PERMANECER NO ÚNICO MINISTÉRIO NEOTESTAMENTARIO DA ECONOMIA DE DEUS SUJEITOS A DEVIDA LIDERANÇA NO MOVER DE DEUS

I. ABANDONAR O MINISTÉRIO É CONTRÁRIO A GUARDAR A PALAVRA

Permanecer no ensino dos apóstolos, o ministério neotestamentario

Paulo, em suas epístolas, especialmente em 2 Timoteo, falou a fundo da degradação da igrejas. Disse que todos os que estavam na Ásia lhe voltaram as costas (2 Ti. 1:15). Isto significa que as  iglesis que Paulo estabeleceu na Ásia lhe voltaram as costas. Os Santos nessas Iglesias não abandonaram a Paulo como pessoa; mas sim, separaram-se de seu ministério neotestamentario, do ensino dos apóstolos que ele lhes pregava. Eles abandonaram por completo o que Paulo lhes tinha pregado, o que lhes tinha ministrado, o que lhes tinha ensinado e o que lhes tinha mostrado. O que passou primeiro na degradação da igrejas foi que voltaram as costas ao ensino dos apóstolos. Se a todos os que estamos nele restauração do Senhor hoje não nos interessasse mais o ensino dos apóstolos pregada por ele irmão Watchman Nee e por mim, a igrejas e ele restauração do Senhor se degradariam. Permanecer no ensino dos apóstolos é uma graça enorme. (Como ser um colaborador e um ancião e como cumprir com seus deveres, pág. 44, Witness Lê)

Em 2 Timoteo 1:15 Paulo diz: “…Têm-me voltado as costas todos os que estão na Ásia”. a Ásia era uma província do Império Romano na Ásia Menor, um lugar muito longe de Roma; Paulo estava encarcerado em Roma, de onde escreveu esta epístola ao Timoteo. Quando Paulo afirmou que todos os que estavam na Ásia lhe tinham voltado as costas, isso não significa que eles o tivessem abandonado como pessoa, pois ele se encontrava muito longe deles. Em lugar disso, o que este versículo quer dizer é que todos eles abandonaram do ministério dele  .Entre as Iglesias da Ásia estava a igrejas em Éfeso, a qual tinha sido estabelecida por ele. A Segunda Epístola de Ao Timoteo foi escrita pelo ano 68 d. do C. Trinta anos depois, o Senhor usou ao Juan para dar continuação a Sua revelação divina. O Senhor, pois, retornou a todas as Iglesias na Ásia que lhe tinham voltado as costas a Paulo. Por haver-se afastado do ministério de , as Iglesias na Ásia foram declinando cada vez mais até cair em uma situação de completa degradação. A degradação das Iglesias na Ásia, tal como nos relata em Apocalipse 2 e 3, ocorreu devido a elas abandonaram o ministério apropriado. Esta degradação se iniciou ao perder eles seu primeiro amor para o Senhor, o qual aconteceu em Éfeso (2:4), e culminou em um estado de trevas espiritual (3:16), quer dizer, em uma situação em que Cristo estava ausente. O Senhor, quem é a Cabeça da igrejas, encontrava-se fora da igrejas degradada, chamando a sua porta (3:20). Nas sete epístolas mencionadas em Apocalipse 2 e 3, a característica que mais se destaca na degradação das Iglesias era que preponderavam três tipos de ensinos: o ensino do Balaam, um profeta gentil (2:14,la) ensino dos nicolaítas, que propugnava o estabelecimento de uma hierarquia (V. 15), e o ensino de uma mulher, uma presunsoza profetiza, chamada Jezabel, a qual estava cheia de heresias e de fornicação (V. 20). Estas três tipos de ensinos se infiltraram nestas Iglesias devido a que elas tinham abandonado o ensino do apóstolo. por que a cristandade tem caido em tal degradação? Devido a eles se abandonaram do ensino do apóstolo. É por isso que os diferentes ensinos foram introduzidos na igrejas. Em 1 Timoteo 1:3 e 6:3, Paulo advertiu contra ensinar coisas diferentes. Os Santos deviam ensinar conforme com o ensino de . Aqueles que estavam na Ásia abandonaram completamente do ensino de , e o resultado foi que eles receberam três tipos de ensinos heréticos, ou seja: o ensino do Balaam, que os conduziu a adorar ídolos; o ensino dos nicolaítas, que os conduziu a estabelecer certas hierarquias, inclusive o sistema papal; e o ensino do Jezabel, que acrescentou a fermento de coisas pagãs, heréticas e malignas à flor de farinha, a qual representa a Cristo mesmo (MT. 13:33). Todo isso se introduziu na igrejas devido a que se abandonou o ensino apropriado. Trinta anos depois de que Paulo escrevesse sua epístola ao Timoteo, estas Iglesias tinham alcançado tal ponto de degradação. Vemos, pois, quão perigoso é deixar ou abandonar o ensino do apóstolo, isto é, a revelação apropriada recebida pelo apóstolo.Nestas sete epístolas, vemos que o Senhor intervém para julgar a aquelas Iglesias que tinham caido em degradação. Seus olhos são como chama de fogo (Ap. 1:14) com os quais Ele observa, esquadrinha e ilumina, e de Sua boca sai uma espada aguda de dois fios (V. 16), que representa Sua palavra, a qual discerne, julga e aniquila (Hei. 4:12; Ef. 6:17). Aquelas Iglesias abandonaram da palavra apropriada, pelo qual o Senhor veio a elas com esta palavra a fim das julgar. Vemos além que os pés do Senhor eram semelhantes ao bronze brunido depois de fundido em um forno (Ap. 1:15). Sabemos que o bronze representa o julgamento divino (Éx. 27:1-6). Assim, pois, o fato de que o Senhor viesse a estas Iglesias deste modo concorda com o fato de que elas abandonaram o ensino do apóstolo e tivessem adotado outros ensinos que diferiam das do apóstolo.

Uma destas Iglesias era única, e foi grandemente elogiada pelo Senhor: a igrejas na Filadelfia. O Senhor a elogiou muito e inclusive mostrou grande avaliação por ela devido a que eles guardaram Sua palavra (Ap. 3:8). Isto quer dizer que eles não abandonaram do ensino do apóstolo, o ensino apropriado. Embora eles eram débeis, o Senhor os elogiou muito, lhes dizendo que embora tinham pouco poder, eles tinham guardado Sua palavra.

Apartar-se do ensino apropriado é desastroso, e isso redunda em degradação e na adoção de outros ensinos. Digo isto com advertência para aqueles queridos Santos que se recusão a seguir o caminho novo que lhes foi apresentado. Rechaçar a revelação apropriada, o ensino apropriado, que é ministrada por aqueles que lideram entre vocês, é algo muito perigoso. Isso equivale a abrir portas a outros ensinos e a sofrer degradação. Espero que nenhum dos que formam parte das Iglesias na restauração do Senhor siga os passos das Iglesias na Ásia, que se separaram do ministério de . Em lugar disso, espero que sigamos o exemplo da igrejas na Filadelfia, quer dizer, que guardemos a palavra do Senhor, embora só tenhamos pouco poder. Guardemos, pois, a palavra do Senhor; isto equivale a perseverar no ensino dos apóstolos, a perseverar nas sãs palavras, a permanecer sob a revelação única que procede do Senhor e sob a liderança apropriada. Só então estaremos seguros. (Elders’ Training, Book 7: One Accord for the Lorde’s Move [Adestramento de anciões, livro 7: A unanimidade requerida para o mover do Senhor], págs . 128-130, Witness Lê)

Ser nutridos e bentos ao seguir o ministério

 Paulo e Timoteo nos provêem um modelo excelente. Como assinalamos, Paulo pediu ao Timoteo que expusera “estas coisas aos irmãos”, refirindo às coisas de que tinha escrito nesta epístola. Não obstante, antes de poder as expor a outros, Timoteo devia nutrir-se primeiro com elas, quer dizer, tinha que as digerir, as assimilar e permitir que elas saturassem seu interior. Só então ele poderia as expor aos irmãos. Hoje em dia devemos seguir o exemplo do Timoteo e expor aos Santos as coisas com as quais o Senhor nos nutriu por meio do ministério. Quão maravilhosa seria a vida de igrejas se todos fizéssemos o mesmo! Entretanto, se nos separarmos do ministério e procuramos produzir algo diferente, é provável que demos lugar a ensinos diferentes. Timoteo não tinha o menor interesse em ensinar algo distinto do que ensinava Paulo; ao contrário, seu desejo era expor aos irmãos o que tinha recebido de .

Agora, queria lhes compartilhar um pouco de qual foi meu encargo com respeito à publicação das mensagens de estudo-vida. O objetivo destas mensagens é o de produzir mantimentos para as Iglesias locais. Meu encargo não consiste principalmente em “cozinhar” estes mantimentos espirituais, a não ser produzi-los e ministrá-los às Iglesias, a fim de que cada igrejas local seja como um supermercado bem abastecido, cheio de toda tipos de mantimentos nutritivos. Se os que tomarem a dianteira na igrejas local expõem aos Santos as riquezas contidas nos estudos-vida, eles serão nutridos ricamente. recebi muitas cartas, nas que se dá testemunho disto.

Um fato que comprovamos na história da restauração do Senhor é que toda igrejas que continua o ministério é uma igrejas fortalecida e benta. Por outra parte, aquelas Iglesias que não deram importância ao ministério, e em vez disso tentaram fazer algo próprio, afundaram-se no fracasso. Não obstante, ao dizer isto, quero deixar muito claro que de maneira nenhuma insisto em que as Iglesias ou os Santos leiam as mensagens de estudo-vida. Meu encargo, repito-lhes uma vez mais, é a de “produzir mantimentos”. As Iglesias e os Santos têm liberdade para usá-los ou rechaçá-los. Mas se os Santos desprezam o alimento que se encontra nestas mensagens, pergunto-me então do que vão se alimentar. Nós somos o que comemos. Se nos alimentarmos dos “mantimentos” que se produzem na religião de hoje em dia, deveremos formar parte da religião. me permitam lhes dizer com toda franqueza e sinceridade que os irmãos que tomam a dianteira nas Iglesias devessem nutrir-se destas coisas” e logo as expor aos Santos para que estes sejam nutridos. (Estudo-vida de 1 Timoteo, págs. 70-71, Witness Lê)

II. FALAR UMA MESMA COISA SEGUNDO O GOSTO DESENVOLVIDO NA RESTAURAÇÃO DO SENHOR

Falar uma mesma coisa

Estamos aqui em pró da restauração do Senhor. Eu não estou aqui fazendo minha própria obra, nem vocês tampouco estão fazendo a sua. Todos nós levamos um mesmo testemunho e todos temos sobre nossos ombros “as travessas” que sustentam à “arca”. Posto que todos levamos este único testemunho, todos devemos falar o mesmo (1 CO. 1:10). No entanto, o que se fala em certos lugares leva aos Santos em uma direção que os conduz a apartar da restauração do Senhor. Talvez as coisas que eles ensinam não sejam erradas, nem se oponham às Escrituras. Pode ser que o que eles ensinam seja correto e bíblico, mas com o tempo, fará que os Santos sigam uma direção equivocada.

Se todos partirmos retamente alcançaremos a meta devida. Mas se nos desviamos um pouco, ao final a meta que alcancemos será muito diferente à meta que a restauração do Senhor se fixou. Inclusive, depois de breve tempo, surgirão problemas dentro da restauração, devido à maneira em que alguns apresentam certos tema bíblicos, ou seja, devido às “boas mensagens” que eles impartem. E embora talvez o que eles comunicam não seja errôneo, pode ser que alguns sejam desviados a seguir um caminho equivocado. Se este for o caso, com o tempo, isto chegará a ser um problema para toda a restauração.

A restauração não é simplesmente um assunto local. Embora, a restauração está presente em uma igrejas local, o mesmo é universal. Se vocês fizerem que outros sigam um caminho que está longe de que tomada a restauração, então haverá dois caminhos: a direção que leva a restauração em sua totalidade, e a direção que se leva em sua localidade. Se seu ensino fizer que os Santos sejam conduzidos em outra direção, pode ser que alguns a recebam, mas muitos dos que conformam a restauração do Senhor a rechaçarão. Eles não se “tragarão” seus ensinos.

Por experiência sabemos que aquele que professa um ensino diferente é o primeiro em ser sacrificado. Isto quer dizer que, se você repartir outro ensino, corre o risco de sacrificar-se a si mesmo, e não à restauração. Todos nós devemos praticar o que Paulo disse ao Timoteo: “Como te exortei, ao ir a Macedônia, a que ficasse em Éfeso, para que mandasse a alguns que não ensinem coisas diferentes” (1 Ti. 1:3). Em lugar de ensinar coisas diferentes, todos devemos falar o mesmo.

Posto que sou eu quem repartiu as mensagens do Estudo-vida, é um pouco incômodo para mim comentar a respeito deles. Entretanto, devo dizer que a restauração do Senhor seguiu adiante graças ao ministério. Se o ministério não tivesse chegado a este país, a restauração não seria tão prevalecente. A restauração chegou por meio do ministério, e se manteve em virtude do ministério. Então, se você falar coisas diferentes do ministério, certamente, a restauração não seguirá esse ensino. Você está sonhando se pensar que a restauração em sua totalidade terá que seguir um ensino que seja diferente a que se ministra no ministério. Assim, se você falar coisas diferentes, excluirá-se a si mesmo devido a suas próprias palavras. Ninguém o excluirá, mas sim você se excluirá a si mesmo em virtude de seu próprio ensino, conceito e atitude. Sem lugar a dúvidas, toda igrejas local possui sua própria jurisdição. Mas, ensinamos enfaticamente que nenhuma igrejas local é o Corpo de Cristo; todas as Iglesias locais em conjunto conformam o único Corpo. Por esta razão, o que acontece em um lugar afetará a outros; isto é, o que você faça em sua localidade terá um determinado efeito nas outras localidades. As notícias circulam rapidamente de um sítio a outro. Além disso, pode ser que os Santos que hoje vivem em sua localidade, mais adiante se mudem a outra.

Aqueles que ensinam coisas diferentes jamais poderão fazer que cesse o ministério na restauração do Senhor. O ministério introduziu a restauração neste país, e ainda o continua sustentando. Como é possível que o ministério receba ensinos que causam dissensão? Aqueles que ensinam coisas diferentes conduzem problemas, primeiro, para eles mesmos, logo para alguns outros, e finalmente para toda a restauração. Eles causarão dano a outros, e logo danificassem à restauração. Os que ensinam coisas diferentes serão responsáveis por tal prejuízo.

Todos devemos considerar o que ministramos, pregamos e ensinamos. Isto significa que devemos cuidar de todas as Iglesias. Diante do Senhor, posso declarar que isso foi o que pus em prática quando estava na China, e continua sendo o que pratico hoje. Quando estava na China, ao ministrar a palavra em certa localidade, perguntava-me como o que eu dizia poderia afetar às outras Iglesias. Perguntava-me: “Ocasionará isto um problema para as Iglesias? Que efeito terá nelas? Poderá aceitá-lo toda a restauração?”. Dava-me conta de que se não submetia a tais considerações tudo que ia dizer, eu poderia causar problemas. Poderia dizer algo que a restauração em sua totalidade não receberia. Poderia falar algo que outros rejeitariam , pois isso seria contrário ao gosto que tinham desenvolvido.

O gosto particular desenvolvido pelo ministério

assim como as pessoas desenvolveram gostos diferentes com respeito à comida, os que conformam a restauração do Senhor também desenvolveram certo gosto pelo ministério que veio edificando à restauração durante todos estes anos. assim, os que participam da restauração foram criados com certo gosto pelo ministério. Aqueles que vieram adquirindo tal gosto, rejeitão todo outro sabor. Isto quer dizer que se suas palavras trouxerem consigo um sabor que é contrário ao sabor característico da restauração do Senhor, tais palavras serão rechaçadas, e você será o primeiro em sofrer perda. No passado vimos uma série de exemplos a respeito.

Em 1964 convidei a certo irmão para que desse uma mensagem diária durante um treinamento. Seu ensino era muito bom, do contrário, nunca lhe tivesse pedido que compartilhasse junto comigo nesse treinamento. Entretanto, o que falou era contrário ao gosto dos Santos. Um irmão me comentou que o ensino desse irmão era muito filosófica. Isto mostra que, apesar de que a restauração tinha estado neste país apenas dois anos, os Santos já tinham adquirido um gosto pela vida divina.

Com respeito a este assunto, é inútil argüir sobre quem está no correto e quem está equivocado. O que aqui queremos recalcar é que os Santos desenvolveram certo gosto e rechaçam tudo o que seja distinto ao mesmo. me permitam lhes dar um exemplo para explicar o que quero dizer com respeito a possuir certo gosto pelo ministério na restauração do Senhor. Em uma ocasião, animei a um irmão a que provasse um prato chinês preparado com pepino de mar, pois eu gostava de muito. Embora este prato tenha sido preparado por um perito cozinheiro e apesar de que eu estava recomendando-lhe o irmão se negou a comê-lo, porque era contrário a seu gosto culinário. Do mesmo modo, pode ser que lhe pareça que suas palavras são muito boas, mas possivelmente elas não se conformem ao gosto que desenvolvemos na restauração. Se você for sábio, conhecerá o gosto que desenvolveram aqueles que conformem sua audiência. Todas as Iglesias na restauração surgiram por meio do ministério, e os Santos estiveram “alimentando-se” deste ministério por muitos anos e desenvolveram certo gosto pelo mesmo. Se agora você, apesar de que nenhuma igrejas foi levantada devido a seus ensinos, pretende “lhes servir” aos Santos algo que difere do ministério, algo diferente do que lhes gosta, então você estará metendo-se em problemas. Tal como um pai se busca um problema com seus filhos quando lhes obriga a comer algo que não gostam, você se estará metendo em problemas se espera que os Santos “comam” algo que é contrário ao gosto que eles desenvolveram na restauração do Senhor.

Aqueles que ensinam coisas diferentes não atuam sabiamente, pois desconhecem o ambiente, a situação e a condição da restauração do Senhor. A restauração do Senhor surgiu que uma maneira muito particular. Os irmãos que ensinam algo diferente, em realidade estão tratando de introduzir elementos faraonicos; estão procurando inserir uma partícula foraonico no “corpo” da restauração. A restauração não aceitará nenhuma tipos de elemento faraonicos. Como já recalcamos enfaticamente, isto se deve a que os Santos desenvolveram certo gosto.

Embora a restauração não é controlada por pessoa alguma, sim é regulado por um fator, o qual é o gosto que desenvolveram aqueles que conformam a restauração. Os que conformam a restauração desenvolveram certo gosto peculiar devido a que possuem certa vida que receberam ao nascer. assim como um ser humano ao nascer, nasce com uma vida que lhe confere certos gostos, a vida que deu origem à restauração do Senhor possui seus próprios gostos particulares. Este gosto que se desenvolveu em quem conforma a restauração do Senhor, é o fator que regula à restauração. Ninguém poderá prevalecer sobre este fator regulador. Se você tratar de prevalecer sobre o mesmo, será derrubado. Isto quer dizer que você se derrubará a si mesmo, e por conseguinte, isolará-se da restauração do Senhor.

Eu não insisto em que todas as Iglesias usem as mensagens do Estudo-vida. Entretanto, queria fazer notar que este ministério trouxe a restauração a este país e após não deixou que fortalecê-lo e nutri-lo. A restauração cresceu em virtude da “comida” provida por este ministério. Agora é impossível para os Santos trocar de gostos. Se você tenta fazer que o gosto dos Santos troque, estará atuando neciamente, estará perdendo seu tempo e só ocasionará prejuízos. Se você pensar que seu ensino é superior a da restauração do Senhor, devesse servir sua “comida” só a aqueles que têm apetite por ela. É provável que aqueles que cresceram comendo certos mantimentos ocasionalmente queiram provar algo diferente; mas a longo prazo, em sua vida diária, eles comerão aquilo que se conforma a seu gosto e rechaçarão o que seja contrário ao mesmo.

Posto que esta é a situação entre os Santos na restauração do Senhor, devemos ser sábios e aprender as verdades básicas para depois poder ministralas, as servir, aos Santos. Se fizermos isto, todos estarão felizes e desfrutaremos de uma situação aprazível, não somente entre os Santos individualmente, mas também entre as Iglesias mesmas, assim como entre as Iglesias e o ministério.

A natureza do ministério do Novo Testamento

Se você pode ministrar uma mensagem que harmonize com o gosto desenvolvido na restauração do Senhor, sem usar para isso as mensagens do Estudo-vida, isso seria maravilhoso. Tais mensagens seriam benéficas para a restauração. As mensagens que correspondem ao gosto desenvolvido na restauração, em realidade, formam parte do ministério do Novo Testamento. Ninguém deve pensar que unicamente o que eu ministro é o ministério do Novo Testamento. Certamente, o que Paulo ministrava era o ministério do Novo Testamento. Martín Lutero, igualmente, ministró parte de este ministério. Do mesmo modo, muitos de nós ministramos o ministério do Novo Testamento.

É imprescindível que tudo que ministremos seja da mesma natureza da do ministério neotestamentario. A fim de determinar se um ministério em particular forma parte do ministério neotestamentario, devemos tomar em consideração três princípios reitores: primeiro, o princípio segundo o qual o Deus Triuno processado e consumado se ministra em Seu povo escolhido; segundo, o princípio representado por Cristo e a igrejas; e terceiro, o princípio representado por Cristo, o Espírito, a vida e a igrejas. Se seu ensino pode acontecer este triplo exame, então seu ensino forma parte do ministério neotestamentario. Todo ministério que forme parte do ministério neotestamentario será bem recebido pelos Santos que conformam a restauração do Senhor. Entretanto, qualquer outro ministério unicamente conduzirá problemas para a restauração. (Elders’ Training, Book 3: The Way to Carry Out the Vision [Adestramento para anciões, livro 3: A maneira de levar a cabo a visão], págs. 127-132, Witness Lê)

 

III. ENSINAR COISAS QUE DIFEREMDO MINISTÉRIO ÚNICO DA ECONOMIA DE DEUS, CRIAR DIVISÃO E DESTRUIR A RESTAURAÇÃO

Ao longo dos vinte séculos da história da igrejas, todas as divisões, confusões e problemas que surgiram entre os cristãos se deveram a algum ministério. Tudo o que um ministre terá um determinado efeito. Se ministra costure celestiales, algo celestial será produzido; se ministra costure terrestres, com segurança, o resultado será algo terrestre. As numerosas divisões e confusões que existem entre os cristãos hoje em dia se originam em algum ministério. Por exemplo, a denominação ou divisão presbiteriana foi produzida pelo ministério que gira em torno do assunto do presbitério. A divisão dos batistas surgiu a causa do ministério que promove o batismo por imersão. Todos os diferentes grupos cristãos procedem dos diferentes ministérios. Um ministério é, principalmente, um ensino. Por conseguinte, devemos nos dar conta de que o ensino que ministra um cristão sempre ministrará algo em particular. Pode ser que ministre algo correto ou incorreto, um pouco elevado ou um pouco não muito elevado, mas um ensino sempre produz algo. assim, devido a seu ensino produz algo, tal ensino pode considerar-se um ministerio. O ministério, segundo o conceito bíblico, equivale a servir algo às pessoas, de maneira muito parecida com como o garçom de um restaurante serve distintos pratos de comida às pessoas. Ministrar é servir algo a outros, ou seja que não se prega, nem se ensina ou fala, sem servir algo a alguém. assim, é possível que certo ministro dê uma mensagem de uma hora e, ainda assim, não ministre nada às pessoas. Isto quer dizer que com respeito a Cristo, esse ministro não ministró nada, embora com respeito aos fatos esse ministro sim ministró algo. O que ministró a outros foi um pouco errado, algo mau ou, simplesmente, algo deficiente. Espero que todos nos precavamos de que ao ministrar um pode gerar problemas, produzir divisões ou causar confusão.

Não ensinar coisas diferentes

É por este motivo que Paulo, depois de muitos anos de trabalhar com seus colaboradores e ao enfrentar um meio no qual imperava a confusão, teve que escrever sua primeira epístola ao Timoteo. Esta epístola em sua totalidade é uma vacina.depois de que a igrejas cristã foi estabelecida, muitas substâncias venenosas, uma atrás de outra, foram-lhe injetadas. Assim, Paulo, ao final de seu ministério, em seus últimos escritos, escreveu 1 Timoteo para vacinar à igrejas contra tais venenos. Entretanto, ao dar início a sua epístola, Paulo não parecia estar abordando um tema de tão graves conseqüências: “Como te exortei, ao ir a Macedônia, a que ficasse em Éfeso, para que mandasse a alguns que não ensinem coisas diferentes” (1:3). Esta frase “que não ensinem coisas diferentes” parece ser uma frase muito simples. Se você se limitar a ler esta frase, não perceberá quão sério é ensinar coisas diferentes. Possivelmente não pensemos que isto seja algo muito grave, mas em realidade este é um assunto sério em extremo, posto que ao ensinar coisas diferentes matamos às pessoas. Ensinar coisas diferentes é algo que derruba o edifício de Deus e anula a economia de Deus em sua totalidade. Todos nós temos que nos precaver de que inclusive ao ensinar coisas diferentes em pequena medida, estamos destruindo a restauração. Existe um provérbio que diz assim: “Uma frase pode tanto edificar à nação como destrui-la por completo”. Não é necessário que para isso você dê mensagens inteiras. Basta com que você faça uma afirmação na qual você comunique a outros seus próprios conceitos, para que isso derrube todo o edificado. Temos que nos precaver de que esta tipos de ministério é “nefasto”. assim, suas palavras podem edificar ou derrubar. É possível que suas palavras destruam, matem e anulem.

                                                                  O único ministério

 

Como vimos, em 1 Timoteo 1:3 Paulo recorda ao Timoteo que o tinha deixado em Éfeso para que mandasse a alguns que não ensinassem coisas diferentes. portanto, podemos nos perguntar: qual é, então, quão único todos os mestres cristãos deveriam ensinar? Hoje em dia, os mestres cristãos certamente ensinam muitas coisas, tais como o presbitério, o batismo por imersão, os métodos episcopais, a santidade, como pregar o evangelho e a maneira de ensinar a Bíblia. Certamente todos estaríamos de acordo em que ensinar os princípios do judaísmo é errôneo, mas o que diríamos a respeito de ensinar como pregar o evangelho? O que tem que mau em pregar o evangelho? Temos que nos dar conta de que inclusive o ensino respeito a como pregar o evangelho cria divisão. assim, isto também é errôneo. Há um só ministério que sempre edifica e aperfeiçoa, sem conduzir consigo destruição alguma. Somente existe um ministério único, o qual é justificado, recomendado, exaltado, e inclusive, glorificado no Novo Testamento. Em 1 Timoteo 1:4 Paulo diz ao Timoteo no que deveriam ocupá-los que ensinavam coisas diferentes, eles deviam ocupar-se na economia de Deus. Como resultado de algumas conversações que tive com alguns de vocês, irmãos, senti em mim um profundo encargo e decidi rapidamente convocar a esta reunião para este adestramento. Não queria ver a restauração destruída pelo fato de que alguns ensinem coisas diferentes. depois de conversar com alguns de vocês fiquei assombrado por um fator terrível. Precavi-me de que alguns de vocês foram ensinar coisas diferentes que causariam problemas e divisões. Somente há oun ministério que sempre edifica e jamais destrói: o ministério da economia de Deus.

Temos que nos perguntar, o que tinha que mau em ensinar conforme ao judaísmo em tempos do apóstolo? depois de tudo, não é o mesmo que ensinar budismo ou gnosticismo. Ensinar conforme ao judaísmo é ensinar conforme à a Santa Palavra do Antigo Testamento. Alguém pôde lhe haver dito ao apóstolo Paulo: “O que tem que mau ensinando a lei? Estou ensinando princípios bíblicos”. Pode haver algo de mau em ensinar às pessoas a Bíblia, em lhes ensinar teologia, ou em lhes ensinar como pregar o evangelho? Não há nada de mau nisso, mas temos que nos dar conta de que esta tipos de ensino produz divisão. Em 1 Timoteo Paulo não deu a entender que os que ensinavam coisas diferentes estivessem ensinando heresias ou coisas pagãs. Se eles tivessem ensinado coisas pagãs, não teria havido cristão algum que aceitasse tais ensinos. A razão pela qual os ensinos destas pessoas tinham tanta acolhida era que se tratavam de temas bíblicos baseados nos trinta e nove livros do Antigo Testamento. Naquele tempo, o Novo Testamento ainda não existia. assim, a única Palavra Santa com a que eles contavam era a do Antigo Testamento. Estas pessoas que ensinavam coisas diferentes poderiam ter pensado: “Se você não me permite ensinar o Antigo Testamento, então, o que vou ensinar? Eu estou ensinando coisas válidas e bíblicos”. Tais ensinos, entretanto, criavam divisões. Acaso há algo de mau em estabelecer missões e em enviar missionários? Temos que nos dar conta de que não se trata de determinar se estiver bem ou mau fazer algo, mas sim de entender que ao fazer tais coisas “esquartejamos o Corpo de Cristo”. Por um lado, enviar missionários para conduzir às pessoas a Cristo pode parecer algo muito positivo; entretanto, quão único isto consegue é esquartejar o Corpo de Cristo. Devemos ser cuidadosos porque é possível que inclusive nós mesmos nos encontremos fazendo isto. É possível que alguns de nós insistamos em algo bíblico, e recalquemos e enfatizemos algo que parece correto, mas na prática quão único conseguimos é esquartejar ao Corpo de Cristo. Isso divide à restauração. portanto,temos que ser cuidadosos. assim, reuni-os devido a que pude detectar o que há no coração das pessoas em apóie a sua atitude e ao espírito que manifestam ao falar. Temo que algumas ensinos diferentes estejam a ponto de ser propagadas entre nós.

O ministério do Novo Testamento

A única maneira em que podemos ser resguardados na restauração é permanecer no único ministério. Se dissermos que somos partícipes da restauração e, ainda assim, ensinamos outras coisas com tanta ligeireza e, inclusive, de uma maneira velada, isso certamente difere da economia de Deus e estaremos semeando a semente que dará como fruto a divisão. portanto, a única maneira de ser resguardados na unidade eterna é ensinar o mesmo conforme com a economia de Deus. Esta tipos de ensino se chama o ministério do Novo Testamento, o ministério do novo pacto. O ministério do novo pacto consiste unicamente em ministrar ao próprio Deus Triuno, quem passou por um processo a fim de que Ele seja ministrado a Seus escolhidos como vida e como fornecimento de vida para produzir aos membros de Cristo e assim formar o Corpo para expressar ao Deus Triuno. Nisto consiste a economia do Novo Testamento. Ensinar qualquer outra coisa, mesmo que sejam coisas boas e bíblicas, que se à parte embora seja um pouco da economia divina do Novo Testamento, redundará em divisões as quais serão muito úteis a nosso sutil inimigo, o maligno. portanto, é imprescindível que estejamos alerta. (Elders’ Training, Book 3: The Way to Carry Out the Vision [Adestramento para anciões, livro 3: A maneira de levar a cabo a visão], págs. 41-46, 48-49, Witness Lê)

As divisões provêm dos diferentes ministério

Devemos entender claramente que o fundamento de todas as denominações e o fator que produz cada denominação, são seus ministérios particulares. Se hoje em dia todos os cristãos estivessem dispostos a que o Senhor os tire seus diferentes ministérios, todos eles seriam um. O fator básico que produz todas as divisões, a verdadeira raiz delas, são os diferentes ministérios. Estes ministérios diferentes podem ser muito sólidos, e inclusive podem ser bíblicos, mas Paulo se referiu a eles como algo que se introduzia às escondidas durante os tempos em que escreveu Gálatas 2 (V. 4, lit.). Já nos tempos disto Era algo que se infiltrava na igrejas. Um ministério de outra natureza tentava infiltrar-se enquanto Paulo, Pedro e Tiago estavam ali. Em 1 Timoteo 1 Paulo encarregou ao Timoteo que ficasse em Éfeso para ocupar-se de uma só coisa: que mandasse a alguns que não ensinem coisas diferentes, o qual quer dizer, não ensinar conforme a um ministério diferente (vs. 3-4). Naquele tempo, o ensino diferente era o ensino da lei. No Gálatas 2, aquilo que tentava infiltrar-se, era a lei.

Mais tarde, introduziu-se o ensino do gnosticismo. O gnosticismo era uma heresia, mas não pode dizer-se que ensinar algo do Antigo Testamento era uma heresia. Quanto a este assunto, devemos considerar cuidadosamente a situação como um todo. Paulo levava a cabo o ministério neotestamentario, e seu ministério seguiu o ministério do Pedro, o qual por sua vez era uma continuação imediata do ministério do próprio Senhor Jesus. Nos quatro Evangelhos, Jesucristo mesmo levou a cabo o ministério de Deus, e na primera parte de Hechos, Pedro continuó ese ministerio. Luego, en la segunda parte de Hechos, vemos el ministerio de Pablo, el cual fue una continuación del ministério do Pedro, o qual tinha como fim levar a cabo o ministério neotestamentario de Deus. Não obstante, quando os crentes judaizantes se voltaram fortes e ensinavam a lei, Pedro se voltou débil. Ele teve medo daqueles que vinham de parte do Tiago (Gá. 2:11-12). Isto também indica que Tiago era uma figura forte, com uma atitude forte quanto a tolerar o ensino da lei na era do Novo Testamento.

imaginam a Paulo encarando tal problema? Paulo estava encarando na Antioquia ao apóstolo número um, ao Pedro, assim como aos representantes do apóstolo mais influente, que era Tiago. Não foi nada fácil para Paulo confrontar tal situação. Ali havia dois grandes influencia, a do Pedro e a do Tiago. Pedro poderia lhe haver este a Paulo: “Quem é você Saulo do Tarso, se quando eu já pregava em Jerusalém, você ainda foi um jovem opositor? Quem te crie que é?”.

Além disso, Paulo estava enfrentando aos representantes do Tiago, um homem piedoso que orava tanto todos os dias, que inclusive se dizia que tinha os joelhos calejados de tanta oração. Tiago era reconhecido por sua perfeição piedosa e era um homem muito influente. Chegou a ser até mais influente que o primeiro grande apóstolo, Pedro. Inclusive o próprio Pedro temia pela grande influencia do Tiago. Na Antioquia, Pedro comia pacificamente com os gentis, mas quando alguns representantes do Tiago chegaram, Pedro se comportou hipócritamente, fingindo que jamais tinha comido com os gentis. Isto mostra quão grande era a influência do Tiago.

Paulo, sendo apenas um jovem apóstolo, que tinha aparecido depois do Pedro, confrontava tal situação. Sem lugar a dúvidas, era muito difícil para ele. Entretanto, por causa da verdade, Paulo não pôde tolerar essa situação; assim, simplesmente não permitiu que aquilo acontecesse. Ele cortou todos os ministérios diferentes. Fechou a porta para impedir que se infiltrasse qualquer ministério que fora diferente, e Deus honrou o que ele fez.

Segundo o Novo Testamento e de acordo com a história da igrejas, daí em adiante Pedro não voltou a jogar um papel importante na economia neotestamentaria de Deus, ao menos não como o fez nos primeiros doze capítulos de Atos. Este é um detalhe importante. Não muito tempo depois, no ano 70 d. do C., Deus destruiu Jerusalém (MT. 24:1-2), onde se apoiava a obra do Pedro assim como o lugar de onde irradiava a influência do Tiago. Jerusalém foi destruída totalmente, sem ficar pedra sobre pedra. Isto não só foi um julgamento sobre o Israel rebelde, mas também também a destruição do centro da obra do Pedro e da influência do Tiago. Entretanto, depois da destruição que teve lugar em 70 d. de C, o ministério e a influência de Permaneceram. Deus não permitiu que houvesse ministérios diferentes nem nenhuma outra fonte de influência.

Precisamos ver que este princípio seguiu vigente ao longo de toda a era cristã. Todos os problemas, divisões e confusiones provieram de uma só fonte, ou seja: a tolerância com respeito aos ministérios diferentes. Muitos mestres cristãos viram o perigo que representam os ministérios diferentes; entretanto, toleraram-nos. Certamente existiu este tipo de tolerância. Na restauração do Senhor não devemos estar tão confiados pensando que nunca pode ocorrer uma infiltração de ministérios diferentes. Ao contrário, devemos estar alerta, pois este perigo está por diante. Se não sermos vigilantes e nos voltamos descuidados, de uma ou outra maneira o inimigo utilizará qualquer meio ou maneira para infiltrar e introduzir ministérios diferentes, o qual terminaria com a restauração do Senhor.

Se observarmos a situação de hoje, daremo-nos conta de que há muitos ministérios diferentes, além deste único ministério neotestamentario. Se pudéssemos tirar todos os ministérios diferentes e deixar só o ministério único do Novo Testamento, todas as denominações, todos os grupos livres e todas as divisões, desapareceriam. Então não haveria nenhuma divisão nem confusão.

Todos devemos aprender esta lição sóbria e estar alerta para não nos desviar do ministério neotestamentario. Pois se fizermos algo novo, algo diferente, algo alheio a este ministério único, estaremos fosse assim que o que é a restauração do Senhor. Em realidade, a restauração do Senhor consiste em nos trazer de retorno ao ministério único do Novo Testamento. (Elders' Training, Book 1: The Ministry of the New Testament [Adestramento para anciões, livro 1: O ministério do Novo Testamento], págs. 14-16, 72, Witness Lê)

 

IV. LIÇÕES COM RESPEITO A UNIDADE DO MINISTÉRIO

 

Agora precisamos dedicar algum tempo para nos introduzir no ministério neotestamentario a fim de vê-lo desde o começo do Novo Testamento até o final do mesmo. É crucial que vejamos o que é o ministério neotestamentario. Já vimos que o ministério neotestamentario começou com João o Batista. Entretanto, não devemos considerar seu ministério como um ministério separado e individualista. O ministério de João o Batista formou parte do ministério neotestamentario; o mesmo foi um serviço neotestamentario, inclusive foi o primeiro serviço de este ministério. Para compreender o aspecto mais crucial de tal ministério, precisamos esquadrinhar o de uma maneira particular.

Quando consideramos como o Senhor avaliou o ministério de Seu predecessor no Mateus 11, podemos ver que inclusive aquele primeiro serviço, aquela primeira seção do ministério neotestamentario, era um ministério único. O ministério de arrependimento proclamado por João, quer dizer, o caminho de arrependimento, foi um ministério muito chamativo que riscou a linha entre o Antigo Testamento e o Novo. Este ministério marcou uma linha divisória na economia de Deus. Não obstante, o ministério de João não deve ser considerado como um ministério separado, independente e individualista. Se vocês tivessem este pensamento, converteriam-se naquilo que os Evangelhos chamam "discípulos de João".

 

A rivalidade que existia com respeito ao ministério do Senhor

 

Em Mateus 9 os discípulos de João lhe aproximaram do Senhor Jesus para lhe fazer uma pergunta, e ao fazê-lo, incluíram os fariseus (V. 14). Segundo Lucas 5, foram os fariseus quem lhe fez a pergunta (V. 33), e de acordo com o Marcos 2, parecesse que foram ambos, os fariseus junto com os discípulos de João, quem lhe perguntou ao Senhor (V. 18). antes daquele tempo, existia a seita dos fariseus, e havia outra, uma seita herética, composta dos assim chamados saduceos. Entretanto, para o tempo descrito no Mateus 9, inclusive os discípulos de João se converteram em outra seita. Com isto podemos observar que apenas dois ou três anos depois de que João iniciasse seu pregação, seu serviço já estava causando problemas e finalmente chegou a rivalizar com o ministério do Senhor.

Deus não desejava que o ministério de João se convertesse em um ministério separado. Conforme à intenção de Deus, o ministério de João era simplesmente o início do ministério neotestamentario, um ministério que recomendava e introduzia o ministério do Senhor. João definiu claramente o que era seu ministério (Jn. 1:23; 3:28-30), mas seus discípulos entenderam isto  de maneira equivocada, pois pensaram que seu mestre, João o Batista, era grande, e que seu ensino era único. Por tal razão, seguiram-no a ele e também seguiram seu ensino. Talvez foi de maneira inconsciente e sem intenção que eles chegaram a rivalizar com o ministério do Senhor. Finalmente, seu ensino se converteu em algo que substituía o ministério do Senhor.

É possível que nos custe trabalho reconhecer a soberania do Senhor nas coisas que aconteceram a João o Batista. Primeiro, Herodes encarcerou a João, e logo, devido a sua indulgência e luxúria, ele ordenou que João fora decapitado. Entretanto, devemos compreender que foi sob a soberania do Senhor que João foi encarcerado e inclusive decapitado. Certamente não quero dizer que o Senhor estivesse feliz ao ver joão na prisão e muito menos, que fora decapitado. Não obstante, devemos acreditar que Deus é soberano, e temos que considerar sobriamente qual foi a razão pela qual Deus permitiu que João fora encarcerado e finalmente decapitado.

O encarceramento e execução de João aconteceram devido a uma preocupação por outro ministério. Tanto o ministério de João como seus discípulos causaram certos problemas. Primeiro, Deus usou ao Herodes como o meio pelo qual deteve a pregação de João. Mas inclusive da prisão, João enviou a seus discípulos a interrogar ao Senhor Jesus. Imediatamente depois disso, João sofreu o martírio. Foi o acerto soberano de Deus pôr fim a aquilo que se estava gerado em torno de João naquele tempo. É obvio, esse fim não foi bom nem positivo.

O caso de João o Batista nos mostra que existe o perigo de que, apesar de que tenhamos recebido um ministério genuíno, um serviço autêntico de parte de Deus, pode ser que não estejamos dispostos a que este serviço chegue a seu fim. Este é um detalhe crucial. Deus pode usá-lo a você e pode me usar a mim. Ele pode nos usar em certo serviço com o objetivo de Seu propósito, mas depois de ter sido usados por Ele, é provável que não estejamos dispostos a aceitar que este serviço chegue a seu fim.

Este mesmo princípio pode aplicar-se no caso do Moisés. A narração quanto ao resplendor que aparecia no rosto do Moisés em Êxodo 34, não explica por que Moisés se cobria o rosto com um véu (vs. 30-35). Sem engreno, conforme à interpretação de Em 2 Corintios 3:13, Moisés temia que o povo visse a terminação de seu ministério. Não queria que vissem que o resplendor de seu ministério chegava a seu fim. Até no caso do Moisés houve uma preocupação pela terminação de seu ministério. Todos nos pomos felizes ao ser usados pelo Senhor em certo serviço, mas pode ser que nenhum de nós esteja de acordo com que este serviço chegue a seu fim. Foi esta tipos de problema que obrigou a Deus, quem é soberano, a permitir que João fora encarcerado e até a que perdesse a vida. Precisamos considerar este assunto cuidadosamente. Se Deus não tivesse permitido sob Sua soberania que as coisas acontecessem desta maneira, certamente o ensino de João teria sido levado a cabo por seus discípulos e isto teria causado um grave problema. Devemos aprender uma lição a respeito. Deus não permitirá que nenhum ministério nem nenhum serviço permaneçam em rivalidade com Seu ministério neotestamentario. O que aconteceu com João o Batista, esclareceu, de maneira soberana, toda a situação. Daí em adiante, o ministério do Senhor não teve rivais, embora certamente teve oposição. Em comparação com a rivalidade, a qual é difícil de combater, é bastante fácil lutar com a oposição.

Deus tolerou a oposição de parte dos fariseus durante um tempo mais largo, ao menos até o ano 70 d. do C., quando Jerusalém foi destruída. O Senhor incluso tinha profetizado a respeito de que por causa da oposição deles, de seu rechaço para Ele, não ficaria pedra sobre pedra do templo. Também indicou que o templo de Deus tinha chegado a ser a casa deles, porque eles mesmos o tinham convertido em uma cova de ladrões (MT. 24:1-2; 23:28). O Senhor tolerou tal oposição durante alguns anos, mas não pôde tolerar a rivalidade. João imediatamente foi posto na prisão e lhe tirou a vida. Devemos aprender a lição apresentada neste caso; este assunto está relacionado com a soberania do Senhor.

A continuação do ministério neotestamentario por meio do Pedro

depois de João o Batista, o Senhor Jesus continuou com o ministério neotestamentario e cumpriu cabalmente com essa parte do ministério. Posteriormente veio o dia do Pentecostés. Naquele dia Pedro era forte e puro em todo aspecto. Nos capítulos do dois aos cinco de Atos, podemos ver um homem jovem, de provavelmente uns trinta anos, limpo e puro em todo aspecto com relação a suas intenções, desejos, motivação, coração, espírito e entendimento. Ao Pedro não interessava nada além do ministério do Senhor, nem sequer sua própria vida. Nesse tempo, não havia nele nenhum problema.

 

Pedro e a maneira antiguotestamentaria

Entretanto, em Atos 10, a atitude do Pedro lhe causou um problema a Deus, dita atitude perturbou a Deus. No Mateus 16 o Senhor disse ao Pedro que lhe daria as chaves do reino, das quais sabemos que há pelo menos dois, já que esta palavra está em plural. O dia do Pentecostés Pedro usou uma das duas chaves para abrir a porta ao povo judeu a fim de que este entrasse no reino neotestamentario de Deus. Entretanto, devido ao trasfondo e tradição judia do Pedro, lhe apresentou certa contradição quando Deus estava a ponto de usar ao Pedro para que este empregasse a segunda chave e abrisse a porta aos gentis. No dia do Pentecostés, quão único foi necessário era que o Espírito Santo descendesse sobre o Pedro; mas quanto ao que aconteceu na casa do Cornelio, Deus teve que usar duas visões: uma para o Pedro e outra para o Cornelio. Isto indica que Deus estava perturbado, já que foi obrigado a usar a maneira antiguotestamentaria, a qual consistia em visões e sonhos.

A maneira neotestamentaria consiste em seguir a unção interna, ou seja, seguir ao Espírito que mora em nosso ser. Certamente o Espírito morava no interior do Pedro, mas este não pôde compreender o que o Espírito lhe indicava internamente, por causa de seu trasfondo e sua tradição. Pedro tinha experiente o derramamento externo do Espírito e também tinha a unção interna do mesmo, mas não pôde compreender a direção desta última. Este é um assunto crucial.

A fim de levar a cabo o ministério de Deus, é necessário que a pessoa seja poda. Quão limpo estava Pedro no dia do Pentecostés e nos capítulos do dois aos cinco de Atos! Não havia nenhum tipo de véu que o cobrisse; estava absolutamente puro como o cristal. Mas depois de curto tempo, inclusive enquanto Pedro orava em Atos 10, apareceu um véu que lhe cobriu. Aquele véu era sua tradição e trasfondo judeu; este véu o cobriu e não lhe permitiu atuar segundo a maneira neotestamentaria. Entretanto, Deus lhe venceu, subjugou-lhe e inclusive lhe convenceu de que devia ir à casa do Cornelio e usar a segunda chave que abriria a porta para que entrassem os gentis.

O ministério do Pedro em Atos chega a seu fim

Precisamos ler e reler Atos com muita atenção. depois de que Pedro tinha usado a segunda chave, Atos 12 nos diz que ele foi encarcerado e logo posto em liberdade. Mas depois de Atos 12, ou seja, a partir do capítulo treze, não se volta a dizer nada a respeito do Pedro. Os capítulos do treze aos vinte e oito de Atos se centram em Paulo, e Pedro não volta a figurar em nenhum outro capítulo. O livro de Atos nos mostra que com respeito ao ministério neotestamentario de Deus, o ministério do Pedro tinha chegado a seu fim. Pedro certamente era bom, e penso que ele escreveu suas duas epístolas depois daquele tempo. (A data em que escreveu 1 Pedro é incerta; não sabemos se foi escrita antes ou depois de Atos 13.) O fato de que Pedro escrevesse suas duas epístolas foi muito bom. Ele se mostrou muito genuíno e ousado, especialmente em sua segunda epístola, já que recomendou a aquele que lhe tinha repreendido cara a cara (2 P. 3:15-16). depois de Atos 12 não vemos nenhuma menção do Pedro a não ser até o capítulo quinze. Não obstante, em este capítulo Pedro já não era o primeiro entre os apóstolos, e nem sequer entre os anciões em Jerusalém. Durante esse tempo, o ambiente, a tendência e a influência não se inclinavam a favor do Pedro, a não ser a favor do Tiago, quem de alguma maneira pode ser considerado como um apóstolo do Novo Testamento só pela metade, já que em parte pertencia ao Novo Testamento e em parte para Antigo Testamento.

Os elementos de mistura

Um tecido de cor cinza pode harmonizar com outra de cor branca ou outra de cor negra. Tiago pode ser comparado com a cor cinza, quer dizer, com algo que se adapta a qualquer de ambos os lados. Devia ter sido que Pedro fosse comparado com um pouco puramente branco, mas ele não se atrevia a ser o que realmente era. Sob tal ambiente, influência e tendência, o que Pedro era não tivesse sido recebido. Entretanto, Tiago foi recebido porque se conformava a ambos os lados ao mesmo tempo.

De acordo com o que vimos nas mensagens de Estudo-vida do Tiago e do Marcos, podemos nos dar conta de que inclusive a situação apresentada em Atos 15 não era completamente pura. Devemos ver a decisão tomada em Atos 15 à luz do que aconteceu em Atos 21. Embora leiamos que “pareceu bem ao Espírito Santo” (V. 28), aquela decisão foi tomada principalmente sob a influência do Tiago e não era inteiramente conforme à economia neotestamentaria de Deus. O que aconteceu no capítulo vinte e um procedeu da decisão tomada no capítulo quinze. Em outras palavras, poderíamos dizer que a debilidade que surgiu em Atos 15 foi plenamente descoberta no capítulo vinte e um. Neste capítulo, Tiago foi muito ousado ao declarar que em Jerusalém havia dezenas de milhares de crentes judeus que eram ciumentos pela lei (V. 20). Foi tão ousado que inclusive aconselhou a Paulo que tomasse o mesmo caminho.

O ministério de Paulo  Faz um giro

 

Podemos dizer que em Atos 21 Paulo foi débil e que seguiu o conselho do Tiago. Alguns poderiam argumentar que Paulo não foi débil, mas sim foi firme em cumprir sua palavra com respeito a fazer-se judeu para os judeus (1 CO. 9:20). Eles poderão desculpar a Paulo ao argumentar isto, mas vemos que o Senhor não aceitou tal pretexto. Sabemos isto porque durante o último dia do voto no qual Paulo tinha acessado a participar, o Senhor interveio e terminou com todo o assunto. Paulo já tinha pago os gastos daqueles homens pobres quem tinha devotado este voto, e com apenas um dia mais terminariam de cumprir o voto. Entretanto, o Senhor não o tolerou e por isso permitiu que se suscitasse um grande alvoroço em Jerusalém, o qual deu por resultado que Paulo foi detido e posto na prisão.

Este assunto é muito sério. Podemos ver que inclusive o ministério de Teve um giro devido a que se comprometeu e se envolveu em este voto. Não devemos nos envolver em coisas semelhantes. É um assunto muito sério debilitar a economia de Deus ou trocar sua cor de branco a cinza. Quanto a Paulo, ele era puro, pelo qual Deus pôde usar o de outra maneira, lhe permitindo escrever as epístolas. Foi muito bom que Paulo escrevesse as epístolas do Efesios, Filipenses e outras mais, as quais foram escritas enquanto esteve na prisão. Entretanto, todas estas epístolas escritas por Paulo correspondem a seu ministério depois de Atos 21. Este é um assunto muito sério.

O caso do Bernabé

Precisamos voltar um pouco para trás para examinar o caso do Bernabé. Ele era fiel e foi aquele que trouxe para Paulo consigo (Hch. 9:27). Foi também um apóstolo companheiro de . Entretanto, aferrou-se a sua própria opinião. Talvez para nós isto não seja algo tão sério. Certamente Bernabé não era um judaizante, mas devido a sua opinião, ele tomou seu próprio caminho para levar a cabo o assim chamado ministério. Esta foi a última vez que se escreveu um pouco relacionado com o Bernabé, já que não voltou a mencionar-se no livro de Atos. Não somente na Bíblia, mas sim até na história não podemos achar nenhum relato a respeito do Bernabé posterior a este sucesso. Que palavra tão sóbria é esta para nós hoje!

O problema relacionado com o ministério do Apolos

Logo, ao final de Atos 18, aparece Apolos. Ele não provinha da linha do Pedro nem da linha de , mas sim de alguma outra fonte. Não podemos definir qual foi a origem do Apolos, mas é evidente que ele apareceu no capítulo dezoito ensinando as Escrituras, e sabemos que somente conhecia o batismo de João (Hch. 18:24-28). Foi necessário que Apolos se unisse ao ministério de , e quanto mais o fizesse, melhor. Embora em muitos aspectos era um Paulo, finalmente ele se converteu em um problema.

Tal como Pedro, Apolos chegou a ser um problema em Corinto. Não posso assegurar se Pedro foi alguma vez a Corinto, mas certamente seu ministério chegou a ser um problema ali, não precisamente por causa dele mesmo, mas sim pelo simples atos de que havia um pouco chamado “o ministério do Pedro”. Havia quem seguia o ministério do Pedro, e inclusive proclamavam: “Eu sou do Pedro” (1 CO. 1:12). Apolos também esteve ali, e havia alguns que declaravam: “Eu sou do Apolos”. Não acredito que Apolos tivesse a intenção de causar problemas, mas estes surgiram, e não por causa dele mesmo, a não ser devido a “seu ministério” e aos seguidores do mesmo. Já que Paulo era um homem no Espírito, não condenou ao Pedro nem ao Apolos; antes bem, ao falar de coisas negativas, ele primeiro se mencionou a si mesmo (V. 12). Precisamos considerar estes assuntos cuidadosamente a fim de ver o perigo que nos achamos hoje em día. Em Corinto, o ministério do Pedro e os seguidores do mesmo, assim como o do Apolos e os seus, criaram um problema que esteve a ponto de causar uma divisão.

Suponhamos que eu fosse Apolos. Em tal caso, pensam vocês que o Senhor me continuaria usando? Se tivesse um ministério como o do Apolos, acreditam vocês que minha utilidade ao Senhor aumentaria? O ministério de Nunca foi usado desta maneira. Ao contrário, seu ministério foi um fator principal no ministério neotestamentario. Este não foi o caso com o ministério do Apolos.

De qualquer modo, em Corinto houve problemas devido a estas três tipos de ministério, o do Pedro, o do Apolos e o de Paulo. Não acredito que Apolos fosse absolutamente um Paulo quanto à economia neotestamentaria de Deus (veja-se 1 CO. 16:12). Certamente ele não era faccioso, nem se separou do ministério neotestamentario de Deus, mas apesar disso, nas Escrituras não podem ver que Apolos fora o cem por cem e um Paulo quanto à economia neotestamentaria de Deus.

Um testemunho pessoal

Me permitam declarar algo de minha própria experiência ao trabalhar junto com o irmão Watchman Nee. Trabalhei com o irmão Nee durante mais de dezoito anos. Há alguns dos que estão entre nós que estiveram ali durante esse tempo e conhecem a situação. Do início da obra do irmão Nee, vários cristãos proeminentes, quem posteriormente chegou a ser pregadores famosos, estiveram com o irmão Nee durante algum tempo. A primeira reunião da mesa do Senhor na restauração do Senhor se levou a cabo com o irmão Nee e outro irmano junto com sua esposa. Foram eles três quem iniciou a reunião da mesa do Senhor na restauração. Posteriormente esse outro irmão deveu ser um problema para o irmão Nee devido a que não era um com ele respeito ao mover de Deus na China naquele tempo. Daí em adiante, vieram à restauração vários irmãos proeminentes, um após o outro. Mas quase todos eles se converteram em um problema para o irmão Nee. Se eu tivesse tomado a mesma atitude que os outros, certamente também teria sido um problema para ele. Não obstante, todos se deram conta de que eu era mil por cento um com o irmão Nee em seu ministério; isto, devido a minha posição, minha atitude e meu espírito eram totalmente um com ele. Não existia nenhuma base para que alguém dissesse que eu era um problema para o irmão Nee. Não existia base alguma para tal acusação.

O fato de que alguém lhes aproximasse para perguntar se vocês forem um comigo, já é um indício de que vocês não são o cem por cem e um comigo. Se quando chover, a água pode passar através do teto, isto significa que certamente há uma greta em alguma parte do mesmo. Se não a houvesse, não haveria goteira alguma. Se vocês forem um comigo o cem por cem, então somos como um teto sem gretas pelo qual a chuva não pode penetrar. Quando chove, a água declara e de uma vez prova que não há gretas no teto. Se há alguma goteira, isto é uma comprovação de que existe alguma greta.

O problema que tiveram em Corinto e o perigo que se corre hoje

Precisamos descobrir os fatos que se acham na Bíblia, e não somente ler as letras impressas. Sem lugar a dúvidas, deveu existir uma razão pela qual surgisse o problema em Corinto, já que uns diziam: “eu sou do Cefas”, “eu sou do Apolos” e, “eu sou de Paulo”. Se Pedro se conduziu, atuado e trabalhado em um ambiente que tivesse a cor e o sabor característicos de alguém que era absolutamente um Paulo, em Corinto ninguém houvesse este que era do Pedro mas não era de . E se Apolos tivesse estado trabalhando, pregando, atuando e vivendo de uma maneira que expressasse o sabor, a cor e o ambiente que correspondiam a Paulo, ninguém houvesse este que era do Apolos mas não era de . Entretanto, vemos que aí havia três entidades. Alguém correspondia ao Pedro, outra ao Apolos e a outra a Paulo.

Já seja que os chamemos três ministérios, três líderes, três autoridades ou três diferentes tipos de ensino, o simples atos de que eram três, deu origem a uma fissura pela qual entrou a chuva. Uns diziam: “Eu sou do Pedro; Paulo não me interessa”. Outros diziam: “Eu sou do Apolos, assim não me interessam nem Pedro nem ”.E ainda outros diziam: “Eu estou aqui por Paulo”. Assim, em Corinto havia disputas entre os Santos, as quais provinham dos diferentes sabores, cores e ambientes relacionadas com os assim chamados “ministros”. Se Pedro, Apolos e Tivessem estado trabalhando, atuando e caminhando em um solo ambiente, e em uma só cor e sabor, penso que em Corinto não tivesse acontecido nada que fizesse que os crentes dissessem que eram de este ou do outro. Isto passou simplesmente porque o ambiente, o sabor, a cor e o espírito que havia entre eles não era um sozinho.

E o que de nossa situação hoje em dia? Devemos considerar nossa situação presente com muita sobriedade e conforme a esta luz que vimos nas Escrituras. Digo novamente que eu teria maior liberdade de dizer estas coisas se o irmão Nee estivesse trabalhando entre nós.

Se este fosse o caso, o branco por volta do qual se dirigem os ataques hoje em dia seria ele e não eu. Mas devido a que na atualidade eu sou o branco, é-me muito difícil falar a respeito de certos assuntos sem que se considere uma vindicação para mim mesmo.

Não obstante, devemos ter presente que estamos na restauração do Senhor, e a primeira característica da restauração do Senhor é a unidade. Se perdermos esta unidade, estaremos acabados e já não seremos mais a restauração do Senhor. Por isso, devemos estar conscientes de que existe o perigo de que se introduzam opiniões e ensinos diferentes que possam danificar a unidade. Agradeço ao Senhor porque, por Sua misericórdia, dos inícios da restauração neste país nunca fui tão cuidadoso em nenhum outro assunto como em este. Durante todos estes vinte e três anos minha prática foi não debater nunca com nenhum irmão, já seja com respeito a doutrinas ou opiniões. Faz seis anos surgiram entre nós alguns problemas muito sérios. Durante aquele tempo, vocês nunca escutaram nada de minha parte a respeito, pois não quis dar a impressão de que estava aberto ao debate concernente às opiniões ou doutrinas de outros. Entretanto, isto não significa que estivesse de acordo com tais doutrinas ou opiniões. Hoje me dou conta de que quanto mais avançamos, mais existe o perigo de que se infiltrem opiniões e ensinos diferentes. As opiniões podem ser boas e os ensinos podem ser bíblicas, mas não deixam de ser diferentes cedo ou tarde estes assuntos criarão ocultamente uma divisão. A bênção que sempre descende de Deus a Sua restauração tem como base a unidade (Sal. 133). Se perdermos a unidade, perderemos a bênção.

Acredito que podemos aprender algo do caso do Apolos, ou seja: existe a possibilidade de que entre nós haja diferentes sabores, diferentes ambientes e diferentes cores, mesmo que estejamos avançando juntos, ministrando juntos, trabalhando juntos e estando juntos na restauração do Senhor. Com respeito ao Apolos, não se trata de que ele dissentia de , mas sim seu ministério tinha diferente cor e diferente sabor que o de Paulo.

Não estou dizendo que entre nós já ocorreu algo que causa um problema. Não chegou ainda uma “tormenta”, mas temos o prognóstico do tempo. No clima que vemos na restauração hoje em dia, há algumas assinale de que podem formar-se algumas “tormentas” se não nos exercitarmos em ser cuidadosos. É por esta razão que tenho o encargo de lhes apresentar a verdadeira situação, a fim de que estejam conscientes de que há um perigo diante de nós. Embora ainda não estamos em meio de uma “tormenta”, sinto a necessidade de lhes dar a conhecer o prognóstico do tempo, para que saibam que existe a possibilidade de que surjam “tormentas” em meio deste clima, se é que somos descuidados. Espero que não se repitam as “tormentas” que tivemos faz seis anos. Acredito que todos temos uma boa intenção e não acredito que nenhum dos que estão entre nós tenha más intenções. Não obstante, as coisas que fazemos podem estar equivocadas embora nossa intenção não seja má. Todos precisamos ser cuidadosos. (Elders’ Training, Book 1: The Ministry of the New Testament [Adestramento para anciões, livro 1: O ministério do Novo Testamento], págs. 19-30, Witness Lê)

V. AO FAZER SOAR A TROMPETISTA NO MINISTÉRIO DO SENHOR, ELA NÃO DEVE DAR UM SOM INCERTO

“E se a trompetista dá som incerto, quem se preparará para a batalha?” (1 CO. 14:8).

O ministério do Senhor: fazer soar a trompetista para que o exército saia a combater

 

Ao dirigir-se aos corintios em 1 Corintios 14:8, Paulo tratou sobre o assunto de dar uma interpretação definida quando se fala em línguas. Ele declarou que se não se der uma interpretação definida do que se disse em língua desconhecida, isso seria como dar um som incerto ao fazer soar a trompetista. Poderia nos parecer que um assunto como o falar em línguas é algo que carece de relevância e, por conseguinte, não merece maior consideração. Como vimos anteriormente, outro dos assuntos que foram vozeados é que há duas linhas na restauração do Senhor. Talvez pensemos que se trata de assuntos irrelevantes, já que são temas que não estão relacionados com a pessoa mesma do Senhor, com Sua Deidade ou Sua divindade. Falar em línguas com uma interpretação definida ou não, assim como o sentir de que há duas linhas na restauração do Senhor, pode ser considerado por alguns como um assunto menor que não guarda relação alguma com os principais assuntos pertencentes à revelação divina. Tais assuntos não guardam relação alguma com a autoridade do Senhor como a Cabeça ou com a obra de redenção efetuada por Ele; não se trata de um pensamento modernista que rechaça a autoridade da Bíblia ou que nega a existência de Deus. Alguns dos que se fazem chamar colaboradores, alguns líderes, gostam de pensar que podem desenvolver outra linha, sem ter que optar pela única linha que há no ministério. Possivelmente eles considerem que tanto fazer isto como falar em línguas sem interpretação definida são assuntos irrelevantes aos que não devemos lhe dar maior importância. Até certo grau, inclusive eu mesmo pensei que esta maneira no passado. Embora haja afirmado com palavras muito severas que minha tolerância chegou a seu limite, possivelmente alguns irmãos tenham o sentir —não em um sentido negativo, mas sim mas bem em um sentido bastante positivo com respeito a minha pessoa— de que eles me amam muito e não lhes parece que seja necessário que eu seja tão sério e severo com respeito a assuntos tão insignificantes como estes. Eu também abrigava tais conceitos no passado, mas mediante meu estudo cheguei a me dar conta de que, no Novo Testamento, a ilustração de fazer soar a trompetista a fim de que outros se preparem para a batalha foi usada unicamente em 1 Corintios. Esta ilustração que achamos em 1 Corintios não é usada em relação com a pessoa de Cristo em Sua Deidade ou com um assunto tão crucial como a redenção eterna efetuada por Cristo; mas bem, Paulo se vale desta ilustração ao falar sobre um assunto menor: a interpretação do falar em línguas.

Leiamos agora 1 Corintios 14:6-9 para considerar o contexto em que esta ilustração se deu: “Agora pois, irmãos, se eu for a vós falando em línguas, o que lhes aproveitarei eu, se não lhes falar com revelação, ou com conhecimento, ou com profecia, ou com ensino? Até as coisas inanimadas que produzem sons, como a flauta ou a cítara, se não darem distinção de notas, como se saberá o que se toca com a flauta ou com a cítara? E se a trompetista dá som incerto, quem se preparará para a batalha? Assim também vós, se mediante a língua não derem palavra bem compreensível, como se entenderá o que se fala? Porque falarão com ar”. Foi, pois, com relação ao falar em línguas, um assunto que consideramos carente de importância, que o apóstolo Paulo incluiu este versículo no qual usa a palavra “batalha”. Certamente ninguém consideraria uma batalha como algo carente de importância e irrelevante. É imprescindível que o exército que combate uma batalha tenha a moral muito em alto e esteja muito unido. Por isso, se se busca manter esta moral, inclusive a mais insignificante dissensão sobre o mais pequeno dos assuntos tem que ser eliminada. Se não se eliminar essa pequena dissensão, a moral será anulada. Não se poderá manter a moral, e certamente o exército perderá a batalha. Isto representa uma séria advertência em relação com o ministério do Senhor. O ministério do Senhor consiste, pois, em fazer soar a trompetista para que o exército saia a combater em ordem de batalha (NM. 10:9; Qui. 7:18). assim, tudo o relacionado com o ministério do Senhor, é parte de uma guerra (veja-se 2 Ti. 2:3 e a nota 1).

O exército de Deus que está em pé de guerra

Temos que nos dar conta de que hoje em dia a igrejas do Senhor é um exército que está em pé de guerra. Nós estamos envoltos em algo que é muito mais sério que qualquer outra batalha que possa ser liberada nesta terra. Estamos combatendo em contra do inimigo de Deus, Satanás. A igrejas é o exército de Deus, e isto se encontra plenamente revelado e ilustrado em seus muitos aspectos no sexto capítulo do Efesios. Efesios é um livro que trata sobre o Corpo de Cristo, a igrejas. este livro diz que o Corpo de Cristo, a igrejas, é a plenitude daquele que todo o enche em tudo (1:22-23). Também diz que esta igrejas é o novo homem que foi criado em Cristo, na cruz (2:15-16); mais ainda, esta igrejas é o reino de Deus, a casa e família do próprio Deus (V. 19), e a esposa de Cristo, Seu casal (5:24-25). Finalmente, Paulo nos diz no Efesios que a igrejas, o Corpo de Cristo, possuidora de status tão elevado, é um guerreiro que combate contra o inimigo de Deus. assim, tudo que Cristo é e tudo que Cristo há atos, deve ser usado e aplicado como os diversos aspectos da armadura de Deus. Temos que nos vestir de Cristo como nossa couraça (6:14) e nosso escudo (V. 16). Devemos ter nossos lombos rodeados com Cristo (V. 14), e devemos nos vestir de Cristo como nosso calçado a fim de que Ele seja o firme alicerce sobre o qual estejamos afirmados ao combater a batalha (V. 15). A igrejas, pois, não é meramente um grupo de pessoas que se reuniram para conformar uma coletividade. A igrejas é um exército divino e universal que, neste universo, combate Por Deus e em contra do inimigo de Deus.

Na história contemporânea houve duas guerras mundiais; mas nós temos que nos dar conta de que hoje em dia a igrejas empreendeu uma guerra universal. O espaço que abrange nossa guerra é muito mais vasto que o espaço sideral que os cientistas de hoje estudam. A maior parte desta tipos de estudo se acha confinada a uma só galáxia; mas o espaço que abrange nossa guerra abrange muitos milhões de galáxias e ainda vai mais à frente. Nós estamos combatendo contra o inimigo que se acha nos lugares celestiales, no espaço universal. assim, combatemos em uma batalha que é muito major e mais vasta do que alcançamos a imaginar. Não empreendemos uma batalha de pequenas proporções, uma batalha meramente pelos Estados Unidos ou pelo mundo inteiro. Nossa batalha é universal. Ao falar sobre o assunto da interpretação do falar em línguas, Paulo considerou que isso estava relacionado com esta batalha universal que empreendemos. assim, ao falar sobre prover uma interpretação definida de quem fala em língua desconhecida, ele se valeu de uma ilustração: a trompetista que se faz soar para alistar-se para a batalha.

O ministério e as Iglesias

A autenticidade de uma igrejas local não está determinada se porventura recebe ou não este ministério. Ou título desta mensagem não É: “Ao fazer soar a trompetista na restauração dou Senhor, ela não deve dar um som incerto”, mas sim ou título É: “Ao fazer soar a trompetista no ministério dou Senhor...”. assim, não estou falando dá restauração dou Senhor, a não ser especificamente dou ministério dou Senhor. Vos cidadãos dois os Estados Unidos têm plena liberdade para criticar ao governo e À comandante em chefe dá Forças Armadas. Mas quando um deles se increve no exército e se converte em um soldado, perde ou direito a dar sua opinião. Se estivermos no Senado, certamente ali É possível argüir, debater e, inclusive, brigar; mas se um senador se face soldado, deverá impregnar suas próprias opiniões. No exército, ao fazer soar a trompetista, ela não pode dar um som incerto. Dou mesmo modo, ou ministério não É um Congresso no qual todos têm liberdade para expressar suas opiniões. Não há capacidade para isso no ministério; mas bem, ou ministério deve estar plenamente imbuído de um Espírito combativo. Eu não controlo igrejas alguma. Todos vos Santos que deixaram ás denominações e toda outra seita divisora, e tomaram como base ou terreno apropriado, ou dá localidade, constituem a igrejas local em suas respectivas localidades; em tal condição, eles certamente podem expressar com toda liberdade suas próprias opiniões, mas É possível que não estejam vinculados a este ministério.

Paulo disse que todos vos que estavam na Ásia lhe voltaram ás costas (2 Ti. 1:15). Vos crentes na Ásia que anteriormente tinham recebido ou ministério dou aposto-o, agoura ou tinham abandonado. Não deixaram de ser Iglesias locais corto fato de ter abandonado ou ministério de , mas para brigar a batalha, ou ministério do Não podia depender deles. Quanto a llevar adiante ou ministério de , não se podia contar com eles. Ou fato de dizer que ou ministério não pode contar com certa igrejas não significa que essa igrejas tenha deixado de ser uma igrejas local. Ela contínua sendo uma igrejas local, mas temos que compreender que ou ministério É uma entidade envolta em uma guerra e, como tal, não pode dar capacidade a opiniões pessoais nem pode perder ou tempo com elas.

Eu sou muito sério no referido aos interesses dou Senhor. sacrifiquei minha vida inteira corto ministério dou Senhor e ou deixei tudo para tomar ou caminho dá restauração dou Senhor. Agoura, tenho que ser fiel a mim mesmo. Além disso, mediante meu ministério ao redor dou mundo, milhares de Santos se integraram À restauração dou Senhor, assim devo ser fiel a eles. Muitos deles renunciaram a ter profissões prestigiosas a fim de seguir ao Senhor em Sua restauração, mas tal parece que se sentem decepcionados com aquilo ao qual se uniram; estou me preocupa sobremaneira. Alguns dois Santos chegaram a ser ou que São no Senhor em um cem por cem por causa de meu ministério, e eu não quero que meu ministério faça que eles desperdicem seus dias. Eu tenho que fazer algo a fim de proteger ou investimento que eles hão atos ao entregar todo seu ser À restauração dou Senhor. Eles renunciaram a um futuro promissor no mundo, mas agoura não podem sentir--se muito respirados cabelo que encontram na restauração dou Senhor. Tenho que ser fiel ao Senhor, fiel a tantos de vocês que foram grandemente influenciados por este ministério e, inclusive, tenho que ser fiel a mim mesmo. Por esta razão, este ministério não pode permitir que alguns pretendam estar nele e, mesmo assim, ensinem algo diferente. Não estou lhes pedindo, em maneira alguma, que abandonem suas igrejas local, nem tampouco quero dizer que suas igrejas local não seja mais uma igrejas local; mas bem, estou procurando ter comunhão com vocês sobre ou impacto que exerce este ministério na luta que sustenta cabelos interesses dou Senhor em Sua restauração.

Tudo que digo sobre ás reuniões de lareira, sobre vos que servem a tempo completo, sobre ás lições dá verdades bíblicas e sobre a difusão dou evangelho, não está dirigido a aqueles que têm dúvidas com respeito a meu ministério, a aqueles que estão em desacordo e dissentem com meu ministério, nem tampouco a quem pretende estar sob ou ministério mas em realidade não se sujeitam a l. Eu sigo amando a todos lhes queridos Santos que pertencem a esta categoria e certamente lhes considero como meus irmãos em Cristo, mas É mister que tenhamos um exército que cause pleno impacto, e este exército não pode perder ou tempo tolerando que qualquer expresse qualquer tipos de opinião nem tampouco pode dar capacidade a isso. Estamos enfrascados em uma guerra. Ou exército já começou a combater esta batalha no Taiwán. Agora, queremos ver que este exército seja incrementado a fim de combater no somente nos Estados Unidos, mas também no Canadá, na Centroamérica, na Suramérica, na Europa, na Oceania e em todo o moderado asiático. Isto é o que desejo ver. No estou falando sobre as Iglesias; estou falando sobre o ministério. O ministério é uma coisa, e as Iglesias são outra. Podemos distinguir estas duas entidades se considerarmos as epístolas escritas por Paulo. O ministério de Pertence a uma categoria, enquanto que as Iglesias pertencem a outra. Paulo jamais procurou obrigar a todas as Iglesias a segui-lo a ele em seu ministério, mas Paulo certamente tinha um ministério para as Iglesias.

Sair a combater com veemência e sem dar lugar a nossas próprias opiniões

 

Alguns Santos foram para mim várias vezes me trazendo informe com respeito a situações muito sérias, inclusive situações negativas e prejudiciais. Talvez eles tenham interpretado mal o fato de que eu no respondesse a tais coisas com severidade. Tenho a certeza de que não respondi de maneira severo, não somente porque fosse paciente ou tolerante, mas também pela sabedoria do Senhor. Parece-me que ser paciente é verdadeiramente sábio. Quando o fruto de uma árvore em particular está crescendo, o fruto mesmo mostrará de que tipos de árvore se trata. Quando o fruto amadurecida, cairá da árvore. Entretanto, na presente junta, sinto que não devo tolerar mais certas situações, devido ao grande prejuízo que já se causou. Já não posso tolerar ver que se cause mais danifico à restauração do Senhor. Queridos Santos, já não podemos passar por cima este assunto. vamos combater! Quais são os que combaterão? Aqueles a quem apressa um sentido de urgência e não dão capacidade às opiniões.

Nos dezoito anos que estive envolto na obra na China continental, fiz muito, mas jamais ninguém escutou que eu emitisse opinião pessoal alguma. Quão único a gente escutou de mim foram mensagens jogo de dados em absoluta conformidade com o irmão Nee. Alguns irmãos podem declarar que entre todos os colaboradores que teve o irmão Nee durante esses dezoito anos, eu fui o que mais fiz. Mas trabalhei sem emitir opinião alguma. Nas conferências para colaboradores, algumas vezes o irmão Nee me perguntava: “Witness, o que diria você a respeito?”; mas eu não tinha nada que dizer. A atitude que eu tinha era que tudo que o irmão Nee me pedisse fazer, faria-o. Era muito singelo. Desde o ano 1932 até o ano 1950, ninguém jamais me escutou expressar opinião alguma com respeito à obra na China continental.

Em realidade, meu entendimento das verdades bíblicas não diferia em nada do entendimento do irmão Nee, exceto por um único assunto. Jamais disse a ninguém qual era esse assunto, nem ainda a minha esposa ou a minha própria família, até que vim a este país e o irmão Nee partiu para repousar no Senhor. O assunto doutrinal no qual eu diferia do irmão Nee concerne às duas testemunhas mencionadas em Apocalipse (11:3-12). Esta era a única divergência entre meu entendimento e o do irmão Nee. Unicamente neste assunto não coincidia com o irmão Nee e ainda não coincido. Mas o que lhes quero dizer e recalcar é isto: apesar desta divergência, no exercício do ministério eu jamais disse nada que o irmão Nee não tivesse pregado, nem ensinei nada que ele não tivesse ensinado.

Uma só corrente

O Senhor abriu os olhos de meu entendimento para que eu me precavesse de que, como lhes disse no passado, na Bíblia, e especialmente no Novo Testamento, há unicamente uma corrente que flui do trono (Ap. 22:1). No Pentecostés, esta corrente começou a fluir de Jerusalém, fluiu pela Judea, pela Samaria e chegou até a Antioquia. De ali, a corrente se dirigiu para a Ásia Menor, a Europa Oriental, a Roma e, provavelmente, também a Espanha, região que, nnaquele tempo, naquele tempo, era considerada como o último da terra. Havia uma só corrente. Não é possível distinguir dois correntes no livro de Atos.

Bernabé era um irmão excelente, que inclusive trouxe para o Saulo do Tarso a seu ministério (Hch. 11:25-26). Ao início, Bernabé tomou a iniciativa. Entretanto, o Espírito nos relata que, durante a primeira viagem, Paulo começou a tomar a iniciativa e o Espírito começou a referir-se a ele como Paulo, já não Saulo (Hch. 13:9). Esta mudança de nome possivelmente indique uma mudança de vida. A partir de então, Paulo, cheio do Espírito Santo, levou a dianteira no ministério apostólico, e Bernabé aceitou isto. Bernabé era um Paulo respeito a ir a Jerusalém para esclarecer o problema suscitado quanto à circuncisão. Imediatamente depois que se conseguiu esclarecer tal situação mediante uma declaração conjunta a todas as Iglesias, suscitou-se uma disputa entre o Bernabé e Saulo (Hch. 15:35-39). Esta disputa não foi em torno de um assunto de grande importância, a não ser em torno de um assunto menor. Eles não se separaram devido a alguma diferença de opinião com respeito à fé ou à autoridade de Cristo. Sua separação ocorreu devido a um assunto menor, um assunto pessoal e íntimo. Bernabé queria levar consigo a seu sobrinho Marcos na seguinte viagem, e Paulo se opôs a isso. Para nós, este é um assunto menor, mas depois que Bernabé, junto com o Marcos, deixou a Paulo, já não se volta a escutar dele no relato sobre o mover do Senhor que encontramos no livro de Atos. A razão para isto foi que o único que lhe importa ao Senhor é a corrente única.

Eu pude perceber claramente este assunto em 1933, quando o irmão Nee me pediu que unisse a ele na obra no Shanghai. Naquele tempo, eu vinha realizando uma obra no norte da China, a qual era muito prevalecente e promissora com respeito ao ensino da Bíblia. Mas, devido a meus olhos foram abertos, eu lhe disse ao Senhor que iria ao Shanghai a me unir ao irmão Nee e à obra. Pude-me dar conta de que a corrente do Senhor, Seu único fluir, sobre esta terra sempre foi um sozinho. Se o norte da China teria que ser conquistado pelo Senhor, Ele certamente teria que fazê-lo mediante esta única corrente. Eu tinha que me mergulhar nesta corrente, a fim de ser um com esta corrente para deixar que o Senhor flua.

A liderança no mover do Senhor

Agora, consideremos o Apolos. Não existe um relato muito comprido na Bíblia com respeito ao Apolos. Embora ele não dissentia, em certa medida se manteve em outra corrente (1 CO. 16:12). Não encontramos indício algum de que Apolos se proposto gerar uma corrente diferente, mas aquilo que ele era e tudo que ele fazia causava nas pessoas uma impressão diferente. É por isso que depois que ele trabalhou em Corinto, alguns podiam dizer que eles eram do Apolos (1 CO. 3:4), e alguns deles se inchavam de orgulho preferindo ao Apolos em deterioro de  (4:6). Apolos não era sábio. Se ele tivesse sido sábio, jamais se tivesse comportado dessa maneira.

Pela misericórdia do Senhor, posso declarar que nesses dezoito anos nos que estive envolto na obra na China continental, fui sábio. Eu jamais dava lugar a que qualquer pessoa se inchasse de orgulho me preferindo a mim em deterioro do irmão Nee. Não havia tal coisa. Tudo que os Santos viam em mim —meu comportamento, minha maneira de viver, minhas ações, a maneira em que eu trabalhava, minhas mensagens e minhas palavras—, tudo dava a conhecer que eu era absolutamente um com o irmão Watchman Nee. Jamais dava o menor lugar a que alguém pensasse que eu era diferente ao irmão Nee. Estou convencido de que isso foi manifestação da sabedoria do Senhor em virtude da misericórdia que foi concedida por Ele. Nossa história, que se remonta a aqueles anos, é verdadeiramente muito significativa e nos diz muito. Entre tantos colaboradores do irmão Nee, onde encontramos a restauração? Eu jamais pensei chegar a ser aquela pessoa mediante a qual o Senhor levasse adiante Sua obra de restauração. Inclusive quando fui ao Taiwán, eu fui enviado de uma maneira muito definida; esta foi a proposta feita pelo irmão Nee aos colaboradores. Eu jamais pensei em me converter em líder nem tubo o sentir de que devia assumir tal postura. Inclusive quando vim aos Estados Unidos, não entretive o pensamento de chegar a ser o líder da restauração do Senhor no mundo ocidental. Mas, onde encontramos à restauração do Senhor hoje e baixo que tipos de liderança? Alguns dos que se fazem chamar colaboradores aduzem de que eles eram muito próximos ao Watchman Nee, mas, entretanto, virtualmente nenhuma igrejas foi levantada por eles.

Não é sábio que por mais que, por um lado, você queira permanecer na restauração beneficiando-se deste ministério e, por outro, você queira dizer algo mais. Isto não é sábio absolutamente. Isto não é benéfico para você mesmo nem com respeito a seu futuro. Possivelmente você diga que tem um ministério, mas isto não é benéfico para seu ministério, se é que você tivesse um. Ao proceder desta maneira, você jamais poderá obter benefício algum com seu ministério no futuro; mas bem, você terá desperdiçado seu futuro por bagatelas. A maneira sábia de proceder consiste em permanecer, sem dar lugar a opiniões, na restauração, o qual é único.

Quero ser fiel e franco com vocês, e desejo que a situação que enfrentamos seja plenamente esclarecida a todos. Eu não acredito estar aqui por mim mesmo; mas bem, estou convencido de que estou aqui por causa do Senhor. Meu desejo é ver surgir a muitos de vocês e ver que vocês possam realizar quão mesmo eu estou realizando. Eu jamais sentiria ciúmes. Isto é o que queria ver e ao qual estou dedicado!

A diferença que existe entre o exército e os cidadãos

 

Agora vocês podem entender qual é minha postura, qual é o desejo de meu coração e que posição assumi. Irmãos, temos que ser sábios. Somos um exército que, pela misericórdia e graça do Senhor, foi formado para combater pelo reino dos céus! A ilha do Taiwán tem que ser evangelizada, e inclusive tem que ser saturada da verdade, por meio desta tipos de exército durante os seguintes quatro anos. A fim de cumprir este propósito, não tenho que tolerar nenhuma tipos de pensamento dissidente. Uma coisa é ser cidadão dos Estados Unidos, e outra muito diferente combater no exército dos Estados Unidos. Quando Gedeón foi chamado a dirigir o exército para combater pelo Jehová, o Senhor lhe disse que o exército era muito numeroso (Qui. 7:4). Finalmente o Senhor escolheu só trezentos homens e disse ao Gedeón que enviasse a outros a casa. Isto não quer dizer que os que retornaram a sua casa tinham deixado de ser israelitas. Tais pessoas seguiam sendo israelitas, mas não estavam vinculados ao exército que estava em pé de guerra.

É possível que você seja membro de uma igrejas local e, ainda assim, não esteja vinculado ao ministério a fim de combater pelos interesses do Senhor aqui na terra. Todos vocês são anciões, colaboradores e aprendizes de anciões; são os líderes na restauração do Senhor. Estou- falando com todos vocês como soldados na restauração do Senhor, não lhes estou falando como cidadãos. Estou-lhes falando com os soldados do exército. vão permanecer no exército? Vocês têm que compreender que tipos de exército é este e o que é o que busca realizar. O exército não pode dar capacidade alguma a suas opiniões pessoais. Não há tempo para divagações, não há tempo que perder, pois a situação que enfrentamos é de soma urgência. Este exército celestial se proposto evangelizar Taiwán e saturá-lo com a verdade, para depois fazer o mesmo nos Estados Unidos.

Recentemente, um irmão me perguntou se eu podia ir a sua parte do mundo para trabalhar com ele em uma conferência. A comunhão que ele teve comigo me deixou a impressão de que não está combatendo a nosso lado. O encargo que tenho é a de conquistar primeiro Taiwán e depois os Estados Unidos. Em realidade, não me importa de maneira especial região alguma desta terra. O único que me importa é a restauração do Senhor, e a isso estou inteiramente dedicado; a perspectiva que tenho me leva a desenvolver esta estratégia. Com tal perspectiva, parece-me que a melhor das estratégias é conquistar primeiro Taiwán. Se você importa unicamente com a parte que tem  do mundo, possivelmente isto o desanime; mas se você está consagrado à restauração do Senhor, dirá: “Amém!”. Inclusive é possível que você se sinta urgido a enviar alguns soldados a unir-se ao exército que tem que evangelizar Taiwán!

Ser sábios em reconhecer à líderança no mover do Senhor

No Novo Testamento se vê claramente que era Paulo quem, nnaquele tempo, naquele tempo, levava a dianteira no ministério neotestamentario do Senhor sobre toda a terra habitada. Enquanto trabalhei com o irmão Nee na China continental, jamais me considerei mesmo como alguém importante. Unicamente me considerava como um colaborador que  ajudava a levar a cabo o que lhe tinha sido encarregado ao irmão Nee. Procurei com todo meu ser não pregar nenhum evangelho que não fosse pregado por ele, nem dar mensagem algum que não fosse dado por ele. Esforcei-me muito por não usar outra terminologia nem desenvolver certa eloqüência que ele não tivesse utilizado ao pregar, ao falar ou ao ensinar. Tenho que declarar que foi dada tal bênção e devo elogiar ao Senhor por isso. Jamais me arrependerei do que fiz. Ninguém jamais me escutou dizer algo negativo sobre o irmão Nee. Ainda estou tão agradecido a ele. Sem ele, sem seu ministério, jamais poderia ser o que sou. Unicamente me dediquei a trabalhar, ao trabalho, e jamais causei problema algum à restauração do Senhor. Justo antes que o governo da China passasse à mãos dos comunistas, o irmão Nee convocou no Shanghai uma conferência de urgência para os colaboradores que levavam a liderança. Ele teve comunhão conosco sobre como devíamos nos enfrentar ao que iria acontecer. Ele propôs que eu fosse enviado fosse da China continental, enquanto que ele e outros teriam que sacrificar-se na China continental por causa do propósito do Senhor. Eu não me senti muito bem a respeito; senti-me como um desertor que se afastava da zona de perigo enquanto que todos outros permaneciam na China. depois dessa reunião, o irmão Nee e eu saímos a caminhar; perguntei-lhe por que todos os irmãos foram ficar na China a fim de sacrificar-se pela obra do Senhor, mas me pedia sair do país. Jamais esquecerei a expressão e o olhar no rosto do irmão Nee quando se voltou para me responder. Ele me disse que devemos sentir obrigação por que o mover do Senhor seja levado a cabo e, inclusive, estar dispostos a sacrificar nossa própria vida por isso; além disso, ele se dava conta de que era muito possível que um dia o inimigo teria que nos eliminar completamente. Ele me disse que em caso de que o inimigo nos eliminasse completamente, eu tinha que sair a fim de que ainda ficasse algo. Então lhe disse que eu acataria suas palavras e sairia do país. De entre todos os colaboradores, eu fui o único que ele designou para sair do país em caso de que fôssemos eliminados, de tal maneira que algo ainda permanecesse. Tudo que o irmão Nee disse cumpriu-se e é parte da história. Gabado seja o Senhor! Ainda ficou algo!

Irmãos, temos que nos dar conta de que não estamos trabalhando para nós mesmos. Você não está trabalhando para você mesmo nem eu tampouco realizo minha própria obra. Todos nós estamos realizando um único trabalho, a obra única para a restauração única do Senhor. Há mais de seiscentas Iglesias na terra e nenhuma delas está “em meu bolso”. Os irmãos que levam a dianteira no Anaheim podem dar testemunho de que eu nem sequer conheço o horário de suas reuniões. Se desejo assistir à mesa do Senhor, preciso fazer uma chamada Telefónica para saber onde ir. Toda igrejas que edifiquei foi sempre “ao bolso de outros”. Temos que nos dar conta de que não estamos realizando uma obra para nós mesmos, mas sim a obra que realizamos é para a restauração do Senhor. Não importa quanto tenha sido criticado o irmão Nee, ele era fiel em extremo a tudo que tinha visto. A obra que ele realizou, certamente a realizou para a restauração do Senhor, com o qual estabeleceu um bom fundamento, um fundamento apropriado e adequado para a restauração do Senhor. Eu continúo edificando a restauração do Senhor e realizo a mesma obra. Espero que todos vocês estejam claros a respeito. Não abriguem o pensamento de chegar a ser alguém. Nenhum de nós é alguém! Unicamente Cristo tem um Corpo.

É meu sentir que estas palavras sortes com absoluta franqueza deverão servir para que todos vocês estejam absolutamente claros com respeito à situação que enfrentamos e com respeito a qual é nossa necessidade hoje. Necessitamos um exército que esteja em pé de guerra, um exército capaz de combater; e neste exército não somente necessitamos um líder, necessitamos um comandante em chefe para combater na guerra! Não há tempo que perder. Muitos de vocês renunciaram a profissões de prestígio e a posições muito elevadas por causa da restauração do Senhor, por isso mesmo, vocês devem ser fiéis a tal sacrifício. Vocês também têm que ser fiéis a tantas pessoas que foram influenciadas por vocês; de outro modo, você estaria sendo desonesto com elas. Temos que ser fiéis a nosso Senhor. Servimos a Ele e o fazemos com toda seriedade. Nós não estamos cumprindo com um trabalho para nos alimentar a nós mesmos, para nos sustentar a nós mesmos. Isto seria vergonhoso! Se você quer procurar seu sustento, não permaneça na obra do Senhor. Dediquem-se a outra atividade, em outro campo, onde possam ganhá-la vida de melhor maneira. Temos que ser muito sérios com o Senhor, com os Santos e conosco mesmos. Esta é a única maneira em que podemos seguir avançando no ministério do Senhor. Agora vocês sabem que posição tomei e que posição devem tomar vocês. Além disso, já sabem o que todos nós devemos fazer: ir combater como um exército, formando parte do mesmo. (Elders’ Training, Book 7: One Accord for the Lorde’s Move [Adestramento para anciões, livro 7: A unanimidade requerida para o mover do Senhor], págs. 75-78, 80-89, Witness Lê)

Pelo menos eu posso declarar por mim e por meu irmão maior, o irmão Watchman Nee. Sempre nos conduzíamos e obrávamos na restauração como um só Corpo. Por isso a restauração do Senhor pôde existir na terra nos últimos setenta anos. Não temos uma organização estabelecida, mas a restauração ainda está aqui. A restauração ainda existe e foi preservado segundo o princípio do Corpo. Enquanto eu ministrava a palavra, muitas vezes pensava no irmão Nee. Tinha em memore o que ele dizia; não queria falar nada que contradissera seu ministério. Se tivesse falado de maneira contraditória, onde estaria a restauração hoje? Temos que conhecer o Corpo. (O resultado da dispensa da Trindade processada e a trasmisión do Cristo que o transciende todo, pág. 91)

VI. NOS RESTINGIR A UMA SÓ OBRA DE PUBLICAÇÃO  A FIM  LEVAR A CABO A COMISSÃO QUE O SENHOR DEU A SUA RESTAURAÇÃO

Nos restringir a uma só obra de publicação

Algo que gerou problemas na restauração do Senhor foi o fato de que temos diferentes obra de publicação. Se realmente tomamos a sério a restauração do Senhor, devemos evitar nos envolver em qualquer tipos de problema. Quando estivemos na China, somente existia a obra de publicação do irmão Nee, e o Gospel Room [Casa de publicações evangélicas] era dele exclusivamente. Ele me pediu que lhe ajudasse na obra de publicação, e eu escrevi alguns livros, entre os quais havia um sobre a genealogia de Cristo, que era a tradução de uma parte do Earth’s Earliest Ages [As primeiras foi da terra] do Pember, e outros livros sobre o reino dos céus. Eu nunca publiquei nada por minha própria conta, mas sim sempre enviava uma cópia de meu manuscrito ao Gospel Room, que estava a acusação do irmão Nee e de seu ajudante. Era a julgamento deles se meu manuscrito devia ser publicado ou não. Sempre eu gostava que revisassem meus manuscritos, e me fizessem saber se havia alguma inexatidão quanto à verdade. Não é uma tarefa insignificante escrever um livro que explique o reino dos céus. Assim, eu gostava que meu material fosse revisado por eles. Isto foi de grande ajuda e me brindou amparo. O irmão Yu, o oculista, traduziu alguns livros dos místicos, mas não publicou nada. Nnaquele tempo naquele tempo só houve uma só obra de publicação. Tudo o que se publicava procedia do Gospel Room do irmão Nee, já que entendíamos que publicar literatura equivalia a dar o som de trompetista ao povo de Deus. Não só se está tocando a trompetista quando se dão mensagens, mas também até muito mais quando se publica literatura.

Desgosta-me muito ver que alguns irmãos procurem publicar algo copiando minhas idéias e acrescentando seu próprio “condimento” e “cor”. Que necessidade haveria para que publicassem alguns dos assuntos abordados em meus escritos dessa maneira? O irmão Nee nos ensinou sobre o reino dos céus. Eu recebi o conhecimento básico de seu ensino, mas ele nunca aprofundou muito nela; quão único fez foi nos dar um esquema geral. Fui eu quem, a partir de 1936, comecei a desenvolver o esquema que tínhamos recebido do irmão Nee. depois de que publiquei minha exposição, o irmão Nee expressou sua admiração e me disse pessoalmente que havia atos um bom trabalho.

Espero, irmãos, que alguns de vocês desenvolvam minhas mensagens e façam uma exposição de cada um deles. Não compartilhem sobre alguns dos tema de minhas mensagens, lhes acrescentando a “cor” e “condimento” próprio de vocês. Isto trocará o sabor e, além disso, arruinará minhas mensagens. Vocês devem chegar a ser capazes de aprofundar em todas estas coisas. Não sou uma pessoa estreita. Eu quisesse que todos vocês cheguem a ser grandes servos que sejam usados Por Deus. Isso seria maravilhoso. Mas não queria ver que alguns simplesmente repetissem o que eu já hei este, pretendendo que é sua própria obra com seu próprio condimento e cor.

Preocupa-me em grande maneira que alguns irmãos entre nós ainda sigam publicando literatura. Segundo minha observação, em estes livros não há nova luz nem fornecimento de vida. Possivelmente contenham algumas doutrinas bíblicas, mas é evidente que os assuntos que contêm vida e luz foram tirados das publicações do Living Stream Ministry. Virtualmente todos aqueles assuntos que contêm luz e vida, já foram abordados em nossas publicações. Posto que este é o caso, que necessidade haveria para que tais irmãos publicassem sua própria literatura? Não me é fácil falar disto, posto que todas as publicações são minhas. Mas me vejo obrigado a lhes dizer a verdade. Ao imprimir suas próprias publicações, vocês desperdiçam seu tempo e seu dinheiro. Desperdiçam o dinheiro oferendado pelos Santos, e também lhes fazem perder o tempo quando eles lêem o que vocês publicam. Onde se acha o alimento, o fornecimento de vida e a verdadeira iluminação nessas outras publicações que circulam entre nós? Posso lhes assegurar, pelo contrário, que em cada um dos livros publicados pelo Living Stream Ministry há pelo menos uma revelação crucial.

Eu senti o encargo de publicar as mensagens do Estudo-vida para ressaltar o assunto da vida, já que este foi descuidado, ignorado, e inclusive se perdeu por completo no cristianismo de hoje. Na maioria dos comentários e livros expositivos não há muita vida. Inclusive a palavra “Estudiovida” é um término novo. Eu o vim usando por trinta e dois anos. Em 1954 e 1955 terminei no Taipei um Estudo-vida que abrangia toda a Bíblia, desde Gênese até Apocalipse.

Isso não significa que eu seja uma pessoa muito capaz ou um erudito. Tudo depende de se nosso Senhor, em Sua soberania, deu-lhe ou não a você esta porção. Embora eu escrevi alguns livros na China, nunca me atrevi a publicar nada por minha própria conta. Eu não gosto de dar outro som de trompetista. Entre nós somente devesse escutar um só som de trompetista; é por isso que devemos nos restringir a uma só obra de publicação. Minha intenção ao convocar uma conferência para todos aqueles que escrevem literatura, é lhes animar a que escrevam algo, mas não da maneira em que se veio publicando. Esta comunhão nos guardará e protegerá de proceder de maneira descuidada e sem restrição alguma.

Se algumas localidades houvessem atos as coisas de uma maneira apropriada, conforme à restauração, usando todos os materiais do ministério, teriam experiente um alto índice de crescimento. Mas alguns estão esbanjando seu tempo escrevendo e publicando seu próprio material. Esta não é a porção que lhes foi atribuída. Queria que esta fosse a porção de muitos irmãos e que eles tivessem as riquezas da verdade. Isto seria esplêndido e maravilhoso, mas, em vez disso, temos um problema hoje. portanto, aconselho-lhes que dêem solução a este assunto. Têm que prevalecer sobre a dissensão e não permitir que ela os consuma.

Espero que esta comunhão seja de alguma ajuda para todas as Iglesias. Sigam estes princípios, pressentem isto ao Senhor em oração e considerem qual é a verdadeira situação em sua localidade. Então vocês poderão fazer as mudanças que sejam necessários com relação ao corpo de anciões.

Cumprir a comissão que o Senhor há atos a Sua restauração

A comissão que o Senhor nos deu é Sua restauração, e Sua restauração hoje é a restauração de Cristo como vida e da igrejas como nosso viver, quer dizer, que seja recuperado o desfrute que temos de Cristo como nosso tudo e, além disso, todos os aspectos significativos da vida de igrejas com o propósito de não somente pregar o evangelho mas também propagar a verdade. Acredito firmemente que esta é a única razão pela qual o Senhor nos confiou quase todas as verdades , de entre todo o cristianismo de hoje. Ele nos deu Suas verdades para que nós as propaguemos, não somente entre os cristãos, mas também entre os incrédulos. Toda a terra está em trevas. Todo ser humano na terra precisa escutar as verdades; entretanto, a propagação das verdades preciosas que recebemos foi seriamente limitada. escutamos numerosos testemunhos de como as pessoas foram atraídas e cativadas pelas notas da Versão Restauração, mas quem de nós tem o encargo de sair e propagar estas verdades?

Alguns irmãos de entre nós não apresentam estas verdades quando ensinam e pregam. Simplesmente ensinam e pregam o que lhes parece melhor, e não se dão conta de quão pobres são suas mensagens. Alguns irmãos entre nós continuamente publicam literatura. Eu fui sincero com eles e os pinjente que não encontrava luz nem nada novo no que eles tinham publicado. Os assuntos que se abordam em nossas publicações estão cheios de vida e luz, mas estes irmãos não estão dispostos a apresentar os da mesma maneira. Não consigo entender por que eles trocam as mensagens que publicamos para apresentar algo que se acomoda a seu próprio estilo e maneira de fazer as coisas. Em nada do que eles publicam se encontram novos assuntos que contenham vida ou luz; antes bem, qualquer assunto que tenha vida ou luz, tiraram-no que este ministério. observei que esta foi a situação entre nós por muitos anos. Eu quisesse que entre nós o Senhor levantasse alguns irmãos mais jovens para que falassem algo novo. Se visse isto, elogiaria ao Senhor. Entretanto, em lugar disso, vi a alguns edificar algo para si mesmos.

O Senhor nos encomendou Sua restauração, e Ele certamente nos tem aberto o Novo Testamento e nos revelou muitas verdades muito preciosas e valiosas. O que o Senhor precisa é que milhares de Seu Santos lhe amem, vivam-lhe e não os importância nada mais que Sua restauração e seguir um só caminho. Deste modo, embora os Santos sejam do Brasil, Austrália, Nova Zelândia, Taiwán, Inglaterra, Tailândia, Indonésia ou Estados Unidos, todos levaremos o mesmo encargo, seguiremos o mesmo caminho e propagaremos as mesmas verdades. Ministraremos as verdades corporificadas na “barra de ouro”, a Versão Restauração. Não temos outra mercadoria que oferecer! Se formos assim, conquistaremos toda a terra!

Parte-me o coração ver que alguns tenham adotado a prática de ter outro ministério, usando o material do ministério. Todos devêssemos orar: “Senhor, me resgate da ambição de ser alguém na restauração”. Simplesmente deveríamos procurar conhecer as verdades da economia neotestamentaria de Deus. O único caminho que seguimos é o caminho da unanimidade, a oração, o Espírito e a Palavra. Acredito firmemente que isto é o que o Senhor procura e o que todos desejamos no profundo de nosso ser. Se fizermos isto, todos se sentirão muito contentes.Quando saímos, não devêssemos ir em dissensão nem com ambições pessoais. Se você sair com a ambição de chegar a ser alguém importante e eu saio com a ambição de ter um ministério muito reconhecido, não teremos futuro. Nesse caso, o Senhor terá que ir em busca de outros. portanto, todos temos que sair da mesma maneira, como um só exército. Só assim teremos a moral em alto e causaremos impacto em nosso meio.Em realidade não temos que fazer muito. Simplesmente temos que sair com um coração puro, sem reservar nada para nós mesmos, pondo tudo a disposição do Senhor. Simplesmente saiam com todas as verdades e com a Versão Restauração para ler-lhe às pessoas. Asseguro-lhes que cada semana ganharão uma pessoa. Não precisam pregar seus próprios ensinos nem sua própria doutrina com sua própria terminologia. É preciso que vejamos o que é a restauração do Senhor. À restauração do Senhor lhe encomendou a grande tarefa de propagar as verdades. Ele nos deu as verdades que agora temos em nossas mãos. Mas temos que ser fiéis, puros de coração, aqueles que não têm o desejo de viver para si mesmos a não ser para Ele, e que saem a propagar as verdades contidas na “barra de ouro”. Não é necessário que vocês preguem ou ensinem a sua maneira. Simplesmente abram a Versão Restauração e leiam algumas das notas aos que tenham mais fome.

Em realidade, não me interessa tanto o incremento numérico. O que mais me interessa é propagar as verdades para que estas  possam entrar nos corações dos mais necessitados. Se propagarmos as verdades, seremos aqueles servos fiéis que dão o alimento a tempo ao povo do Senhor (MT. 24:45). Deste modo, cumpriremos a comissão que o Senhor deu a Sua restauração. Não tenho outro interesse nem preocupação em meu coração. Até estaria disposto a morrer por isso. Eu disse aos irmãos do Longínquo Oriente que não me deteria até que todo meu ser se gastasse por completo por este ministério. Espero que todos vocês possam dizer o mesmo.

Se o Senhor ganhasse em dez mil Santos nos Estados Unidos que se dedicassem a servir de tempo completo com uma só tipos de ensino, uma só tipos de pregação, uma só tipos de material, uma só tipos de publicações, um só caminho e todo o resto de uma só tipos, isto certamente faria que tivéssemos a moral em alto! O mais sábio é que todos optemos pelo caminho de servir a tempo completo e que todos falemos uma mesma coisa, pensemos o mesmo, apresentemos o mesmo e ensinemos o mesmo, com a mesma essência, aparência e expressão. Só assim teremos a moral em alto, causaremos impacto em nosso meio e derrotaremos ao inimigo. Isto é o que o Senhor necessita! (Elder’s Training, Book 8: The Life-pulse of the Lorde’s Present Move [Adestramento para anciões, livro 8: O pulso vital do mover presente do Senhor], págs. 161-164, 123-127, Witness Lê)

 

VII. PARTICIPAR DO MINISTÉRIO DO SENHOR NA ERA PRESENTE

Quanto a seguir o ministério da era
Ver o ministério da era

No Antigo Testamento, Salomón e David representaram ao Senhor. Os dois representaram o único ministério em duas maneiras separadas. No Antigo Testamento houve muitos ministérios. depois do Moisés, surgiram os juizes. Logo, vemos o Salomón, aos reis e aos profetas. depois de que os israelitas foram levados cativos, surgiram copos que efetuaram a restauração. O Antigo Testamento está cheio de diferentes tipos de ministérios. Em cada era existe o ministério dessa era. Ditos ministérios são diferentes dos ministérios locais. Lutero foi um ministro de sua era. Darby foi também um ministro de sua era. Em cada era o Senhor tem coisas especiais que Ele deseja levar a cabo. Ele tem Suas próprias restaurações e Suas próprias obras que realizar. A restauração e a obra específicos que Ele leva a cabo em uma era constituem o ministério dessa era.

Abandonar os ministérios anteriores

Jonatán esteve entre o Saúl e David. Ele foi um homem que se viu em meio de dois ministérios. Ele deveu ter seguido o segundo ministério; entretanto, devido a que a relação que ele tinha com o primeiro ministério era muito profunda, não pôde apartar-se dele. Se queremos nos atualizar no ministério da era, é necessário que vejamos a visão. Mical esteve casada com o David; entretanto, não viu nada. Quão único viu foi a condição do David diante de Deus, e não pôde tolerá-la. como resultado disso, foi deixada atrás (2 S. 6:16, 20-23).

Tudo depende da misericórdia de Deus

É obra da misericórdia de Deus o fato de que uma pessoa veja o ministério da era e se relacione com ele. Mas é outro assunto totalmente o que um homem tenha a valentia de abandonar o ministério anterior. Ver algo é muito valioso, e relacionar-se com o que se vê é uma bênção. Contudo, que uma pessoa esteja disposta a fazer a um lado seu ministério depende totalmente da misericórdia de Deus. (The Collected Works of Watchman Nee, [Recopilação de obras do Watchman Nee], tomo. 57, págs. 260-261)

O ministério no Antigo Testamento

Através das gerações, existiu a obra do Senhor em Seu mover. No Antigo Testamento, na época do Noé, o mover do Senhor consistiu na edificação do arca. A obra de edificação do arca constituiu o ministério na era do Noé. Noé foi o ministro principal em este ministério. Entretanto, Noé solo jamais poderia ter edificado o arca. Naquele tempo, certamente houve alguns mais que edificaram o arca junto com o Noé. A obra de edificação do arca foi o ministério daquela era. você crie que em este ministério levaram-se a cabo dois ou mais obra, que houve dois ou mais grupos de pessoas, ou que houve duas ou mais lideranças? É obvio que não! Do contrário, o arca jamais teria sido edificada.

Os problemas que surgiram no cristianismo nos passados dois mil anos se devem a que houve muitos “ministérios”. Cada denominação e cada seita afirma estar edificando a igrejas de Cristo. Muitos templos e capelas têm uma pedra fundamental inscrita com as palavras: “Cristo Jesus, nosso fundamento”. Deste modo, a pessoa única do Jesucristo foi dividida e se converteu em muitos fundamentos. Esta foi a causa de tantos problemas.

A Bíblia nos mostra claramente que na era do Noé unicamente havia um só ministério; não obstante, havia muitos ministros juntos edificando o arca. Isto não quer dizer que cada ministro estivesse dirigindo a obra de edificação. Noé era o único que exercia a liderança no ministério de edificar o arca.

Na era do Moisés, Deus desejava edificar o tabernáculo com seus respectivos móveis, dos quais o mais importante era o arca. Moisés solo não teria podido edificar todas estas coisas; entretanto, era a ele que lhe tinha encomendado o ministério de edificar o tabernáculo, o qual era a obra que cumpriria o propósito único de Deus. Em tal ministério, Moisés não era o único, já que ele era um dos muitos ministros, e, sem lugar a dúvidas, ele era quem exercia a liderança nesse ministério. Se tivesse havido outros líderes além do Moisés, teria havido confusão naquela obra. Na era do David e Salomón, Deus desejava edificar o templo. A edificação do templo não era meramente uma obra, a não ser um ministério. Naquele tempo, não existiam dois diferentes ministérios edificando o templo; por conseguinte, tampouco havia dois diferentes grupos exercendo a liderança. Na era do David, David exercia a liderança. depois de que David morreu, foi Salomón quem assumiu a liderança. Entretanto, qualquer que tivesse parte no ministério de edificar o templo, incluindo a aqueles que cortavam as pedras e aos que as conduziam, era um ministro desse ministério.

O ministério no Novo Testamento

No Novo Testamento, veio o Senhor Jesus e disse: “Sobre esta rocha edificarei Minhas igrejas” (MT. 16:18). O primeiro que participou do ministério de edificar a igrejas foi o próprio Senhor Jesus. O ministério do Senhor consistiu em edificar o Corpo de Cristo. Para levar isto a cabo, Ele escolheu a doze apóstolos e os introduziu no ministério da edificação da igrejas. Mais tarde, Ele trouxe também a outros apóstolos, entre os quais o mais proeminente foi o apóstolo Paulo.

Já que em todas as foi existiu a obra do ministério, isto nos provê a base suficiente para afirmar que nesta era também o ministério do Senhor deve estar levando-se a cabo. Não podemos negar o fato de que hoje na terra existe o edifício do Senhor. O Senhor veio edificando através das gerações, e Ele continuará trabalhando até que Sua obra de edificação seja totalmente consumada, quando a Nova Jerusalém descenda do céu.

 

Todos os cristãos devem participar do ministério do Senhor nesta era

Vimos claramente que o ministério do qual a Bíblia nos fala não se refere a uma pessoa, a não ser à obra de edificação que Deus realiza. Além disso, no ministério de edificação que Deus realiza, há alguns que, em cada era, exercem a liderança em este ministério. Queira o Senhor abrir nossos olhos para que vejamos que se formos seres humanos, devemos ser cristãos, e que, se formos cristãos, devemos participar do ministério do Senhor nesta era.

Na atualidade há milhares de pessoas que acreditaram no Senhor Jesus e foram salvas, mas muito poucas delas participam do ministério do Senhor, o qual consiste em edificar a igrejas. Isto é semelhante à situação nos dias do Noé. Embora nnaquele tempo naquele tempo havia milhares de pessoas na terra, só um pequeno número delas estava com o Noé edificando o arca. É por isso que Filipenses 2:12 diz: “Levem a cabo sua salvação com temor e tremor”. O que Noé e todos os que edificaram o arca junto com ele estavam fazendo, era levar a cabo sua própria salvação. É obvio foi Deus quem os salvou, mas pela graça de Deus eles edificaram com suas próprias mãos o arca que os liberou. Hoje nós também devemos participar do ministério de Deus, no ministério de edificação, para levar a cabo nossa própria salvação, quer dizer, para que nossa salvação chegue a sua consumação final, e assim possamos ser exaltados Por Deus em glória como foi o Senhor Jesus.

Um testemunho pessoal

Quando fui salvo faz mais de sessenta anos, comecei a me relacionar com muitos cristãos; mas, mesmo assim, não tive conhecimento do mover de Deus na terra. Dou graças ao Senhor que me deu amor pela Bíblia. Eu a li continuamente e até colecionei muitos livros de referência. Com o tempo, cheguei a entender muito claramente que posto que era um ser humano, devia ser cristão, e que, se era cristão, devia participar do mover de Deus. Por conseguinte, deixei tudo o que estava fazendo e entreguei totalmente à restauração do Senhor. Naquele tempo, embora certamente não teria podido dar a mensagem que lhes estou dando esta manhã, a visão que tive em meu interior foi muito clara. Eu vi que a comissão do Senhor lhe tinha sido entregue ao irmão Nee, a qual era o ministério. Também entendi que o irmão Nee era a pessoa que Deus tinha escolhido e comissionado nesta era para levar adiante Sua obra de restauração. portanto, reconheci-o como o líder nesta obra. (Words of Training for the New Way, Volume One [Palavras de adestramento para pôr em prática a nova maneira], tomo um, págs. 21-24, Witness Lê)

Os que têm a liderança no mover de Deus: aqueles que conhecem a economia neotestamentaria de Deus e sabem o que Deus fala atualmente

 

Devemos acreditar que nosso Deus é um Deus vivo (1 Ti. 3:15). Já que nosso Deus é um Deus vivo, Ele então deve permanecer sempre ativo. Ele certamente está ativo hoje. Mas, onde vemos que Deus está atuando? Deus sempre atua mediante Sua palavra. Se não Ele falasse nada, isso indicaria que não está fazendo nada. Devemos nos perguntar, pois, onde Deus está falando. Acaso está falando Deus na Igrejas Ortodoxa, na Igrejas Católica, nas denominações protestantes, nas Iglesias estatais, nas Iglesias privadas ou nos grupos livres? Nosso Deus quem é vivo e está atuando sempre atua mediante Sua palavra. Temos que reconhecer que Seu falar hoje em dia está entre nós. Hoje em dia, Ele não está falando sobre o presbitério, do batismo por imersão, do falar em línguas, dos dons, das sanidades nem dos movimentos evangélicos. O que Ele fala hoje tem que ver com a economia neotestamentaria de Deus. Espero que todos sejamos iluminados. Vejo-me obrigado a ser ousado e a me recomendar a mim mesmo a todos vocês. Hei-me sentido obrigado a ser um néscio. Aquele que pode exercer a liderança no mover do Senhor hoje é o que conhece a economia neotestamentaria de Deus, que sabe o que Deus está falando hoje.

Pedro foi certamente o apóstolo líder no mover do Senhor o dia do Pentecostés, já que era uma pessoa que sabia o que Deus estava falando. De fato, ele mesmo foi a boca por meio da qual Deus falou. Aquele que seja a boca por meio da qual Deus possa falar em certa época, é quem tem a liderança. Aqueles a quem Deus fala são os principais apóstolos. E o que eles ministren será a direção apropriada que todos os Santos deverão seguir. Considero que esta definição é bastante razoável.

Não se requer competir para ser a pessoa que possa dar a direção apropriada e adequada aos crentes segundo o pleno conhecimento da economia neotestamentaria de Deus. A respeito, ninguém pode competir com outros. Tudo depende da misericórdia de Deus e de Suas compaixões. Paulo reconheceu isto em Romanos 9:16. Deus lhe deu a Paulo sua porção no Corpo de Cristo e ninguém podia competir com ele.

Se acreditarem na soberania do Senhor e em que Ele é um Deus vivo, um Deus que permanece ativo, um Deus que fala, temos que averiguar com toda sinceridade, humildade e fidelidade, onde está Deus falando hoje. Aqueles por meio dos quais Deus fala com respeito ao ensino completo da economia neotestamentaria de Deus, são os que têm a liderança no mover de Deus.

Todas as Iglesias devem ser idênticas, e aqueles que podem dar direção a todas as Iglesias são aqueles que têm o devido conhecimento do ensino da economia neotestamentaria de Deus e que podem propagar estes ensinos a toda a terra. Seguimos a aquele que ensina e continua ao Cristo todo-inclusivo, encarnado, crucificado, ressuscitado e ascendido, quem ainda ministra nos lugares celestiales para levar a cabo a economia neotestamentaria de Deus. Devemos seguir a tais pessoas, e temos que aceitar sua direção. A direção que elas nos dão, é a direção apropriada que devem seguir todas as Iglesias. (Elders’ Training, Book 7: One Accord for the Lorde’s Move [Adestramento para anciões, livro 7: A unanimidade requerida para o mover do Senhor], págs. 69-70, 74, Witness Lê)

 MANEIRA ATUALIZADA PARA LEVAR A CABO O MINISTÉRIO DO SENHOR CONSISTE EM QUE MUITOS IRMÃOS SIRVAM JUNTOS DE MANEIRA COMPENETRADA

Enquanto o Senhor me dê a força e o tempo, tenho-me proposto seguir servindo e compartilhando nos dias vindouros. O Senhor me mostrou que preparou a muitos irmãos que servirão comigo como escravos de forma compenetrada. Sinto que esta é a provisão soberana do Senhor para Seu Corpo, e também a maneira atualizada para levar a cabo Seu ministério. (Ao Letter of Fellowship with Thanks [Uma carta de comunhão e agradecimento, 24 de março de 1997, Witness Lê)