudo o que o Filho possui é feito real pelo Espírito

Tudo o que o Filho possui é recebido pelo Espírito, e nos é feito real pelo Espírito que chegou a ser o Espírito lhe vivifiquem na ressurreição de Cristo para que fosse feito real o Cristo pneumático.

C. O Espírito recebe tudo o que Cristo tem e o declara aos discípulos

O Espírito recebe tudo o que Cristo tem e o declara aos discípulos (quem estava nnaquele tempo naquele tempo na realidade da ressurreição de Cristo e na esfera divina e mística do Cristo pneumático) para produzir as assembléias, as quais dão por resultado o Corpo de Cristo cuja consumação é a Nova Jerusalém, e esta expressa ao Cristo todo-inclusivo com o objetivo de Sua glorificação na eternidade (vs. 16:14-15). Primeiro, todas as coisas pertenciam ao Pai. Logo o que o Pai tinha chegou a ser posse de Cristo. Depois, o que Cristo possui é ouvido e recebido pelo Espírito, quem o declara aos crentes. Esta é a transição divina para a economia eterna da Trindade Divina.

V. OS CRENTES ESTÃO NA ESFERA DIVINA E MISTICA DO ESPIRITU CONSUMADO PARA GUARDAR A UNIDADE

Todos os crentes devem estar na esfera divina e mística do Espírito consumado para ser mesclados com o Deus Triuno a fim de guardar a unidade.

A. Os crentes permanecem no Filho

Todos os crentes devem permanecer no Filho para que este permaneça neles a fim de que levem muito fruto para a glorificação (a expressão) do Pai (15:4, 5, 8). No

 

capítulo quatorze o Senhor preparou os lugares, morada-las. No capítulo quinze devemos permanecer no, nossa morada, para que O permaneça em nós, Sua morada.

B. Todos os crentes são um

Todos os crentes devem ser um; como o Pai está no Filho e o Filho no Pai, para que eles também estejam no Pai e no Filho. O Filho está nos crentes, e o Pai está no Filho, para que eles sejam aperfeiçoados em unidade (17:21, 23). Nossa unidade deve ser igual a que há entre os três do Deus Triuno. De fato, a unidade dos crentes é a unidade do Deus Triuno. No Deus Triuno podemos ser aperfeiçoados em unidade. A verdadeira unidade, então, está no Deus Triuno.

Em João 14-16 o Senhor Jesus apresentou uma mensagem a Seus discípulos, e em João 17 orou ao Pai. Em Sua oração de conclusão indicou que nossa unidade deve estar no Deus Triuno, com o Cristo pneumático e o Espírito consumado. Esta unidade, a qual é a unidade autêntica, é a mescla dos crentes com o Deus Triuno. Para ter esta unidade os crentes têm que estar no Deus Triuno como esfera divina e mística. Aqui o Pai está no Filho, o Filho está nos crentes, e os crentes estão no Filho, quem está no Pai. Isto significa que os crentes são um com o Deus Triuno na esfera divina e mística do Cristo pneumático e do Espírito consumado.

VI. O MINISTÉRIO CELESTIAL DE CRISTO É LEVADO A CABO NA ESFERA MISTICA

O ministério celestial de Cristo é levado a cabo na esfera mística, e a obra salvadora orgânica de Deus é obtida de modo prático nesta esfera. Se nós não estivermos nela, não podemos participar do ministério celestial de Cristo nem desfrutar da obra salvadora orgânica de Deus.

VII. OS CRENTES DEVEM VALORAR MUITO A ENTRADA NESTA ESFERA

 

Os crentes devem valorar muito a entrada nesta esfera, sabendo que se Cristo não tivesse chegado a ser o

A ESFERA DIVINA E MISTICA

Espírito lhe vivifiquem, se não fosse o Cristo pneumático, se não fosse o Senhor Espírito, e se não fosse o Cristo em ressurreição e não só na carne, eles não poderiam participar da seção orgânica da completa obra salvadora de Deus em Cristo, nem experimentá-la nem desfrutá-la.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CAPITULO QUATRO

 

"O ESPIRITU MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU A CHAVE QUE ABRE AS OITO SEÇÕES DA SALVACION ORGANICA QUE DEUS EFETUA

ESBOÇO

 

Nota: Na salvação orgânica Deus tem a intenção de unir o espírito do crente com o Seu, fazendo assim um só espírito, um espírito mesclado-1 CO. 6:17. I. Abre a primeira seção, a regeneração:

A. O Espírito de realidade deveu convencer aos pecadores quanto ao pecado, a justiça e o julgamento (Jo. 16:8-11), lhes fazendo arrepender-se de sua condição queda e entrar na morte e sepultura de Cristo (MT. 3:2, 5-6).      

B. Nesse momento o Espírito de realidade faz germinar aos crentes arrependidos com a vida de ressurreição de Cristo para regenerá-los, para engendrá-los de novo em seu espírito-1 P. 1:3; Jo. 3:3, 5.

C. A isto se refere "o que é nascido do Espírito [de Deus], espírito [do homem] é", um espírito nascido do Espírito-Jo. 3:6.

D. Imediatamente o Espírito de Deus dá testemunho junto com o espírito dos crentes regenerados, de que são filhos (espirituais) de Deus-Rm. 8:16.

II. Abre a segunda seção, a alimentação:

A. O Senhor quer que os crentes regenerados, como recém-nascidos, alimentem-se do leite (espiritual) da palavra, a qual é espírito e vida

 

A ESFERA DIVINA E MISTICA

(Jo. 6:63), a fim de que cresçam em Sua vida para sua salvação diária-1 P. 2:2.

B. Ao crescer na vida divina, também têm que alimentar-se da comida sólida, e não só do leite, exercitando seu espírito para ter contato com a palavra do Espírito de Deus a fim de receber a ministração da vista-he. 5:13-14; MT. 4:4b.

III. Abre a terceira seção, a santificação na maneira de ser:

A. Os crentes regenerados que crescem precisam ser santificados em sua maneira de ser pelo Espírito Santo (Rm. 15:16) com o elemento da vida de ressurreição de Cristo que receberam por meio da alimentação, para que sua maneira de ser torcida, perversa e natural que está cheia de peculiaridades possa ser santificada com a natureza divina e Santa de Deus (2 P. 1:4) a fim de que sejam Santos para Deus (Ef. 1:4).

B. A santificação disposicional efetuada pelo Espírito Santo começa em nosso espírito, percorre nossa alma e chega a nosso corpo para que todo nosso ser seja completamente santificado-1 Ts. 5:23.

IV Abre a quarta seção, a renovação:

A. além de nos santificar em nossa maneira de ser, o Senhor nos renova por Seu Espírito-Tit. 3:5.

B. O Espírito renovador está mesclado com nosso espírito regenerado como um espírito misturado que se estende a nossa mente para renovar todo nosso ser e fazê-lo membro do novo homem ao nos tirar o velho homem, quer dizer, ao renunciar nós e nos negar ao velho eu (MT. 16:24), e ao nos vestir do novo homem, quer dizer, ao aplicar o que Cristo obteve quando criou ao novo homem (Ef. 2:15), vivendo a Cristo e magnificando-o mediante a abundante ministração do Espírito do Jesucristo (Fil. 1:19-21)-Ef. 4:22-24.

"O ESPIRITU MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU"                   .51

 

C. O Senhor utiliza o que sofremos em nossas circunstâncias para consumir, matar, nosso homem exterior a fim de que nosso homem interior se renove de dia em dia-2 CO. 4:16.

D. Posto que os crentes serão a parte que leva a Nova Jerusalém a sua consumação, temos que ser renovados para assim ser tão novos como isso-ap. 21:2.

V Abre a quinta seção, a transformação:

A. A transformação se efetua pela renovação da mente (Rm. 12:2b). Não é uma emenda externa, a não ser um metabolismo interior no qual se acrescenta o elemento da vida divina de Cristo a nosso ser para expressar-se exteriormente na imagem de Cristo. Então somos transformados à imagem da glória de Cristo pelo Senhor Espírito (o Cristo pneumático)-2 CO. 3:18.

B. Temos que viver e andar pelo Espírito (Gá. 5:16, 25) e andar conforme ao espírito misturado (Rm. 8:4b), para que a vida divina de Cristo nos regule a fim de nos transformar na imagem do glorioso Senhor.

VI. Abre a sexta seção, a edificação: .

A. Em 1 Corintios 3:9 e 12 nos revela que somos o edifício de Deus e que devemos edificar com ouro (que representa a natureza de Deus o Pai), prata (a obra redentora de Deus o Filho) e pedras preciosas (a obra transformadora de Deus o Espírito), e não com madeira (que representa a natureza do homem natural), feno (o homem caido, o homem da carne) nem folhagem (a obra e a vida que procedem de uma fonte terrestre). Isto indica que o edifício de Deus do qual somos parte tem que construir-se com coisas transformadas como ouro, prata e pedras preciosas, e não com nossa natureza, nossa carne nem as coisas que vêm da fonte terrestre.

B. O edifício de Deus, a igrejas, o Corpo de Cristo, constrói-se pela obra transformadora do Espírito,

52

A ESFERA DIVINA E MISTICA

o qual é representado claramente pelo muro de jaspe da Nova Jerusalém e seus alicerces (Ap. 21:18-20). O jaspe é uma pedra preciosa transformada, e o muro da Nova Jerusalém se parece com uma enorme pedra de jaspe, o qual indica que enquanto as pedras são transformadas, também são edificadas em conjunto. Por conseguinte, tanto a edificação como a transformação se obtêm pelo mesmo Espírito transformador e edificador.

C. Os escritos de Paulo nos revelam que a igrejas, o Corpo de Cristo, como morada de Deus está em nosso espírito, no qual amora o Espírito de Deus-O 2:22; Rm. 8:11.

D. Cristo faz (edifica) Seu lar em nossos corações ao nos fortalecer o Espírito de Deus em nosso homem interior (nosso espírito regenerado) dom

de está Cristo (2 Ti. 4:22), para que cheguemos à plenitude (a expressão) de Deus-Ef. 3:16-19. E. Apoiando-se no fato de que o Espírito de Deus amora no qual ama a Cristo (Jo. 14:17), Deus o Pai e o Filho vêm a ele e fazem uma morada mútua com ele (V. 23).

"O ESPÍRITO MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU"                   53

 

 

Oração: Senhor, não nos esquecemos de que por Sua grande misericórdia e graça é o Espírito, o Espírito lhe vivifiquem e sete vezes intensificado. Senhor, criou-nos com um espírito humano, e em Sua salvação orgânica o primeiro que faz é regenerar nosso espírito. Logo, Senhor, pôs a Ti mesmo como Espírito em nosso espírito e te mesclou com nosso espírito para nos fazer um só espírito contigo. que se une com o Senhor é um só espírito com O! Nunca nos esquece tudo isto. Adoramo-lhe por isso. Nos dê uma profunda impressão e nos recorde sempre que somos um só espírito contigo. Vivemos em nosso espírito com Seu Espírito? Atuamos em nosso espírito com Seu Espírito? Senhor, temos comunhão contigo em nosso espírito com Seu Espírito? Senhor, nos recorde todo o tempo. Senhor, nos fale para que recebamos mais visão. Amém.

Nesta mensagem não queremos simplesmente repetir os elementos da salvação orgânica que Deus efetua. Queremos ver que a chave da obra salvadora orgânica de Deus é o Espírito mesmo junto com nosso espírito. Não devemos esquecer que esta frase maravilhosa existe na Bíblia, em Romanos 8:16. Inclusive depois de que entremos na Nova Jerusalém, queria ver uma pancarta ali que diga: "O Espírito mesmo junto com nosso espírito". O Espírito mesmo junto com nosso espírito faz uma só coisa, ou seja: dá testemunho de que somos filhos de Deus. Dizer o povo de Deus não é muito crucial, mas dizer os filhos de Deus é algo grande.

O Espírito mesmo é o que dá testemunho, e este Espírito é o Espírito de vida, o Espírito que dá vida, o Espírito de Cristo. Este Espírito também é o Cristo pneumático e o Espírito que mora em nós. Nosso espírito foi criado por Deus, mas morreu pela queda. Mas adiante foi regenerado por Deus. Não só isto, depois da regeneração, o Espírito que regenera permanece em nosso espírito regenerado e se mescla com nosso espírito, fazendo dos duas uma só entidade. Em 1 Corintios 6:17 diz: "que se une ao Senhor, é um só espírito com O".

Não só somos Deus-homens, mas também também somos um com Deus, um espírito com O. O espírito humano e o divino

54                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

não só estão unidos e mesclados, mas sim também são um só espírito. O Espírito é vida e dá vida. Deus é o Espírito e em Sua salvação orgânica maravilhosa, fez-nos um espírito com O. Isto é algo singelo que se encontra em 1 Corintios 6:17, mas só vi esta verdade depois de estudar a Bíblia durante pelo menos trinta anos. Um dia me dava conta de que eu era um espírito com Deus. Isto não é algo insignificante. Infelizmente, inclusive na restauração do Senhor, muitos dos anciões e os colaboradores não sabem qual é sua condição. Nossa verdadeira condição radica no fato de que somos um espírito com Deus. Fomos salvos a este nível elevado. O que Deus é, nós somos.

Quando nos dermos conta de nossa condição, isto afetará nossa vida. Quando eu falo com outros a modo de intriga, interiormente sou arreganhado por ser tão descuidado, leve e sem dignidade. Recordo minha condição e tenho que confessar diante do Senhor. Por minha condição divina, não me atrevo a ser leve nem descuidado. Não me atrevo a fazer brincadeiras. Inclusive com meus netos não me atrevo a falar livianamente, porque não sou simplesmente seu avô. Sou um avô que tem a mesma condição que Deus.

Segundo 1 Corintios 6:17, Deus tem a intenção em Sua obra salvadora orgânica de unir o espírito do crente com o Seu, fazendo dos dois um só espírito, um espírito misturado. Isto não é só o espírito misturado a não ser um espírito que é um espírito com Deus, que é igual a Deus em vida e em natureza mas não em deidade. Esta é a chave que abre as oito seções da salvação orgânica que Deus efetua. Se não termos esta chave, a porta está fechada. Quando temos esta chave, a porta está aberta, e podemos ver tudo o que está escondido dentro.

I. ABRE A PRIMEIRA SECCION, A REGENERACION

A. O Espírito de realidade deve convencer aos pecadores

O Espírito de realidade deveu convencer aos pecadores quanto ao pecado, a justiça e o julgamento (Jo. 16:8-11). O pecado está relacionado com o Adão. Adão é a fonte do

"O ESPIRITU MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU"                   55

pecado. A justiça está relacionada com Cristo. Cristo é nossa justiça. O julgamento deve ser o julgamento de Satanás. Aqui vemos o Adão, a fonte do pecado; a Cristo, a fonte da justiça; e a Satanás, aquele que deve receber o julgamento. Em todo o universo Deus não acusa a ninguém mais que a ele. Todo o universo atual está cheio de rebelião por um só arcanjo, Satanás, assim que o julgamento pertence a ele. O pecado procedeu do Adão, Cristo dá a justiça, e o julgamento se aplica a Satanás. O Espírito de realidade veio para nos convencer disto, nos fazendo nos arrepender de nossa condição queda e entrar na morte e sepultura de Cristo (MT. 3:2, 5-6). Isto nos levou a morte e a ressurreição de Cristo para lhe receber e ser regenerados.

B. O Espírito de realidade faz germinar aos crentes arrependidos

Primeiro, somos convencidos de que nascemos do Adão no pecado e que devemos tomar a Cristo como nossa justiça. Se não o fizermos, experimentaremos o julgamento junto com Satanás. Estar convencidos nos introduz na morte e ressurreição de Cristo. Nesse momento o Espírito de realidade nos faz germinar os crentes arrependidos com a vida de ressurreição de Cristo para nos regenerar, para nos engendrar de novo em nosso espírito (1 P. 1:3; Jo. 3:3, 5). Devemos prestar atenção aos dois espíritos que estão aqui. O Espírito faz germinar nosso espírito. Esta é a chave que nos permite entender a regeneração.

C. Um espírito nascido do Espírito

"O que é nascido do Espírito [de Deus], espírito [do homem] é", um espírito nascido do Espírito (Jo. 3:6).

D. O Espírito dá testemunho junto com nosso espírito

 

Imediatamente o Espírito de Deus dá testemunho junto com o espírito dos crentes regenerados, de que são filhos (espirituais) de Deus (Rm. 8:16). Os filhos de Deus são divinos e espirituais. Não devemos dizer que são místicos, porque está claro e evidente que são filhos de Deus.

 

 

A ESFERA DIVINA E MISTICA

56

II. ABRE A SEGUNDA SECCION, A ALIMENTACION

 A. Alimentar-se do leite espiritual da palavra

O Senhor quer que os crentes regenerados, como recém-nascidos, alimentem-se do leite (espiritual) da palavra, a qual é espírito e vida (Jo. 6:63), a fim de que cresçam em Sua vida para sua salvação diária (1 P. 2:2). O primeiro passo da salvação orgânica que Deus efetua é a regeneração. Logo, os recém-nascidos precisam alimentar-se do leite da Palavra Santa. A Palavra Santa é o Espírito, assim que o leite é o leite espiritual. Esta alimentação tem como fim que cresçam em vida para sua salvação diária. Todos os dias precisam ser salvos. Isto se deve a que nossa atitude, o tom de nossa voz e nosso espírito não são corretos. Inclusive a maneira em que olhamos às pessoas está mau. Devemos ser corrigidos para ser salvos de muitas coisas. Precisamos crescer para esta salvação. A palavra para significa "que dá como resultado" ou "que tem como fim". Devemos crescer para salvação e necessitamos um crescimento que dê por resultado a salvação. Se não termos crescimento, não podemos desfrutar da salvação que necessitamos.

B. Alimentar-se da comida sólida da palavra

Ao crescer na vida divina, os crentes regenerados também têm que alimentar-se da comida sólida, e não só do leite, exercitando seu espírito para ter contato com a palavra do Espírito de Deus a fim de receber a ministração da vida (Tenho. 5:13-14; MT. 4:4b). Recebemos a ministração da vida para maturar na vida. O Espírito e nosso espírito também têm parte na seção da alimentação.

III. ABRE A TERCEIRA SECCION, A SANTIFICACION NA MANEIRA DE SER

(O ponto III desta mensagem foi redigido de novo para substituir o dito nas conferências. A todos os que assistiram à conferência internacional de compenetração dos colaboradores e anciões lhes peço especialmente e com amor que leiam esta porção.)

"O ESPIRPIU MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU"                   57

A. No Espírito Santo

A obra santificadora que Deus nos aplica tem três aspectos. O primeiro aspecto consta da santificação do Espírito Santo inicialmente com a Palavra iluminadora (1 P. 1:2; Lc. 15:8); o segundo aspecto é a santificação disposicional pelo sangue redentor de Cristo judicialmente (Tenho. 13:12; 10:29); o terceiro aspecto é a santificação em nossa maneira de ser efetuada pelo Espírito Santo organicamente (Rm. 15:16; 6:19, 22). Já abrangemos os primeiros dois aspectos. O que se abrange nesta mensagem é o terceiro aspecto. Romanos 15:16 nos revela que os crentes de Cristo, especialmente os crentes gentis, que são mais comuns, são santificados no Espírito Santo para ser aceitáveis a Deus. Todos os crentes regenerados que crescem precisam ser santificados em sua maneira de ser com o elemento da vida de ressurreição de Cristo, que receberam por meio da alimentação, para que possam ser santificados com a natureza Santa de Deus (2 P. 1:4) a fim de que sejam atos Santos para Deus (Ef. 1:4). A santificação mencionada em Romanos 6:19 e 22 se refere a esta tipos de santificação. Nossa natureza queda chegou a ser nosso modo de ser caido, distorcido, torcido e perverso, o qual precisa ser corrigido e endireitado particularmente na obra santificadora de Deus com Sua natureza Santa.

B. Começa em nosso espírito, percorre nossa alma e chega a nosso corpo

 

A santificação efetuada em nossa maneira de ser pelo Espírito Santo começa em nosso espírito, percorre nossa alma e chega a nosso corpo para que todo nosso ser seja completamente santificado. Em 1 Tesalonicenses 5:23 diz claramente que o Espírito Santo nos santifica começando em nosso espírito (não em nossa alma nem em nosso corpo), percorre nossa alma e chega a nosso corpo para que todo nosso ser seja completamente santificado para Deus.

58                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

IV. ABRE A QUARTA SECCION, A RENOVACION
A. A obra renovadora do Espírito Santo

além de nos santificar em nossa maneira de ser, o Senhor nos renova por Seu Espírito (Tit. 3:5).

B. Nos renova no espírito de nossa mente

O Espírito renovador está mesclado com nosso espírito regenerado como um espírito misturado que se estende a nossa mente (Ef. 4:23) para renovar todo nosso ser e fazê-lo membro do novo homem ao nos tirar o velho homem (Ef. 4:22), quer dizer, ao renunciar nós e nos negar ao velho eu (MT. 16:24), e ao nos vestir do novo homem (Ef. 4:24), quer dizer, ao aplicar o que Cristo obteve quando criou ao novo homem (O 2:15).

Efesios 4:23 diz que devemos ser renovados no espírito de nossa mente. A gente tira o velho homem e se veste do novo homem ao ser renovado no espírito da mente. Quando o Espírito Santo, que mora em nosso espírito e se mescla com ele, estende-se a nossa mente, esse espírito misturado chega a ser o espírito que está em nossa mente. Por este espírito misturado nossa mente se renova.

Fomos atos um novo homem por Cristo na cruz. Efesios 2:15 diz que Cristo na cruz criou dos dois, os judeus e os gentis, um solo e novo homem. Já criou o novo homem, mas temos que aplicar o novo homem. Devemos tirar o velho homem e nos pôr o novo pelo Espírito renovador que se mescla com nosso espírito para estender-se a nossa mente e renová-la. Isto é mudar nossa mente.

No Mateus 16:24 o Senhor diz que se queremos lhe seguir, precisamos nos negar e tomar nossa cruz. nos negar é renunciar , nos aplicar a cruz. Isto é nos tirar o velho homem. Vestir do novo homem é viver a Cristo e magnificá-lo mediante a abundante ministração do Espírito do Jesucristo (Fil. 1:19-21). A renovação está intimamente relacionada com o Espírito e nosso espírito regenerado, que chegam a ser um só espírito. Este espírito é o espírito renovador que está em nossa mente para trocá-la.

 

"O ESPIRITU MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU"                   59

C. A consumação de nosso homem exterior

O Senhor utiliza o que sofremos em nossas circunstâncias para consumir, matar, nosso homem exterior a fim de que nosso homem interior se renove de dia em dia. Em 2 Corintios 4:16 diz: "portanto, não nos desanimamos; antes embora nosso homem exterior se vai desgastando [é consumido], o interior não obstante se renova de dia em dia". O homem exterior se deve consumir, deve-se matar, para que o homem interior, nosso espírito regenerado, a pessoa com a alma renovada como seu órgão, renove-se de dia em dia. Esta renovação se obtém ao obrar Deus em cada situação de nossas circunstâncias diárias. Todos os dias experimentam problemas desde muitas direções. Este problema talvez venha de nosso cônjuge, nossos filhos ou nossos colaboradores. Este problema consome nosso homem exterior, nosso homem natural, para que nosso homem interior possa ser renovado com o fornecimento da vida de ressurreição.

D. Chegar a ser tão novos como a Nova Jerusalém

Posto que os crentes serão a parte que leva a Nova Jerusalém a sua consumação, temos que ser renovados para assim ser tão novos como ela (Ap. 21:2). A Nova primeiro Jerusalém se chama a cidade Santa, assim que nós devemos ser Santos. Também se chama a Nova Jerusalém, assim devemos ser novos. Se não sermos renovados, não somos aptos para estar na Nova Jerusalém. Devemos ser tão novos como a Nova Jerusalém.

V. ABRE A QUINTA SECCION, A TRANSFORMACION

A. A transformação pela renovação da mente

A transformação se efetua pela renovação da mente; é resultado da renovação. Romanos 12:2 diz que somos transformados pela renovação da mente. Quando a mente é renovada, a gente é transformado. A transformação não é uma emenda externa, a não ser um metabolismo interior no

60                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

"O ESPIRITU MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU"                   61

qual se acrescenta o elemento da vida divina de Cristo a nosso ser para expressar-se exteriormente na imagem de Cristo. Nossa digestão e assimilação da comida são uma tipos de metabolismo segundo o qual recebemos um novo elemento e desprezamos o elemento velho. Posto que o elemento vital de Cristo é acrescentado a nosso espírito, um metabolismo produz algo que se expressa exteriormente na imagem de Cristo. Se uma pessoa não comer durante vários dias, sua cara ficará pálida. Para restabelecer uma cor sã a seu rosto, precisa alimentar-se apropiadamente. Então sua cara será sã e cheia de cor. Isto tem como fim a expressão. Hoje a transformação espiritual é igual. O elemento vital de Cristo se tem que acrescentar a nós quando tomamos ao como nossa comida espiritual. Logo teremos o metabolismo que eliminará o velho elemento ao acrescentar o novo elemento da vida de Cristo. Então isto se expressará exteriormente como imagem de Cristo. Esta transformação, esta tipos de metabolismo, obtém-se pelo Senhor Espírito (o Cristo pneumático) que nos transforma na imagem gloriosa de Cristo (2 CO. 3:18). O Senhor é o Espírito, e o Senhor Espírito é o Espírito que transforma.

B. Viver e andar pelo Espírito

Temos que viver e andar pelo Espírito (Gá. 5:16, 25) e andar conforme ao espírito misturado (Rm. 8:4b), para que a vida divina de Cristo nos regule a fim de nos transformar na imagem do glorioso Senhor. O Espírito não só faz que atue um metabolismo divino em nós, mas também também nos corrige. Corrige nosso andar, e isto também produz a transformação em nós. Interiormente sofremos uma mudança metabólica; exteriormente somos corrigidos.

VI. ABRE A SEXTA SECCION, A EDIFICACION

A. Se edifica com ouro, prata e pedras preciosas

Em 1 Corintios 3:9 e 12 nos revela que somos o edifício de Deus e que devemos edificar com ouro (que representa a natureza de Deus o Pai), prata (a obra redentora de Deus o Filho) e pedras preciosas (a obra transformadora de Deus

o Espírito), e não com madeira (que representa a natureza do homem natural), feno (o homem caido, o homem da carne) nem folhagem (a obra e a vida que procedem de uma fonte terrestre). Isto indica que o edifício de Deus do qual somos parte tem que construir-se com coisas transformadas como ouro, prata e pedras preciosas, e não com nossa natureza, nossa carne nem as coisas que vêm da fonte terrestre.

B. Representado pelo muro de jaspe da Nova Jerusalém e seus alicerces

O edifício de Deus, a igrejas, o Corpo de Cristo, constrói-se pela obra transformadora do Espírito, o qual é representado claramente pelo muro de jaspe da Nova Jerusalém e seus alicerces (Ap. 21:18-20). O jaspe é uma pedra preciosa transformada, e o muro da Nova Jerusalém se parece com uma enorme pedra de jaspe, o qual indica que enquanto as pedras são transformadas, também são edificadas em conjunto. Por conseguinte, tanto a edificação como a transformação se obtêm pelo mesmo Espírito transformador e edificador. O Espírito edificador é simplesmente o Espírito transformador. Os dois estão ligados. Onde há transformação, há edificação. Atualmente na igrejas o caso é o mesmo: se não haver transformação, não há edificação. A coordenação não é a edificação. A edificação se obtém pela vida transformadora. Quando somos transformados, somos edificados com outros. Digamos que vários irmãos trabalham juntos. Quando a peculiaridade de cada irmão sai a flutuação, será-lhes difícil coordenar, muito menos crescer juntos como edifício. Estes irmãos se podem edificar só ao ser transformados. Por meio de sua transformação crescem juntos. A transformação produz o crescimento em vida, e este crescimento os edifica juntos. Esta é a verdadeira edificação da igrejas atual. A verdadeira edificação não é só coordenação. Nossa coordenação, cedo ou tarde, será quebrantada se não sermos transformados. Talvez certo irmão pensa que não pode cooperar com outro irmano pela peculiaridade notável de este. O que deve fazer este irmão? Deve ir à cruz e ser um exemplo que o outro

62                   A ESFERA DIVINA E MÍSTICA

"O ESPIRITU MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU"                   63

irmão possa seguir. depois de um tempo, ambos aprenderão a receber a aplicação da cruz para ser transformados. Logo não precisarão ocupar-se da coordenação, porque crescerão juntos. Os membros de nosso corpo físico não somente coordenam, mas sim crescem juntos pela circulação do sangue.

C. A morada de Deus em nosso espírito

Os escritos de Paulo nos revelam que a igrejas, o Corpo de Cristo, como morada de Deus está em nosso espírito, no qual amora o Espírito de Deus (Ef. 2:22; Rm. 8:11). Isto mostra que a edificação da igrejas está totalmente relacionada com os dois espíritos, o Espírito divino e nosso espírito humano. O Espírito divino mora em nós, e nosso espírito é a morada. O fato de que sejamos edificados como morada de Deus está relacionado com os dois espíritos.

D. Cristo edifica Seu lar em nossos corações

Cristo faz (edifica) Seu lar em nossos corações ao nos fortalecer o Espírito de Deus em nosso homem interior (nosso espírito regenerado) onde está Cristo (2 Ti. 4:22), para que cheguemos à plenitude (a expressão) de Deus (Ef. 3:16-19). Efesios 3 nos diz que hoje Cristo faz Seu lar em nosso coração. Isto é a edificação. Tem primeiro lugar quando somos fortalecidos podendo por meio do Espírito em nosso homem interior, em nosso espírito. Então Cristo tem a oportunidade de fazer Seu lar em nosso coração para que sejamos cheios do Deus Triuno até a plenitude para Sua expressão.

mora nos crentes se menciona no versículo 17. Apoiando-se neste fato, o Pai e o Filho devem fazer uma morada mútua conosco. Esta é a edificação. Em João 14:2 o Senhor disse: "Na casa de Meu Pai muitas moradas há". O versículo 23 nos conta como são edificadas estas moradas. Ocorre ao viver em nós o Espírito como fundamento; logo o Pai e o Filho vêm a nós a fazer uma morada mútua conosco. Todos estes versículos são muito místicos.

Na salvação orgânica que Deus efetua, primeiro nossa vida é afetada, quer dizer, Deus na regeneração fica em nosso espírito para ser nossa vida. A nossa vida agora lhe acrescentou algo. Anteriormente tínhamos só nossa vida humana. Mas por meio da regeneração começamos a ter outra vida que foi acrescentada a nossa vida velha, e é a vida de Deus. Não é um intercâmbio a não ser a adição de outra vida. Logo nossa natureza é santificada com a natureza de Deus. E nossa mente é transformada ao estar a mente de Deus na nosso por meio do espírito misturado. Isto significa que todo nosso ser é transformado.

E. Deus o Pai e o Filho fazem uma morada mútua com o que ama a Cristo

Apoiando-se no fato de que o Espírito de Deus amora no qual ama a Cristo (Jo. 14:17), Deus o Pai e o Filho vêm a ele e fazem uma morada mútua com ele (V. 23). João 14:23 diz que se alguém amar ao Filho, este e o Pai deverão fazer uma morada com ele. Isto significa fazer uma morada mútua para o Deus Triuno e o crente. O Espírito que

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CAPITULO CINCO

"O ESPIRITU MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU" A CHAVE QUE ABRE AS OITO SEÇÕES DA SALVACION ORGANICA QUE DEUS EFETUA

ESBOÇO

VII. Abre a sétima seção, a conformação:

A. A conformação é a consumação da transformação. A transformação é uma obra paulatina na qual somos transformados na gloriosa imagem de Cristo (2 CO. 3:18), a qual necessita uma consumação, e esta consiste em conformar aos crentes transformados à imagem do Filho primogênito de Deus, o primeiro Deus-homem- Rm. 8:29.

B. A conformação é o pleno crescimento do Deus Triuno processado -el Pai corporificado no Filho e o Filho feito real como Espírito-, a vida divina que está em Cristo (Col. 1:28) que cresce nos crentes até chegar à maturidade.

C. Também é o homem plenamente amadurecido, que chegou à medida da estatura da plenitude de Cristo-Ef. 4:13.

VIII. Abre a oitava seção, a glorificação:

A. A glorificação é o passo final da obra salvadora orgânica de Deus em Cristo, que introduz aos crentes conformados na glória de Deus-Rm. 8:18, 21; Tenho. 2:10; 1 P. 5:10.

B. A glorificação consiste em que a glória de Deus satura aos crentes interiormente do mesmo modo que se aplica a tinta do selo que os

L4 ESFERA DIVINA E MISTITCA

"O ESPIRITU MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU"                   67

crentes receberam quando foram salvos-ef. 1:13; 4:30.

C. A glorificação consiste em transfigurar o corpo de nossa humilhação para conformá-lo ao corpo de Sua glória (Fil. 3:21). portanto, chama-se a redenção do corpo dos crentes-el 4:30; Rm. 8:23.

D. A glorificação, a redenção de nosso corpo, consiste em que desfrutemos plenamente nossa filiação-Rm. 8:23.

IX. Abre a seção adicional da obra salvadora orgânica de Deus sete vezes intensificada:

Nota: As três seções do ministério de Cristo:

1. A primeira seção, ou seja, Seu ministério terrestre, o qual O, como o Cristo que estava na carne desde Sua encarnação até Sua morte em Sua idade humana de trinta e três anos e meio, levou a cabo judicialmente na esfera física.

2. A segunda seção, ou seja, Seu ministério celestial, o qual O, como Cristo o Espírito lhe vivifiquem desde Sua ressurreição até o final do milênio na era da igrejas e na do reino, levou a cabo organicamente na esfera mística.

3. A terceira seção, ou seja, Seu ministério celestial sete vezes intensificado, o qual O, como Cristo o Espírito lhe vivifiquem sete vezes intensificado da degradação da igrejas até a vinda do novo céu e a nova terra, leva a cabo de modo orgânico e sete vezes intensificado na esfera mística.

A. Para:

1. Salvar aos crentes Efesios da vida de igrejas formal que perdeu seu primeiro amor para o Senhor, o resplendor do castiçal e o desfrute de Cristo como vida, a fim de que cheguem a ser vencedores e possam receber o galardão de comer a árvore da vida no

Paraíso de Deus, a Nova Jerusalém na era do reino-ap. 2:1-7.

2. Fortalecer a quão crentes sofrem na igrejas na Esmirna a fim de que vençam a perseguição e o martírio e recebam o galardão de não sofrer a segunda morte durante a era do reino-ap. 2:8-11.

3. Santificar a quão crentes estão na igrejas no Pérgamo tirando os da união com o mundo e dos ensinos do Balaam e dos nicolaítas, a fim de que sejam vencedores e possam receber o galardão de comer o maná escondido e de receber uma pedra branca sobre a qual estará escrito um novo nome na era do reino-ap. 2:12-17.

4. Resgatar a quão crentes estão na igrejas na Tiatira da adoração aos ídolos, a fornicação, os ensinos demoníacos e as profundidades de Satanás, a fim de que sejam vencedores e possam receber o galardão de ter autoridade sobre as nações na era do reino-ap. 2:18-29.

5. Avivar a quão crentes estão na igrejas no Sardis e tirar os de sua condição morta e moribunda a fim de que sejam vencedores e possam receber o galardão de andar com o Senhor em vestimentas brancas e seus nomes não sejam apagados do livro da vida mas sim sejam confessados pelo Senhor diante do Pai e Seus anjos na era do reino-ap. 3:1-6.

6. Animar a quão crentes estão na igrejas na Filadelfia a reter o que têm para que ninguém tome sua coroa e sejam vencedores a fim de que possam receber o galardão de ser colunas no templo de Deus com o nome de Deus, o da Nova Jerusalém e o novo nome do Senhor escritos sobre eles na era do reino-ap. 3:7-13.

7. Despertar a quão crentes estão na igrejas

A ESFERA DIVINA E MISTITCA

'7;L ESPÍRITO MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU'                   69

na Laodicea de sua condição morna e carente de Cristo, lhes exortando a pagar o preço pelo ouro refinado, as vestimentas brancas e o colírio, e a abrir sua porta, a qual o Senhor toca, para que sejam vencedores e possam receber o galardão de sentar-se no trono do Senhor na era do reino-ap. 3:14-22.

B. Ao:

1. Chegar a ser o falar do Cristo pneumático e ilimitado que libera a vida e foi intensificado sete vezes (o Cordeiro com os sete Espíritos como Seus olhos, Ap. 5:6) às sete Iglesias ao começo de cada epístola respectivamente, o que o Espírito lhe vivifiquem e tudo-inclusivo que foi intensificado sete vezes fala com as sete Iglesias ao final de cada epístola universalmente-Ap. 2:1, 7, 8, 11, 12, 17, 18, 29; 3:1, 6, 7, 13, 14, 22.

2. Participar disto os Santos vencedores que vivem em seu espírito-Ap. 1:10; 4:2; 17:3; 21:10. C. Com o objetivo de:

1. Preparar completamente a noiva para Cristo o Noivo a fim de que tenha Suas bodas triunfal no milênio para Sua satisfação conforme a Seu beneplácito-Ap. 19:7-9.

2. Formar um exército nupcial para que Cristo possa derrotar e destruir a Seus piores inimigos na humanidade, o anticristo e o falso profeta-Ap. 19:11-21; 17:14.

3. Atar a Satanás e jogá-lo ao abismo por mil anos-ap. 20:1-3.

4. TYaer o reino de Cristo e de Deus, o qual será o milênio-Ap. 20:4-6.

5. Iniciar a consumação da Nova Jerusalém no milênio (Ap. 2:7), e terminá-la no novo céu e na nova terra (Ap. 21:2).

D. O produto final será: o Espírito que terá sido consumado, a consumação do Deus Triuno processado, chega a ser o Noivo, e o conjunto das

Santos vencedores chega a ser a noiva do romance universal entre o Deus redentor e Seu homem redimido como conclusão das Escrituras Ap. 22:17.

70                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

"O. ESPIRITU MLSMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU"                   71

Oração: Senhor, damo-lhe obrigado por Sua intenção divina. Quer nos fazer exatamente iguais a Ti em vida e em natureza mas não em deidade. Senhor, acrescentou Sua vida divina

a nossa humanidade criada, queda, redimida e ressuscitada. Senhor, santificou nosso modo de ser torcido para nos fazer semelhantes a Ti em Sua natureza Santa. Senhor, seguirá trabalhando até que sejamos redimidos em nosso corpo e sejamos semelhantes a Ti. Finalmente poderemos dizer: "Senhor, o que Você é, somo-lo nós, e o que nós somos, é-o Você. A única diferença é que Você tem a deidade", Damo-lhe obrigado e lhe adoramos porque nós não temos a deidade. Você é o único Deus. Você é o Deus Triuno processado e consumado. Nós temos a humanidade e a divindade, e Você tem a divindade e a humanidade. Que maravilha que Deus tem humanidade! O Deus Triuno processado e consumado tem humanidade. Senhor, nos abra os céus. Queremos estar nos céus para vê-lo tudo como Você o vê. nos dê as palavras. Esta é uma cultura totalmente nova em uma esfera mística. Senhor, necessitamos Seu idioma; necessitamos Suas palavras.

VII. ABRE A SEPTIMA SECCION, A CONFORMACION
A. A consumação da transformação

A conformação é a consumação da transformação. A transformação é uma obra paulatina na qual somos transformados na gloriosa imagem de Cristo (2 CO. 3:18), a qual necessita uma consumação. Ainda estamos no processo de ser transformados, mas nossa transformação ainda não chegou a sua consumação. A consumação de nossa transformação consiste em que nós os crentes transformados sejamos conformados à imagem do Filho primogênito de Deus, o primeiro Deus-homem (Rm. 8:29).

Precisamos ver a diferença entre Cristo como Filho unigénito e como Filho primogênito de Deus. Que Cristo seja o Primogênito indica que muitos filhos vêm depois Do. Na ressurreição de Cristo foram produzidas três entidades grandes: o Filho primogênito foi produzido, o Espírito lhe vivifiquem quem é a transfiguração do último Adão foi

produzido (1 CO. 15:45), e todos os escolhidos e predestinados foram regenerados (1 P. 1:3). Que grande resultado é isto!

B. O pleno crescimento do Deus Triuno processado

A conformação é o pleno crescimento do Deus Triuno processado -o Pai corporificado no Filho e o Filho feito real como Espírito-, a vida divina que está em Cristo (Col. 1:28) que cresce nos crentes até chegar à maturidade.

C. O homem plenamente amadurecido

Também é o homem plenamente amadurecido, que chegou à medida da estatura da plenitude de Cristo (Ef. 4:13). A plenitude de Cristo é o Corpo de Cristo (1:23), o qual tem uma estatura e uma medida. Cristo é toda-inclusivo e extenso, e é ilimitado; O enche tudo em tudo. O tem um Corpo, e este Corpo é Sua expressão. Este Corpo tem uma estatura, e esta tem uma medida. Quem pode medir a estatura do Corpo de Cristo, a plenitude do Cristo ilimitado? Mas nossa conformação à imagem do Filho primogênito de Deus constará do homem plenamente amadurecido que terá chegado à medida da estatura adequada da expressão de Cristo. O Corpo é o conjunto de todos quão crentes por meia da transformação foram conformados à imagem do Filho primogênito de Deus. Este é o homem plenamente amadurecido que chegou à estatura da plenitude de Cristo. Embora esta medida é imensurável, podemos alcançá-la por meio de nossa conformação.

VIII. ABRE A OITAVA SECCION, A GLORIFICACION

A. O passo final da obra salvadora orgânica de Deus

A glorificação é o passo final da obra salvadora orgânica de Deus em Cristo, que introduz aos crentes conformados na glória de Deus (Rm. 8:18, 21; Tenho. 2:10; 1 P. 5:10). Se queremos entrar na glória, temos que ser conformados à imagem de Cristo. Temos que terminar nossa "carreira". Então "graduaremo-nos". A glorificação é a graduação da carreira da vida cristã. Não

72                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

"O ESPIRITU MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU                   73

entraremos na glória de modo espontâneo, conforme pensam muitos cristãos. A glorificação é a consumação de uma obra paulatina que começa com a regeneração, passando pela alimentação, a santificação em nossa maneira de ser, a renovação, a transformação, a edificação e a conformação. Depois nos dará um "diploma", o qual será nossa glorificação.

B. A glória de Deus satura aos crentes interiormente

A glorificação consiste em que a glória de Deus satura aos crentes interiormente do mesmo modo que se aplica a tinta do selo que loa crentes receberam quando foram salvos (Ef. 1:13; 4:30). Quando um selo que tem muita tinta se aplica a algumas folhas, satura-as até a última folha. Efesios 4:30 diz que somos selados com o Espírito para o dia da redenção. Parada significa "dando por resultado". A aplicação da tinta que faz o Espírito selador, com o tempo, dará por resultado a redenção de nosso corpo quando formos glorificados.

Quanta liberdade lhe damos à aplicação da tinta em nossa vida cristã? Ser santificados sem obstáculo em nosso modo de ser, renovados, transformados e conformados significa que permitimos que a tinta seja aplicada rapidamente em nós para nossa glorificação. Estar na glória tem dois aspectos. Por um lado, entraremos na glória. Por outro, esta glória nos satura desde nosso interior ao nos aplicar a tinta o Espírito selador durante toda nossa vida cristã. Precisamos estar sob a aplicação da tinta que o Espírito efetua dia detrás dia. Então entraremos na glória por meio desta aplicação interior, a qual consiste em que a glória de Deus nos sature desde nosso interior.

C. A redenção do corpo dos crentes

A glorificação consiste em transfigurar o corpo de nossa humilhação para conformá-la ao corpo de Sua glória (Fil. 3:21). portanto, chama-se a redenção do corpo dos crentes (O 4:30; Rm. 8:23). A palavra grega traduzida transformação também se traduz trauvfguroción. Ser

transfigurado é o último passo da transformação. É mudar nossa forma exterior, nosso corpo. Nosso corpo atual é um corpo de humilhação, mas será transfigurado em outro corpo, quer dizer, no glorioso corpo de Cristo.

D. Desfrutar plenamente nossa filiação

A glorificação, a redenção de nosso corpo, consiste em que desfrutemos plenamente nossa filiação (Rm. 8:23). Somos filhos de Deus, mas nosso corpo ainda não é feito filho. Nosso corpo será filho quando for redimido. Ser transfigurado, ser redimido, é ser feito filho. Nascemos como filhos de Deus quando fomos regenerados, mas nesse então só nosso espírito foi feito filho. A regeneração é o primeiro passo de ser feito filho. A alimentação orgânica, a santificação, a renovação, a transformação, a edificação e a conformação são os passos que lhe seguem. No último passo nosso corpo é feito filho.

Deus nos regenero com Sua vida divina. Esta significa que acrescentou Sua vida divina a nossa vida humana. Nossa vida humana foi criada por Deus, mas caiu. Por isso necessitamos a redenção. A redenção consiste em redimir judicialmente o que se perdeu. Quando o Senhor morreu na cruz, O morreu conosco, com nosso homem natural. Fomos crucificados com O, sepultados com O e também ressuscitados com O (Gá. 2:20; Rm. 6:4; O.. 2:6). portanto, fomos criados, caímos, fomos redimidos judicialmente, fomos elevados e ressuscitamos. Nossa vida humana e a vida de Deus foram enxertadas a uma na outra (Rm. 11:17). De outro modo, como poderíamos viver com O? Vivemos com O porque temos nossa própria vida junto com a Sua. A regeneração significa ter a vida divina e espiritual de Deus além de nossa vida humana.

depois de nossa regeneração somos santificados em nosso modo de ser com o elemento da vida de ressurreição de Cristo. Por meio da santificação nossa natureza natural, distorcida, torcida e perversa é corrigida e endireitada com Sua natureza Santa. O Espírito Santo ministra a natureza Santa de Deus em nosso ser para

74                   A ESFERA DIVINA E MÍSTICA

"O ESPÍRITO MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU"                   75

endireitar nosso modo de ser torcido. Posto que participamos da natureza divina, a qual é perfeita e reta, nossa natureza é corrigida.

Logo nossa mente é renovada, é trocada. Filipenses 2 diz que devemos ter o mesmo sentir de Cristo (V. 5). A obra renovadora de Deus ocorre ao mesclar-se Seu Espírito com o nosso para saturar nossa mente com todos louva pensamentos e a lógica de Deus, a fim de mudar nossa mente. Apoiando-se na regeneração, a santificação e a renovação, o Senhor Espírito hoje transforma nosso ser ao acrescentar Sua vida divina para causar um metabolismo divino dentro de nós. Isto transforma todo nosso ser.

Com o tempo, esta transformação será completa e nos fará um homem amadurecido que terá chegado à medida da estatura da plenitude de Cristo, conformado à imagem do Filho primogênito de Deus, quem é o conjunto do Deus Triuno. Finalmente, ao nos saturar a glória de Deus, a glória brotará de nós. Então entraremos na glória e permaneceremos nela. Quando alcançarmos esta glória, diremos: "Senhor Deus, que misericórdia e graça que nós somos o que Você é, e Você é o que nós somos". Esta é a consumação máxima das oito seções da salvação orgânica que Deus efetua.

A plena salvação de Deus não simplesmente nos redime judicialmente para nos perdoar, lavamos, justificamos, nos reconciliar com O e nos santificar quanto a posição. Isto foi obtido por Cristo na carne em Seu ministério terrestre. A redenção judicial de Deus foi meramente o procedimento segundo o qual O nos salvou organicamente como Espírito lhe vivifiquem, como Cristo pneumático, para que participássemos da salvação orgânica que Deus efetua como propósito da salvação completa de Deus no ministério celestial de Cristo.

IX. ABRE A SECCION ADICIONAL DA OBRA SALVADORA ORGANICA DE DEUS SETE VEZES INTENSIFICADA

Segundo Isaías 30:26 a luz do sol será sete vezes maior no milênio. Hoje temos o Espírito sete vezes intensificado.

NOTA: AS TRÊS SEÇÕES DO MINISTÉRIO DE CRISTO

Seu ministério terrestre

A primeira seção, ou seja, Seu ministério terrestre, levou-a a cabo judicialmente na esfera física, como o Cristo que estava na carne desde Sua encarnação até Sua morte em Sua idade humana de trinta e três anos e meio.

Seu ministério celestial

A segunda seção, ou seja, Seu ministério celestial, leva-a a cabo organicamente na esfera mística, como Cristo o Espírito lhe vivifiquem desde Sua ressurreição até o final do milênio na era da igrejas e na do reino. A encarnação foi o primeiro começo, o começo de Sua vida na carne. Mas a ressurreição é outro começo, o começo de ser o Espírito, para levar a cabo Seu ministério celestial.

Seu ministério celestial sete vezes intensificado

A terceira seção, ou seja, Seu ministério celestial sete vezes intensificado, é levada a cabo de modo orgânico e sete vezes intensificado na esfera mística pelo, como Cristo o Espírito lhe vivifiquem sete vezes intensificado da degradação da igrejas até a vinda do novo céu e a nova terra. A degradação da igrejas começou no primeiro século. Em 2 Timoteo Paulo nos disse que todos os que estavam na Ásia lhe tinham voltado as costas, abandonando seu ministério (1:15). Outros, como Himeneo e Fileto, trataram de derrubar a verdade quanto à ressurreição, dizendo que já tinha ocorrido (2:17-18). Paulo mencionou que Damas o tinha abandonado por amor à presente século (4:10). Também falou do Alejandro o caldeireiro que lhe fez muitos males (4:14). Alejandro o caldeireiro deveu ter conhecido a Paulo muito sim. De outro modo, não teria sido seu opositor. Todas estas descrições nos mostram a degradação da igrejas. Pouco depois de escrever 2 Timoteo, ao redor do ano 67 d. do C., Paulo foi martirizado. menos de trinta anos depois, João escreveu o livro de Apocalipse, o qual mostra a degradação

76                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

"O ESPIRITU MESMO JUNTO COM NOSSO ESPÍRITO'                   77

das Iglesias. Também escreveu 2 João, uma epístola que revela a proibição contra a heresia, a qual já se infiltrava na igrejas.

O livro de Apocalipse começa como continua: "Graça e paz a vós de parte daquele que é e que era e que tem que vir, e dos sete Espíritos que estão diante de Seu trono; e do Jesucristo, a Testemunha fiel, o Primogênito de entre os mortos, e o Soberano dos reis da terra" (1:4-5). Nestes versículos os sete Espíritos são enumerados como o segundo da Trindade Divina. Logo o livro de Apocalipse nos dá um relato completo do mover do Espírito séptuple no ministério celestial de Cristo, o qual faz muitas coisas.

A. Para:

e dos nicolaítas, a fim de que fossem vencedores e pudessem receber o galardão de comer o maná escondido e de receber uma pedra branca sobre a qual estaria escrito um novo nome na era do reino (2:12-17).

4. Resgatar a quão crentes estão na igrejas na Tiatira

O Espírito lhe vivifiquem sete vezes intensificado obra para resgatar a quão crentes estão na igrejas na Tiatira da adoração aos ídolos, a fornicação, os ensinos demoníacos e as profundidades de Satanás, a fim de que sejam vencedores e possam receber o galardão de ter autoridade sobre as nações na era do reino (2:1&29).

1. Salvar aos crentes Efesios

O Espírito sete vezes intensificado obrou para salvar aos crentes Efesios da vida formal de igrejas que tinha perdido seu primeiro amor para o Senhor, o resplendor do castiçal e o desfrute de Cristo como vida, a fim de que chegassem a ser vencedores e pudessem receber o galardão de comer a árvore da vida no Paraíso de Deus, a Nova Jerusalém na era do reino (Ap. 2:1-7).

2.. Fortalecer a quão crentes sofrem na igrejas na Esmirna

Cristo como Espírito lhe vivifiquem sete vezes intensificado obrou para fortalecer a quão crentes sofrem na igrejas na Esmirna a fim de que vençam a perseguição e o martírio e recebam o galardão de não sofrer a segunda morte durante a era do reino (2:8-11). Isto mostra que quão crentes não vencem experimentarão a segunda morte.

3. Santificar a quão crentes estão na igrejas no Pérgamo

A igrejas no Pérgamo se casou com o mundo, assim Cristo como Espírito lhe vivifiquem sete vezes intensificado obrou para santificar a quão crentes estavam ali tirando os da união com o mundo e dos ensinos do Balsam

5. Avivar a quão crentes estão na igrejas no Sardis

Cristo, em Seu ministério celestial sete vezes intensificado, aviva a quão crentes estão na igrejas no Sardis e os tira de sua condição morta e moribunda a fim de que sejam vencedores e possam receber o galardão de andar com o Senhor em vestimentas brancas e seus nomes não sejam apagados do livro da vida mas sim sejam confessados pelo Senhor diante do Pai e Seus anjos na era do reino (3:1-6).

6. Animar a quão crentes estão na igrejas na Filadelfia

Embora Filadelfia é a melhor igrejas, os crentes dali precisam reter o que têm para que ninguém tome sua coroa e sejam vencedores a fim de que possam receber o galardão de ser colunas no templo de Deus com o nome de Deus, o da Nova Jerusalém e o novo nome do Senhor escritos sobre eles na era do reino (3:7-13). O nome escrito sobre eles indica que isto é o que são. Significa que são a Nova Jerusalém e são Deus porque têm o nome de Deus escrito sobre eles. Também são o Senhor Jesus porque têm Seu novo nome escrito sobre eles. É obvio, são Deus e o Senhor Jesus em vida e em natureza, mas não em deidade.

78                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

7. Despertar a quão crentes estão na igrejas na Laodicea

Quão crentes estão na igrejas na Laodicea precisam ser despertados de sua condição morna e carente de Cristo. portanto, o Senhor os precatória a pagar o preço pelo ouro refinado, as vestimentas brancas e o colírio, e a abrir sua porta, a qual o Senhor toca, para que sejam vencedores e possam receber o galardão de sentar-se no trono do Senhor na era do reino (3:14-22). Não só são mornos, mas também também carentes de Cristo, porque Cristo está fora tocando à porta da igrejas.

B. Ao:

1. Falar o Cristo pneumático sete vezes intensificado

Somos salvos da degradação ao falar o Cristo pneumático e ilimitado que libera a vida e é sete vezes intensificado (o Cordeiro com os sete Espíritos como Seus olhos, Ap. 5:6). Os sete Espíritos são os olhos de Cristo, quem é o Cordeiro. Ninguém pode separar os olhos de um de sua pessoa. Que o Espírito séptuple seja os olhos de Cristo indica que é um com Cristo. O Cristo pneumático sete vezes intensificada fala às sete Iglesias ao começo de cada epístola respectivamente, e chega a ser o que o Espírito lhe vivifiquem e tudo-inclusivo que foi intensificado sete vezes fala com as sete Iglesias ao final de cada epístola universalmente (Ap. 2:1 7, 8, 11, 12, 17, 18, 29; 3:1, 6, 7, 13, 14, 22). Ao princípio de cada epístola Cristo fala, e ao final é o Espírito quem fala. Isto mostra que Cristo é o Espírito.

 

"O ESPIRITU MESMO JUNTO COM NOSSO ESPIRITU"                   79

que João o apóstolo era um homem que estava no espírito, que sempre vivia no espírito.

C. Com o objetivo de:

1. Preparar completamente a noiva para Cristo

O ministério celestial sete vezes intensificado de Cristo prepara completamente a noiva para Cristo o Noivo a fim de que tenha Suas bodas triunfal no milênio para Sua satisfação conforme a Seu beneplácito (Ap. 19:7-9).

3. Formar um exército nupcial

O ministério celestial sete vezes intensificado de Cristo também forma um exército nupcial para que O possa derrotar e destruir a Seus piores inimigos na humanidade: o anticristo e o falso profeta (Ap. 19:11-21; 17:14). O anticristo vindouro e seu falso profeta serão os inimigos humanos de Cristo, pois o atacarão no máximo. Brigarão cara a cara com um exército contra Cristo. Mas Cristo e Sua noiva os destruirão e os jogarão ao lago de fogo.

3. Atar a Satanás

O ministério celestial sete vezes intensificado de Cristo ata a Satanás e o joga ao abismo por mil anos (Ap, 20:1-3).

4. O reino de Cristo e de Deus

Seu ministério celestial sete vezes intensificado também traz o reino de Cristo e de Deus, o qual será o milênio (Ap. 20:4-6).

5. A consumação da Nova Jerusalém

2. Os Santos vencedores vivem em seu espírito

A degradação é vencida ao participar os Santos vencedores que vivem em seu espírito (Ap. 1:10; 4:2; 17:3; 21:10). Por uma parte, vencemos quando o que Cristo fala chega a ser o que o Espírito fala. Por outra, ocorre ao viver nós em nosso espírito todo o tempo. Em Apocalipse 1:10 João disse que estava no espírito no dia do Senhor. Isto mostra Finalmente, o ministério celestial sete vezes intensificado inicia a consumação da Nova Jerusalém no milênio (Ap, 2:7), e a termina no novo céu e na nova terra (21:2). Em outras palavras, a Nova Jerusalém será consumada primeiro pelos vencedores na primeira parte dos mil anos em pequena escala e o farão completamente na eternidade. Todos os crentes, mediante a disciplina de mil anos, chegarão à maturidade, e serão transformados e ,sou conformados, para participar da Nova Jerusalém na eternidade.

D. O produto final

O produto final será o Espírito que terá sido consumado, a consumação do Deus Triuno processado, que chega a ser o Noivo, e o conjunto dos Santos vencedores que chega a ser a noiva do romance universal entre o Deus redentor e Seu homem redimido come conclusão das Escrituras (Ap. 22:17). A conclusão da Bíblia é um casal, a qual é a consumação do romance universal do Deus redentor e Seu homem redimido. O Noivo é Deus como Espírito consumada, e a noiva é o conjunto de todos os vencedores. Tudo isto é obtido pela seção adicional da salvação orgânica sete vezes intensificada que Deus efetua.

 

CAPITULO SEIS

A BASE UNICA DAS IGREJAS LOCAIS DE DEUS E A UNIDADE UNICA DO CORPO UNIVERSAL DE CRISTO

Leitura bíblica: I CO. 1:1-2, 9, 10-13; 3:3-4; E£ 4:3-6

ESBOÇO

I. A base única das Iglesias locais de Deus-1 CO. 11-2, 9, 10-13; 3:3-4:

A. A igrejas de Deus: o conteúdo da igrejas em sua essência-1:2a.

B. A igrejas em Corinto: a localidade para a existência, a expressão e a prática da igrejas (1:26); a localidade chega a ser a base local das Iglesias locais sobre a qual são edificadas respectivamente (At. 5:1; 13:1; Ap. 1:11).

C. Os santificados em Cristo Jesus, os Santos chamados: os que constituem a estrutura da igrejas-1:2c.

D. Com todos os que em qualquer lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo: os destinatários desta epístola em todo lugar além dos Santos em Corinto-1:2d.

E. Cristo é "deles e nosso": Cristo é a porção dos Santos locais de Corinto e de todos os Santos de qualquer lugar, os quais participam da comunhão (o desfrute) de Cristo, a qual todos os crentes foram chamados pelo Deus fiel1:2e, 9.

F. As divisões entre os Santos são condenadas pelo apóstolo, quem é a autoridade delegada de Cristo, a Monte-1:10-13.

A ESFERA DIVINA E ~CA

A EASE UNICA DAS Iglesias LOCAIS                   83

G. Cristo não está dividido: Cristo é único, não é divisível nem está dividido-1:13.

H. A divisão provém da carne e concorda com o homem-3:3-4.

I. Nossa prática sob a degradação atual do cristianismo, a qual causa divisão e confusão: 1. Não participamos da heresia católica, nem em

as denominações protestantes, nem em nenhum grupo livre de cristãos, nem devemos fazê-lo. 2. Mas reconhecemos e recebemos aos crentes individuais que crêem no Senhor Jesus Cristo, são redimidos por Seu sangue e regenerados pelo Espírito Santo, não são facciosos (Tit. 3:10), nem causam divisões (Rm. 16:17), nem adoram ídolos nem vivem em pecado (1 CO. 5:11), embora ainda tenham relações com alguma divisão. 3. Somos uma com tuda quão crentes estão na restauração do Senhor por todo mundo.

4. Não temos credo; temos só a Bíblia única traduzida e interpretada adequadamente pela Bíblia mesma e conforme a ela.

II. A unidade única do Corpo universal de Cristo-Ef. 4:3-6:

A. A unidade única do Corpo universal de Cristo provém do Espírito, e os crentes não devem quebrantá-la, mas sim devem guardá-la diligentemente no vinculo da paz-v. 3.

B. Em todo o universo existe um só Corpo, o Corpo de Cristo, cujo contido é o Deus Triuno-vs. 4-6:

1. Um só Espírito como essência de seu conteúdo. 2. Um só Senhor como elemento de seu conteúdo. 3. Deus o Pai como fonte de seu conteúdo, quem é sobre todos e por todos e em todos, de modo triuno.

C. A compenetração do Corpo universal de Cristo: 1. Deus consertou o Corpo (1 CO. 12:24):

A. A compenetração de todos os membros do Corpo de Cristo.

 

B. A compenetração de todas as Iglesias em distritos.

C. A compenetração de todos os colaboradores.

d. A compenetração de todos os anciões. 2. Esta compenetração não é algo social, a não ser a compenetração do próprio Cristo a quem os membros, as Iglesias nos distritos, os colaboradores e os anciões desfrutam, experimentam e de quem participam.

3. Para que seja edificado o Corpo universal de Cristo (Ef. 1:23), o qual terá sua consumação na Nova Jerusalém (Ap. 21:2), a meta final da economia de Deus conforme a Seu beneplácito (O. 3:8-10; 1:9-10).

84                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

A BASE ÚNICA DAS IGREJAS LOCAIS                   85

Oração: Senhor, damo-lhe obrigado porque conduziste pela comunhão que acabamos de ter. Acreditam que nos dará uma conclusão gloriosa. Você é o Alfa e a Omega. Confiamos em Ti. Senhor, damo-lhe obrigado porque todo o tempo dependemos de Sua misericórdia, Sua bênção, Suas provisões, a Palavra e o Espírito e Sua presença. Senhor, sem estes somos como um cão morto. Não podemos fazer nada, nem ter nada nem ser nada. Senhor, isto é o que somos. Mas confiamos em Ti. Você o é tudo para nós a fim de nos fazer iguais a Ti em vida e em natureza mas não em deidade. Damo-lhe obrigado por isso. Adoramo-lhe. O ponto principal que nos revelou nestes dias é que quer ter um grupo de pessoas que tenham sido atas de novo por meio da regeneração, a santificação, a renovação, a transformação, a conformação e a glorificação até ser semelhantes a Ti. Damo-lhe obrigado por Ti mesmo. Amém.

A base da igrejas e a unidade do Corpo de Cristo são temas velhos para nós. falei deles durante mais de sessenta e cinco anos, mas estes temas são cruciais. Nos últimos quinze meses, o Senhor levantou mais de trezentas Iglesias novas na terra, e estas devem ver claramente a base local e a unidade universal. A base está relacionada com as Iglesias de Deus, e a unidade está relacionada com o Corpo de Cristo. A base e a unidade são únicas, o qual significa que a base da igrejas e a unidade do Corpo são uma sozinha.

1. A BASE ÚNICA DAS Iglesias LOCAIS DE DEUS

Primeiro, queremos ver a base única das Iglesias locais de Deus (1 CO. 1:1-2, 9, 10-13; 3:3-4).

A. A igrejas de Deus

Em 1 Corintios 1:2a se fala da igrejas de Deus. A igrejas tem que ser de Deus. Não deve ser de nada mais. Isto se refere ao conteúdo da igrejas em sua essência. Toda entidade substancial tem uma fonte. Também tem seu elemento. Intrinsecamente no elemento está a essência. O conteúdo da igrejas em sua essência é Deus mesmo.

B. A igrejas em Corinto

Em 1 Corintios 1:26 se fala da igrejas em Corinto. Isto mostra a localidade de Corinto, o qual denota a existência, a expressão e a prática da igrejas; a localidade chega a ser a base local das Iglesias locais sobre a qual são edificadas respectivamente (At. 8:1; 13:1; Ap. 1:11). A igrejas certamente necessita um lugar onde existir, uma expressão e uma prática, e esse lugar, segundo o Novo Testamento, é a localidade. A igrejas em Corinto foi edificada em Corinto. A igrejas em Atenas está edificada sobre a base da cidade de Atenas. A igrejas em Nova Iorque está edificada sobre a base da cidade de Nova Iorque. Por conseguinte, a localidade espontaneamente chega a ser a base da igrejas.

O irmão Watchman Nos fez notar que Deus foi muito sábio na maneira em que edificou a igrejas na base local. Deus escolheu a muitas pessoas. Em todas partes do globo terrestre se encontram crentes de Cristo, e eles não devem estar pulverizados a não ser reunidos para ser uma igrejas. Se não existisse o limite apropriado da base, não haveria limite quanto a estabelecer Iglesias. Hoje no sul de Califórnia existe uma igrejas chamada Igrejas Evangélica do Taiwán. Estes crentes usam Taiwán como sua base. Eu cresci na China na cidade do Chefoo, e no Chefoo existia a Igrejas da Inglaterra. As pessoas estabelecem Iglesias muito facilmente. Hoje em dia é mais fácil estabelecer uma igrejas que abrir um restaurante. Todas as denominações têm bases de divisão, incluindo os batistas do sul, os presbiterianos e os luteranos.

Se nós os crentes mantiver o patrão estabelecido por Deus na Bíblia, o de ter uma só igrejas em uma só cidade, podemos manter a unidade. Qualquer crente que venha a uma cidade deve estar na igrejas que está em dita cidade. Se for a Tóquio, devo me unir à igrejas em Tóquio. Se for a Londres, devo me reunir com a igrejas em Londres. Se for a Dallas, tenho que me reunir com a igrejas em Dallas. Assim espontaneamente não haverá divisão. A Bíblia estabeleceu um patrão segundo o qual loa crentes devem reunir-se. A

86                   A ESFERA DIVINA E MISTICA

A BASE ÚNICA DAS Iglesias LOCAIS                   87

primeira reunião dos cristãos estava em Jerusalém, e Feitos 8:1 chama essa congregação a igrejas em Jerusalém. Jerusalém era uma cidade grande, mas havia uma só igrejas nessa cidade. Embora exista só uma igrejas em uma cidade, a igrejas não necessariamente tem que reunir-se em um só lugar. Mas sim devemos ter presente que a cidade na qual estejamos deve ser a única base local da igrejas.

C. Os Santos chamados

Santificado-los em Cristo Jesus, os Santos chamados, constituem a estrutura da igrejas (1 CO. 1:2c). O Deus Triuno é o conteúdo da igrejas, o Espírito é a essência; o Senhor é o elemento, e o Pai é a fonte. Os crentes autênticos, os Santos verdadeiros, santificado-los em Cristo Jesus, são a estrutura da igrejas. A igrejas tem que ser de Deus, tem que estar na base local e deve estar constituída dos Santos.

D. Com todos os que invocam o nome do Senhor

O livro de 1 Corintios foi escrito aos Santos em Corinto junto com os que em qualquer lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo: os que recebam esta epístola em qualquer lugar além dos Santos em Corinto (1:2d). Inclusive hoje nós somos recipientes de este livro. Esta epístola foi escrita à igrejas em Corinto, o conjunto dos Santos dessa cidade, mas foi lida e será lida pelas pessoas em milhares de lugares através das gerações.

E. Cristo é "deles e nosso"

O fato de que Cristo seja "deles e nosso significa que Cristo é a porção dos Santos locais de Corinto e de todos os Santos de qualquer lugar, os quais participam da comunhão (o desfrute) de Cristo, a qual todos os crentes foram chamados pelo Deus fiel (1:2e, 9). O mesmo Cristo é a porção não só de uma igrejas local mas também também de todas as Iglesias da terra. O é a porção comum que Deus nos repartiu. Cada igrejas local tem uma porção de Cristo. Também fomos chamados pelo Deus fiel à comunhão de Cristo. Posto que somos Santos chamados, Cristo

é nossa porção, e nós fomos chamados o desfrute, à comunhão, de Cristo como centro.

F. As divisões entre os Santos são condenadas pelo apóstolo

As divisões entre os Santos são condenadas pelo apóstolo, quem é a autoridade delegada de Cristo, a Cabeça (1:10-13). Paulo escreveu à igrejas em Corinto porque ouviu que havia divisões entre eles. Alguns diziam que eram de , outros, que eram do Apolos, outros, que eram do Cefas e outros, que eram de Cristo. dividiram-se em quatro grupos, mas Paulo lhes perguntou: "Está dividido Cristo?" Era como se Paulo dissesse: "Quantos Cristos têm? Têm um Cristo para o Cofas, um para o Apolos, um para Paulo e inclusive um para Cristo? Não importa se se trata do Cofas, Apolos, Paulo ou Cristo, o que têm é um só Cristo. A comunhão em que vocês estão é a comunhão do Cristo único. Cristo não está dividido". As divisões entre os Santos foram condenadas pelo apóstolo, a autoridade delegada de Cristo.

G. Cristo não está dividido

Cristo é único, não é divisível nem está dividido (1:13). Que lástima que mesmo que Cristo não está dividido haja tantas divisões entre os cristãos de hoje.

H. A divisão provém da carne

Paulo disse que a divisão provém da carne e concorda com o homem (3:3-4). Os taiwaneses querem ter a Igrejas Evangélica de Tailandês án porque lhes gosta do sabor do Taiwán. A alguns irmãos chineses não gosta de assistir às reuniões em inglês, porque sentem falta do sabor chinês. Inclusive nos Estados Unidos existem os texanos, os neoyorkinos,los negros e os brancos, cujo orgulho cultural e preferências naturais causam divisões. Não devemos ter nosso próprio sabor. Ser divididos por um sabor racial, nacional ou cultural é carnal, concorda com o homem e não com os Santos.

Quanto ao espiritual e Io divino da igrejas, devemos ter presente quatro pontos cruciais. Primeiro, devemos

88

A ESFERA DIVINA E MISTICA

A BASE UNICA DAS Iglesias LOCAIS                   89

passar pela cruz. Cristo deve aplicá-la cruz a nosso sabor natural. deve-se aplicar a cruz tanto aos americanos como aos chineses. Na igrejas não há lugar para nenhuma pessoa natural, mas sim Cristo é o tudo, e em todos (Col. 3:11). Na cruz tanto os feijões como os gentis foram crucificados. Em segundo lugar, tudo deve fazer-se pelo Espírito. Em terceiro lugar, isto significa ministrar a Cristo em outros. Em quarto lugar, tudo tem como fim edificar a igrejas. Em outras palavras, tudo o que fazemos se deve fazer por meio da cruz pelo Espírito para ministrar a Cristo em outros a fim de edificar a igrejas, o Corpo de Cristo.

Mas hoje as pessoas não querem aceitar a cruz nem viver pelo Espírito. Ao contrário, querem viver pela carne. Não lhes importa ministrar a Cristo. Em vez disso, preocupam-se com sua vida social. depois de nossas reuniões, nós gostamos de estar com os que correspondem a nosso trasfondo natural. Os chineses se vão com os chineses, e os americanos vão com os americanos. Isto mostra que precisamos receber a aplicação da cruz. O sabor japonês, o sabor chinês, o sabor taiwanés e o sabor americano devem ser crucificados. Não devemos atuar conforme a nossos sentimentos a não ser conforme ao Espírito. Não devemos desfrutar a Cristo meramente por nosso próprio sim a não ser para ministrar a Cristo em outros. O sabor de nosso homem natural com nossa cultura é o sabor do homem, o sabor da carne. O Espírito tem que aplicar a cruz a isto para que possamos ministrar a Cristo pelo sim da igrejas.

I. Nossa prática hoje

Devemos saber qual é nossa prática sob a degradação atual do cristianismo, a qual causa divisão e confusão. Não participamos da heresia católica, nem nas denominações protestantes, nem em nenhum grupo livre de cristãos, nem devemos fazê-lo. Participar de um destes é participar de uma divisão. Mas reconhecemos e recebemos aos crentes individuais que crêem no Senhor Jesus Cristo, são redimidos por Seu sangue e regenerados pelo Espírito Santo, não são facciosos (Tit. 3:10), nem causam divisões (Rm. 16:17), nem adoram ídolos nem vivem em pecado (1 CO. 5:11), embora ainda tenham relacione com alguma divisão. Romanos 16:17 diz que devemos assinalar aos que fomentam ou criam divisões. Há quatro tipos de pessoas que não podemos tolerar: os que causam divisões, os facciosos, os que adoram ídolos e os que vivem em pecado. Recebemos a qualquer pessoa que não pertença a estas categorias, porque não causamos divisões, mas não podemos assistir às reuniões deles, porque suas reuniões causam divisões.

Somos uma com todos crentes que estão na restauração do Senhor por todo mundo. Além disso, não temos credo; temos só a Bíblia única traduzida e interpretada adequadamente por si mesma e conforme a ela. A Palavra de Deus é inspirada. Devemos interpretar a Bíblia só conforme a ela. Por exemplo, os discípulos do Confucio têm seu conceito quanto à renovação, mas difere do ensino da Bíblia. A renovação que se encontra na Bíblia consiste em que a cruz se aplique a nosso velho homem e este seja consumido, para que o novo homem que está em nós possa ser renovado.

Todas as virtudes da vida cristã devem expressar-se mediante a cruz e pelo Espírito para ministrar a Cristo pelo sim da igrejas. Muitos falam do amor, mas o ensino da Bíblia quanto ao amor é única. O amor se deve expressar mediante a cruz pelo Espírito para ministrar a Cristo pelo sim da igrejas. Quando amamos a alguém, devemos perceber se a cruz se aplica a nosso eu e se nosso amor se expressa pelo Espírito. Além disso, não amamos às pessoas por nosso próprio sim a não ser para ministrar a Cristo e para edificar o Corpo. Esta é a virtude humana do amor ensinada pela Bíblia, a qual é absolutamente diferente do amor mundano. Isto é um exemplo da maneira de interpretar a Bíblia conforme a ela.

UNIDADE UNICA DO CORPO UNIVERSAL DE CRISTO

Efesios 4:3-6 mostra a unidade única do Corpo universal de Cristo.

A. A unidade do Espírito

A unidade única do Corpo universal de Cristo provém do Espírito. Efesios 4:3 diz que devemos guardar diligentemente a unidade do Espírito. Esta é uma exortação firme para nós. Nós as pessoas carnais devemos guardar a unidade do Espírito. Para isto nós devemos aplicar a cruz. A cruz de Cristo deve ser aplicada a nossa carne, nossa natureza, nosso eu. Logo devemos seguir ao Espírito. Então poderemos ter a unidade do Espírito para que se ministre Cristo e para que se edifique Seu Corpo. Não devemos quebrantar esta unidade, mas sim a devemos guardar diligentemente no vínculo da paz.

B. Um só Corpo, o Corpo de Cristo

Em todo o universo existe um só Corpo, o de Cristo. Não há um Corpo de Cristo nos Estados Unidos e outro no Japão. Em todos os lugares existe o único Corpo de Cristo, cujo contido é o Deus Triuno (Ef. 4:4-6). A essência de seu conteúdo é um só Espírito. O elemento de seu conteúdo é um só Senhor. Além disso, a fonte de seu conteúdo é Deus o Pai, quem é sobre todos e por todos e em todos, de modo triuno. A essência pertence ao elemento, e o elemento vem da fonte. Inclusive Deus o Pai mesmo, em certo sentido, é triuno porque é sobre nós, por nós e em nós, em três direções. No Corpo de Cristo o Deus Triuno é o conteúdo: o Pai é a fonte, o Filho é o elemento, e o Espírito é a essência.

C. A compenetração do Corpo universal de Cristo

1. Deus consertou o Corpo

Deus consertou o Corpo (1 CO. 12:24). A palavra consertou também significa emendou, harmonizou, temperou e mesclou. Deus consertou o Corpo, emendou-o, harmonizou-o, tempe-rou-o e o mesclou. A palavra grega traduzida consertou imp-lica que se perderam distinções. A distinção de certo irmão talvez seja sua rapidez, e a de outro possivelmente seja sua lentidão. Mas na vida do Corpo a lentidão desaparece, e se elimina a rapidez. Todas estas distinções desaparecem. Deus consertou a todos os crentes de todas as diferentes raças e cores.

        Quem pode fazer que os negros e os brancos percam suas distinções? Só Deus pode fazer isto. Um marido e uma esposa podem ter harmonia em sua vida matrimonial só ao perder suas distinções.

Para ser harmonizados, consertados, emendados, mescla-dos e temperados na vida do Corpo, temos que passar pela cruz e nos expressar pelo Espírito, ministrando a Cristo em outros pelo sim do Corpo de Cristo. Os colaboradores e os anciões devem aprender a aplicá-la cruz. Tudo o que fazemos o devemos fazer pelo Espírito para ministrar a Cristo. Além disso, o que fazemos não o devemos fazer por nossos próprios interesses nem conforme a nossas preferências, mas sim pelo sim da igrejas. Se pusermos em prática estes pontos, teremos a devida compenetração.

Todos estes pontos significam que devemos ter comunhão. Quando um colaborador faz algo, deve ter comunhão com outros colaboradores. Um ancião deve ter comunhão com outros anciões. A comunhão nos tempera, corrige-nos, harmoniza-nos e nos mescla. Devemos nos esquecer de nossa lentidão ou rapidez e simplesmente ter comunhão com outros. Não devemos fazer nada sem ter comunhão com os outros Santos que coordenam conosco. A comunhão requer que nos detenhamos quando estamos a ponto de fazer algo. Em nossa coordenação na vida de igrejas, na obra do Senhor, todos devemos aprender a não fazer nada sem ter comunhão.

Entre nós devemos ter a compenetração de todos os membros do Corpo de Cristo, a compenetração de todas as Iglesias nos distritos, a compenetração de todos os colaboradores e a compenetração de todos os anciões. A compenetração significa que sempre devemos nos deter para ter comunhão com outros. Então receberemos muitos benefícios. Se nos isolarmos e nos separa, perderemos muito proveito espiritual. Aprendam a ter comunhão. Aprendam a compenetrar-se, de agora em diante, as Iglesias se devem reunir freqüentemente para compenetrar-se, Talvez não estejamos acostumados a isto, mas depois de começar a praticar a compenetração umas quantas vezes, nós gostaremos. Esta é o que mais ajuda para guardar a unidade

do Corpo universal de Cristo. Hoje é muito fácil compenetrar-se por esta idade moderna com suas comodidades modernas. Quando nos compenetramos, temos a cruz e o Espírito. Sem a cruz e sem o Espírito, só temos a carne e as divisões. Não é fácil ser crucificados nem atuar pelo Espírito em nós mesmos. Por isso devemos aprender a nos compenetrar. A compenetração requer a aplicação da cruz. A compenetração requer que nos expressemos pelo Espírito para ministrar a Cristo e para fazê-lo tudo pelo sim de Seu Corpo.

Talvez nos reunamos sem muita compenetração porque todos ficam em si mesmos. Têm medo de ofender a outros e de equivocar-se, assim que ficam calados. Isto é atuar conforme ao homem, conforme à carne. Quando nos reunimos, devemos experimentar a obra aniquiladora da cruz. Logo devemos aprender a seguir ao Espírito, a ministrar a Cristo e a expressar algo e atuar pelo sim do Corpo. Isto trocará todo o ambiente da reunião, e temperará o ambiente. A compenetração não consiste em estar em silêncio nem em falar muito a não ser em ser equilibrados. Podemos estar em harmonia, porque fomos temperados. Com o tempo, todas as distinções desaparecerão. Todos temos que pagar um preço para pôr em prática a compenetração.

Um grupo de anciões talvez se reúna freqüentemente sem compenetrar-se. Compenetrar-se significa que você é afetado por outros e que outros afetam a você. Mas deve tocar a outros de modo compenetrado. Passe pela cruz, atue pelo Espírito, e faça-o tudo para ministrar a Cristo pelo sim de Seu Corpo. Não devemos assistir a uma reunião de compenetração para estar em silêncio. Devemos nos preparar para falar pelo Senhor. O Senhor talvez o use a você, mas você precisa ser equilibrado e receber a aplicação da cruz, e aprender a seguir ao Espírito para ministrar a Cristo pelo sim do Corpo.

Quando eu logo que tinha vinte e sete anos de idade, levantou-se uma igrejas em meu povo natal. Aprendi a fazê-lo tudo por meio da cruz e pelo Espírito para ministrar a Cristo pelo sim de Seu Corpo. Posto que estava jovem, fiz a oração do Salomón: "Senhor, me dê a sabedoria para que possa sair e entrar entre Seu povo" (2 Cr. 1:10), e o Senhor me respondeu. Através dos anos, aprendi a me compenetrar com os Santos.

2. A compenetração não é algo social

Esta compenetração não é algo social, a não ser a compenetração do próprio Cristo a quem os membros, as Iglesias nos distritos, os colaboradores e os anciões desfrutam, experimentam e de quem participam.

3. Para que seja edificado o Corpo de Cristo, o qual terá sua consumação na Nova Jerusalém

A compenetração tem como fim que seja edificado o Corpo universal de Cristo (Ef. 1:23), o qual terá sua consumação na Nova Jerusalém (Ap. 21:2), a meta final da economia de Deus conforme a Seu beneplácito (O.. 3:8-10; 1:9-10).